«A União Europeia participará em Glasgow com o mais elevado nível de ambição. Fazemo-lo por todas as gerações futuras. Fazemo-lo pelo nosso planeta. E fazemo-lo pela Europa.»

Ursula von der Leyen, presidente da Comissão Europeia
Ursula von der Leyen, presidente da Comissão Europeia

A 26.ª conferência das Nações Unidas sobre Alterações Climáticas (COP26) realizar-se-á de 31 de outubro a 12 de novembro de 2021, em Glasgow. Sob a presidência do Reino Unido, a cimeira COP26 reunirá as partes, a fim de acelerar as medidas destinadas a atingir os objetivos do Acordo de Paris e da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre as Alterações Climáticas.

A UE investiu de forma substancial no êxito da COP26. Com o Pacto Ecológico Europeu, a UE dá um exemplo positivo, levando os principais parceiros internacionais a fixarem as suas próprias datas-limite para alcançar a neutralidade climática. Estamos agora prontos para ser de novo líderes ecológicos, através do nosso plano pormenorizado para cumprir estes objetivos em matéria de clima.

Pacto Ecológico Europeu

A Europa quer ser o primeiro continente com impacto neutro no clima. Para alcançar esse objetivo, comprometeu-se a reduzir as emissões em 55 %, pelo menos, até 2030, em comparação com os níveis de 1990. Com o Pacto Ecológico Europeu, a estratégia de crescimento da UE, a Europa está a dar passos concretos para uma economia descarbonizada.

Esta transformação da economia e das sociedades europeias não só contribuirá para reduzir as emissões, como também estimulará a inovação e o investimento, criará mais postos de trabalho e promoverá o crescimento económico.

  • 30 % do orçamento da UE e do orçamento da NextGenerationEU destinam-se a apoiar a ação climática
  • 40 % – nova meta para as energias renováveis para 2030

Apoio dos europeus à ação climática

Rapaz na floresta O último inquérito Eurobarómetro mostrou que os cidadãos europeus consideravam que as alterações climáticas eram o problema mais grave com que o mundo se depara. Mais de nove em cada dez inquiridos consideram que as alterações climáticas constituem um problema grave (93 %).
Quando lhes foi pedido que identificassem o problema mais grave com que o mundo se depara, mais de um quarto (29 %) indicou as alterações climáticas (18 %), a deterioração da natureza (7 %) ou os problemas de saúde causados pela poluição (4 %).

Financiar a ação climática

Embora cada país seja responsável pela luta contra as alterações climáticas, as principais economias têm também um dever especial para com os países menos desenvolvidos e mais vulneráveis. O financiamento da luta contra as alterações climáticas é essencial para estes países, tanto no que se refere à atenuação como à adaptação.

As principais economias comprometeram-se a disponibilizar anualmente 100 mil milhões de USD até 2025 para os países menos desenvolvidos e mais vulneráveis.

A Equipa Europa, uma ação conjunta da UE, dos seus Estados-Membros e das instituições financeiras europeias para prestar apoio coletivo a países parceiros, contribui anualmente com 21 mil milhões de EUR, o que a torna a maior doadora de financiamento da luta contra as alterações climáticas. No entanto, continua a existir um afastamento relativamente ao objetivo global e a eliminação desse afastamento aumentará a probabilidade de êxito da COP26.

  • 21 mil milhões de EUR - contribuição anual da Equipa Europa para o financiamento da luta contra as alterações climáticas
  • 4 mil milhões de EUR - fundos adicionais até 2027 propostos pela presidente von der Leyen no seu discurso sobre o estado da União de 2021

Intensificar a luta mundial contra as alterações climáticas

Lema Aumentar a ambição juntos

Só é possível fazer face à ameaça das alterações climáticas trabalhando em conjunto com os nossos parceiros internacionais. A ação climática a nível mundial:

  • ajuda a proteger o planeta
  • oferece vantagens às nossas empresas
  • evita o custo das alterações climáticas
  • cria oportunidades de investimento, especialmente em tecnologias ecológicas

A UE está a colaborar com os seus parceiros internacionais com vista a alcançar um compromisso comum e a adotar uma ação conjunta para reduzir as emissões até 2030, e a fixar objetivos concretos para que as economias tenham um impacto neutro no clima até 2050.

  • Os EUA prometeram duplicar a sua contribuição para os países de baixo e médio rendimento
  • A China anunciou o fim do financiamento do carvão no estrangeiro
  • A Turquia ratificou o Acordo de Paris sobre o clima

 

Iniciativas globais da COP26

Mais informações sobre as iniciativas conjuntas que estão a ser lançadas pela UE e pelos países parceiros:

Momentos-chave

Julho de 2021: A adoção de um pacote de propostas destinado a adaptar as políticas da UE em matéria de clima, energia, utilização dos solos, transportes e fiscalidade à redução de, pelo menos, 55 % das emissões líquidas de gases com efeito de estufas até 2030.

Junho de 2021: entrada em vigor da Lei Europeia em matéria de Clima

Março de 2020: apresentação, por parte da Comissão, da proposta relativa à Lei Europeia em matéria de Clima, a fim de inscrever o objetivo de neutralidade climática até 2050 num ato vinculativo

Dezembro de 2019: fixação do objetivo, no Pacto Ecológico Europeu, de tornar a Europa o primeiro continente com impacto neutro no clima até 2050

Dezembro de 2019: realização da 25.ª Conferência das Nações Unidas sobre Alterações Climáticas (COP25) sob a presidência do Governo do Chile

Twitter

Atualidade