AYCH: o Espaço Atlântico aborda o desemprego dos jovens através de apoio ao empreendedorismo

Ao desenvolver boas práticas para ajudar jovens desfavorecidos a desenvolverem as suas competências empresariais, criativas e tecnológicas, o projeto Hubs Atlânticos de Jovens Criativos (AYCH), financiado pela UE, visa aumentar a empregabilidade e reduzir a pobreza em toda a região atlântica.

Outras ferramentas

 
João Sousa and his team before his fashion show at the Portugal Fashion event. ©Municipality of Santo Tirso (2018) João Sousa and his team before his fashion show at the Portugal Fashion event. ©Municipality of Santo Tirso (2018)

" Os jovens são capacitados para se verem como os agentes de mudança de que a nossa sociedade precisa desesperadamente. É um projeto longitudinal e a AYCH é o início de uma colaboração transnacional que continuará a fomentar os empresários de toda a Europa para que possam sentir-se confortáveis, confiantes e qualificados numa sociedade e num mercado de trabalho em constante mutação e instáveis, criando capital social e capital financeiro. "

Xosé L. Garza Silvela, Gestor de Comunicação da AYCH

Para o efeito, o projeto criou uma rede regional de polos interligados e multidisciplinares, em que os jovens desfavorecidos que procuram uma carreira ou trabalho independente no setor criativo podem obter o apoio inicial necessário. Além disso, ao servirem de intermediários entre os jovens talentos e os empregadores, estes polos apoiam o crescimento económico local e a criação de emprego, desempenhando também um papel fundamental na redução do desemprego dos jovens.   

Um estudo de caso de sucesso 

O principal resultado do projeto é o «Creative Jam», um espaço onde os jovens podem fazer experiências e desenvolver um produto ou serviço que responda aos objetivos de desenvolvimento sustentável das Nações Unidas. Neste espaço, podem desenvolver, aperfeiçoar e apresentar as suas ideias a colegas, peritos, investidores e autoridades locais. 

Para entender como isto funciona, é preciso estabelecer uma imagem de uma centena de jovens de diferentes países, que trabalham e aprendem em conjunto. Nos creative jams, a língua não é um entrave: o trabalho de equipa, a vontade de aprender e descobrir coisas novas e o modelo sustentável são a língua falada. Os jovens participam em diferentes formações levadas a cabo por peritos ligados ao projeto AYCH e são posteriormente divididos em grupos transnacionais para desenvolverem formas diferentes de lidar com uma questão específica.

A formação recebida durante a primeira parte do evento e a miscelânea resultante dos diferentes níveis de estudos, culturas e origens dos elementos dos grupos conduzem a formas diferentes, inovadoras e interessantes de entender um problema comum sob diferentes pontos de vista.

Um grande impacto

Embora o trabalho esteja a ser desenvolvido, o AYCH espera envolver mais de 1 600 jovens e 800 PME. Ao prestar-lhes apoio empresarial personalizado, incluindo demonstrações e seminários, estima-se que a rede de polos resulte na produção de 40 produtos prontos a comercializar e 40 protótipos de produtos, no lançamento de 50 novas empresas e na criação de 200 novos postos de trabalho e 200 estágios. 

Quando o projeto terminar, em 2021, o modelo AYCH será transferido para as regiões participantes, garantindo deste modo um impacto permanente.

 

Investimento total e financiamento da UE

O investimento total para o projeto «AYCH — Hubs Atlânticos de Jovens Criativos» é de 4 227 620 EUR, com uma contribuição de 3 170 715 EUR do Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional através do Programa Operacional «Espaço Atlântico» para o período de programação 2014-2020. O investimento insere-se na prioridade «Promover a inovação e a competitividade abordando o desafio de acelerar o crescimento inteligente».

 

Data do projecto

29/11/2019