Ensinar as escolas a serem mais inteligentes do ponto de vista energético no Sudoeste da Europa — Espanha, Portugal, França e Reino Unido

Escolas em Espanha, Portugal, França e Gibraltar aprenderam a ser mais eficientes do ponto de vista energético e mais sustentáveis através de um projeto transfronteiriço dedicado ao desenvolvimento de uma abordagem hipocarbónica. O ClimACT ajudou 39 escolas-piloto a abordar questões como o consumo de energia, os contratos públicos ecológicos, o consumo de recursos e as mudanças de comportamento. O projeto envolveu funcionários, pais e alunos.

Outras ferramentas

 
Teacher and students at work in the ClimACT project   ©ClimACT Teacher and students at work in the ClimACT project ©ClimACT

" De um ponto de vista técnico, o projeto conseguiu avaliar o desempenho ambiental e energético das escolas-piloto e identificar medidas sólidas para reduzir o consumo de energia. Além disso, encorajou toda a comunidade escolar a empenhar-se com entusiasmo nas questões relacionadas com a redução das emissões de carbono, incluindo professores, pais e alunos. "

Susana Marta Almeida, coordenadora do projeto

As escolas participantes no projeto estão, neste momento, a desempenhar um papel mais importante de acompanhamento e otimização do seu desempenho energético e ambiental. Foram introduzidos novos modelos de negócio que estão a ajudar as escolas a reduzir as suas faturas energéticas. Entretanto, foram desenvolvidas ferramentas didáticas para ensinar os alunos sobre o valor de um estilo de vida hipocarbónico.

O ClimACT criou uma ferramenta de apoio às decisões que as escolas têm utilizado para avaliar o consumo de energia dos seus edifícios e para identificar aspetos a melhorar. Além disso, o projeto criou uma metodologia sistemática que permite realizar uma gestão energética inteligente nas escolas-piloto. Após uma avaliação inicial do desempenho de base, foram identificadas áreas que beneficiariam de medidas de eficiência. Foram introduzidas alterações nos processos diários de tomada de decisões sobre o consumo de energia e desenvolveram-se planos de ação para garantir o compromisso a longo prazo.

Envolver os alunos

A plataforma educativa do projeto foi concebida para incentivar os alunos a aprenderem mais sobre as questões hipocarbónicas e sobre o modo como estas podem afetar as suas escolas e a vida diária. Foram dadas aos alunos informações e oportunidades de aprendizagem sobre sustentabilidade e sobre o ambiente, bem como sobre o valor do desenvolvimento de estilos de vida ecológicos. Um curso de e-learning sobre desenvolvimento sustentável facilitou o trabalho dos professores.

Além disso, o ClimACT desenvolveu uma rede temática e um portal Web complementar de sensibilização para o projeto, para ajudar a desenvolver capacidades e para facilitar a comunicação com todas as partes interessadas.

Encorajar mudanças permanentes

Para garantir que o ímpeto do projeto não se perde após a conclusão dos trabalhos, foi introduzida uma «estrutura hipocarbónica» nas escolas participantes, que consiste num coordenador, numa comissão e numa brigada. As comissões serão a força motriz e deverão garantir que as futuras atividades são realizadas. São responsáveis por debater o plano de trabalho anual e por acompanhar e avaliar todas as atividades subsequentes. Incluem professores, alunos, pessoal não docente, pais e representantes das autarquias.

Para além das escolas-piloto, o projeto envolveu 6 000 pessoas em atividades de sensibilização e 850 partes interessadas em reuniões, seminários e grupos de reflexão.

Beneficiários

«Com o projeto ClimACT, tive a oportunidade, juntamente com a comunidade académica, de identificar situações que melhoraram o desempenho ambiental e energético da minha escola, contribuindo de forma significativa para a redução das emissões de carbono. A participação no projeto ClimACT permitiu-me trabalhar em rede com outras escolas de Portugal, de Espanha, de França e de Gibraltar, e a partilha de experiências contribuiu para a aquisição de conhecimentos e competências que tenho vindo a aplicar enquanto professor.»

 

Vítor Manteigas, professor de uma escola ClimACT portuguesa

 

«Este trabalho é uma oportunidade para participar na redução do nosso impacto ambiental. Este tema é muito importante para mim em termos pessoais, e este trabalho deu-me a oportunidade de continuar este compromisso em grande escala. Os meus principais parceiros são, evidentemente, as escolas, mas também, e sobretudo, a minha faculdade, que é responsável pelo trabalho técnico nos edifícios escolares ou pela gestão dos espaços verdes, ou pela cantina escolar, ou pelo departamento de energia, etc... O desafio do projeto ClimACT consiste em conseguir que todas estas partes interessadas trabalhem em conjunto, despertando a sua consciência para o impacto das suas ações e fazendo com que ajam em prol de uma economia hipocarbónica.»

 

Céline Berthier, gestora de projeto, município de La Rochelle, França

Investimento total e financiamento da UE

O investimento total para o projeto «ClimACT — Transition to a Low Carbon Economy in schools» é de 1 374 128 EUR, com uma contribuição de 993 096 EUR do Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional através do Programa Operacional «Interreg Sudoe» para o período de programação 2014-2020. O investimento insere-se no âmbito da prioridade «Economia hipocarbónica».

 

Data do projecto

27/09/2018