Calcular o PIB

This is the stable Version.
Destaques
Logo wide.png

Este artigo faz parte de Statistics 4 beginners, uma secção de Statistics Explained onde são explicados, de um modo simples, indicadores e conceitos estatísticos, para tornar o mundo das estatísticas mais acessível aos estudantes, assim como a todas as pessoas que se interessam por estatísticas.

Qual é a base para o cálculo do PIB?

O PIB é a medida chave num contexto mais amplo das estatísticas económicas, muitas vezes referidas simplesmente como contas nacionais e mais formalmente designada, na UE, por contas nacionais e regionais. A designação completa das normas e métodos obrigatórios que são utilizados para compilar estas contas na UE é o Sistema europeu de contas nacionais e regionais, conhecido pela sua abreviatura: ESA (European system of national and regional accounts). A norma global da Organização das Nações Unidas (ONU) é designada por Sistema de Contas Nacionais (SNA – System of National Accounts). Estas normas são atualizadas regularmente para refletirem mudanças na economia, tais como os desenvolvimentos tecnológicos ou financeiros. A última versão da ONU é de 2008 e tem a designação “SNA 2008”, enquanto a versão mais recente da UE é de 2010 e é designada por “ESA 2010”. Existe uma página no site do Eurostat dedicada ao ESA 2010, onde se encontram informações mais detalhadas.

O PIB não se obtém com um só inquérito. Na verdade, as contas nacionais são compiladas reunindo dados de uma vasta gama de fontes, incluindo inquéritos por amostragem a empresas e a agregados familiares, e também dados administrativos, como, por exemplo, as declarações de IVA (imposto sobre o valor acrescentado – um imposto sobre o valor que foi acrescentado aos produtos e serviços). Num outro artigo, são apresentadas mais informações sobre as fontes de dados usadas.


Artigo completo

Como é calculado o PIB?

O PIB pode ser calculado de diferentes maneiras; a mais comum é a da ótica da produção, na qual nos concentraremos de seguida.

A ótica da produção A ótica da produção soma o valor acrescentado a preços base de todas as atividades, por exemplo, agricultura, indústria transformadora, construção, comércio a retalho, intermediação financeira ou serviços de saúde.

O valor acrescentado é o valor dos bens e serviços que foram produzidos menos o valor dos bens e serviços necessários para os produzir (ver Caixa 1).

O preço base é a quantia de dinheiro efetivamente recebido e arrecadado pelo produtor dos bens e serviços (ver Caixa 2).

Caixa 1: Valor acrescentado

Value added blue PT updated.png

O valor acrescentado, a partir da produção, não é simplesmente o valor dos bens e serviços que foram produzidos, diz respeito ao valor extra que foi criado na sua produção.

Em linguagem simples, é o valor dos bens e serviços produzidos menos o valor dos materiais e outros bens e serviços que são consumidos (conhecidos como consumo intermédio) para produzir esses bens e serviços.

Exemplo: A Lídia é taxista e cobra a um cliente 10 € por um determinado serviço de transporte; é esse o valor do seu serviço. Para a Lídia prestar esse serviço, tem de pagar o combustível, o seguro automóvel e umas quantas despesas menores que, no conjunto e relativamente a este transporte, somam 3 €; é este o seu consumo intermédio.

O seu valor acrescentado para este serviço de transporte é o Valor da produção, ou do serviço, menos o custo do consumo intermédio: 10 € - 3 € = 7 €.



Caixa 2: Preços base

O valor da compra e da venda de bens e serviços é o preço acordado entre o vendedor e o comprador; por outras palavras, é o preço de mercado. No entanto, nas contas nacionais podem ser usados outros preços, dependendo de como são registados os impostos (dinheiro que as pessoas ou as empresas pagam às administrações públicas) e os subsídios (dinheiro pago pelas administrações públicas para ajudar ou encorajar as empresas) sobre os produtos. Aqui, vamos focar-nos no preço base.

O preço base é a quantia de dinheiro efetivamente recebida e arrecadada pelo vendedor. Exclui todos os impostos sobre os produtos que o produtor recebe do comprador (IVA e outros impostos sobre produtos, que são entregues ao Estado), mas inclui todos os subsídios que o produtor receba do Estado como incentivo para baixar os preços.

O valor dos bens e serviços produzidos na economia é expresso em preços base. Após a dedução do consumo intermédio, obtém-se o valor acrescentado a preços base.

Em conclusão: a ótica da produção soma o valor acrescentado a preços base. A este são adicionados impostos sobre os bens ou serviços, enquanto os subsídios aos bens ou serviços são subtraídos para calcular o PIB a preços de mercado.

Como foi referido, o PIB pode ser calculado de diferentes maneiras. Na verdade, existem três métodos diferentes: a ótica da produção, acima mencionada e que é a mais comum, e duas outras, designadas “ótica da despesa” e “ótica do rendimento". As três abordagens devem levar ao mesmo resultado.

Com que frequência é calculado o PIB?

Na UE, o PIB é calculado para cada ano (PIB anual) e para cada trimestre (PIB trimestral). Alguns Estados-Membros da UE calculam ou planeiam calcular o PIB mensal.

Acesso direto a
Outros artigos
Quadros
Base de dados
Secção temática
Publicações
Metodologia
Legislação
Visualizações
Ligações externas