Conservação e promoção de património cultural transfronteiriço que remonta a 1640

O projeto BALUARTES, cogerido pelas câmaras municipais de Elvas, Portugal, e de Badajoz, Espanha, concentrou-se num elemento importante do património cultural transfronteiriço, nomeadamente as fortificações abaluartadas e os fortes existentes em Badajoz e na cidade militar de Elvas.

Outras ferramentas

 
Inauguração da reabilitação do Forte de São Cristóvão, Badajoz © Secretariado Técnico Conjunto do Programa Operacional de Cooperação Transfronteiriça Espanha – Portugal Inauguração da reabilitação do Forte de São Cristóvão, Badajoz © Secretariado Técnico Conjunto do Programa Operacional de Cooperação Transfronteiriça Espanha – Portugal

" A reabilitação do Forte de São Cristóvão de Badajoz é um bom exemplo da excelente utilização dos fundos da UE no âmbito de um projeto que revitaliza uma região, melhora o nosso património e estimula projetos desenvolvidos em conjunto com Portugal. "

José Antonio Monago, Presidente del Gobierno de Extremadura

O projeto tinha como objetivo reforçar a conservação e a identidade deste património cultural de modo a estimular a expansão, a consolidação e a diversificação das atividades económicas relacionadas com o turismo, as atividades culturais, o entretenimento, os serviços e o comércio na região.

Este trabalho de conservação beneficiou particularmente os seguintes elementos: as fortificação abaluartadas e as portas de madeira dos acessos às mesmas de Elvas e Badajoz; o Forte de São Cristóvão em Badajoz; e os Fortins de São Domingos e de São Mamede em Elvas.

Promoção de Elvas como Património Mundial da UNESCO

No que respeita às fortificações abaluartadas de Elvas e Badajoz, foram elaborados e apresentados documentos técnicos e históricos para fins turísticos e de informação geral, bem como para promover a candidatura de Elvas a Património Mundial da UNESCO. Após a atribuição dessa designação, em 2012, seguiu-se uma nova promoção do Património Mundial da UNESCO de Elvas e suas fortificações. Além disso, foi ainda construído um museu conjunto entre os baluartes de Elvas e Badajoz, o qual explica como as fronteiras nacionais são uma valiosa fonte de ligações culturais e de turismo.

O impacto global do projeto foi significativo. Em geral, registou-se um aumento de 25 % do número de visitas anuais a locais turísticos de cariz cultural e histórico e, no total, passaram mais de 15 000 pessoas pelos centros de visitantes. A reabilitação do Forte de São Cristóvão resultou num aumento particularmente notório do volume de turistas: desde a sua abertura, em fevereiro de 2014, o Forte já recebeu mais de 10 000 visitantes.

O efeito positivo deste aumento do volume de turistas fez-se sentir nas economias locais de ambos os países, em especial devido à criação de várias oportunidades de emprego direto e indireto no contexto do turismo, da hotelaria e restauração e das atividades culturais.

Investimento total e financiamento da UE

O investimento total para o projeto BALUARTES foi de 4 691 473 euros, contando com uma contribuição do Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional da UE de 3 518 604 euros através do Programa Operacional de Cooperação Transfronteiriça Espanha – Portugal (POCTEP) para o período de programação 2007-2013.

Data do projecto

24/06/2015