CENTRO BIO: Crescimento de base biológica para as economias rurais

Investigadores e empresas em Portugal estão a desenvolver uma economia inteligente e circular para as zonas rurais. Uma biorrefinaria, investigação biotecnológica, apoio às PME e formação para os estudantes são o motor da mudança.

Outras ferramentas

 
Presidente e coordenador da investigação João Nunes em frente de um modelo em escala real de uma unidade de biorrefinaria para a produção de substitutos do petróleo, convertendo os resíduos da silvicultura e da agricultura no Centro de IDT da BLC3 em Lagares da Beira, Oliveira do Hospital, Portugal. © Associated Press Presidente e coordenador da investigação João Nunes em frente de um modelo em escala real de uma unidade de biorrefinaria para a produção de substitutos do petróleo, convertendo os resíduos da silvicultura e da agricultura no Centro de IDT da BLC3 em Lagares da Beira, Oliveira do Hospital, Portugal. © Associated Press

" Provámos que as tecnologias e os conhecimentos transformam os problemas e as oportunidades em novas perspetivas de negócios, para uma economia local competitiva com um baixo impacto ambiental e níveis elevados de eficiência económica, criando assim uma simbiose industrial e regional. "

João Nunes, Fundador, Associação BLC3

Nas montanhas cobertas de florestas da região Centro de Portugal, está em curso uma revolução. Um centro de tecnologia e inovação está a desenvolver uma economia rural de base biológica que obtém combustível e matérias-primas de forma sustentável, criando novos postos de trabalho e negócios, ao mesmo tempo que limita as importações e preserva a beleza natural da região. 

Inspirando-se nos resíduos agrícolas e silvícolas que representam um perigo local mas que têm potencial para interagir em diferentes cadeias de valor, o projeto «Centro Bio: Bioindústrias, Biorrefinarias e Bioprodutos» trabalha com investigadores e agricultores, silvicultores e empresários locais no sentido de desenvolver novas indústrias a partir de subprodutos, melhorar a eficiência das empresas e formar futuros cientistas e empresários. O projeto está a trabalhar rumo a uma «economia circular» sustentável para a região — uma em que as empresas interajam e partilhem recursos para evitar os resíduos — e é financiado com uma verba de 2 640 000 EUR do Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional.

Tecnologias transformativas

A rede do projeto abrange cidades e comunidades rurais dispersas por uma área de 1 000 km2. Estas produzem milhares de toneladas de resíduos orgânicos por ano e importam muitas das suas necessidades, incluindo combustível.

Fazendo parte de uma rede à escala da UE de 55 organizações de I&D, o Centro Bio mostra como as tecnologias podem transformar estes problemas em oportunidades. Uma biorrefinaria de ponta tem capacidade para produzir até 25 milhões de litros de biocombustível por ano a partir de restos de matérias vegetais, para uma fonte local fiável de energia hipocarbónica. O projeto contribui ainda para a prevenção de incêndios florestais na região ao criar um mercado para os resíduos de biomassa inflamáveis e ao reduzir a necessidade dos habitantes de colherem plantas para combustível.

Os investigadores no Centro Bio exploram também o potencial dos recursos e subprodutos ignorados — como os fungos autóctones ou os restos de líquidos da produção de queijo — para gerarem indústrias inovadoras. Além disso, para investir no maior recurso da região (o capital humano), o projeto promove a ciência e o empreendedorismo junto de estudantes e crianças em idade escolar, bem como melhorias da qualidade de vida para todos.

Benefícios comerciais

A ajuda prática aos empresários inclui conhecimentos de I&D, mentoria, laboratórios e escritórios para novas empresas, juntamente com aconselhamento em matéria de eficácia para as PME mais sólidas. Outros apoios orientam os investigadores e os empresários no labirinto dos requisitos de financiamento e regulamentares para a comercialização das inovações.

Até ao momento, o centro de investigação criou 52 empregos de elevada qualificação, quatro empresas derivadas, seis novas empresas e 24 subprojetos de I&D, tendo gerado interesse comercial na sua tecnologia de biorrefinaria. Está também a ajudar a criar a All – Associação Portuguesa de Bioeconomia e Economia Circular.

O centro planeia associar-se a mais duas regiões — o Norte e o Alentejo — para uma região inteligente mais vasta. Em última instância, visa gerar entre 2,9 e 4,3 mil milhões de euros em rendimentos anuais e mais de 70 000 postos de trabalho.


Investimento total e financiamento da UE

O investimento total para o projeto «Centro Bio: Bioindústrias, Biorrefinarias e Bioprodutos» é de 3 159 000 EUR, com uma contribuição de 2 640 000 EUR do Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional da UE através do Programa Operacional Regional do Centro para o período de programação 2007-2013.


Data do projecto

09/09/2016