• Eventos

Notícias


<< Voltar à lista de notícias

Quatro formas em que a COVID-19 mudou o modo como trabalhamos

A COVID-19 mudou as nossas vidas de muitas formas, nomeadamente o modo como trabalhamos. Afetou a forma como utilizamos a tecnologia, a conciliação entre a vida profissional e familiar e o futuro do trabalho flexível.
Picture

Fique a conhecer as quatro maiores mudanças no modo como trabalhamos.

 

1.   Adoção de tecnologias

Quando foi dito a milhões de pessoas em todo o mundo para trabalharem a partir de casa devido à pandemia da COVID-19, essas pessoas utilizaram a tecnologia para adaptarem o seu modo de trabalho. O trabalho remoto em equipa assenta essencialmente em ferramentas em linha. As reuniões presenciais foram substituídas por teleconferências em linha através de plataformas como o Zoom e o Microsoft Teams, que permitem que os funcionários participem em reuniões na sua sala de estar, poupando tempo e dinheiro. Estas plataformas em linha superaram as barreiras do teletrabalho e mantiveram as pessoas ligadas. Tornaram o teletrabalho mais conveniente, permitindo que colegas continuassem a trabalhar conjuntamente em projetos.

 

2.   Conciliação entre a vida profissional e familiar

Quando as empresas decidiram que não era seguro ir para o escritório, muitos empregados e empregadores trabalharam a partir de casa pela primeira vez, o que significou que não precisavam de passar diariamente horas em transportes públicos ou retidos no tráfego rodoviário. Milhares de pessoas ficaram com mais tempo e, em alguns casos, com uma melhor conciliação entre a vida profissional e familiar. Com mais tempo disponível, as pessoas puderam dedicar-se a fazer o que gostam nas horas em que normalmente estariam a regressar a casa. Para algumas pessoas, isso significou poderem dormir mais e dedicar mais tempo a fazer o pequeno-almoço ou a passear o cão antes de iniciarem sessão nos seus portáteis.

 

3.   Comunicação

Embora pudesse pensar-se que o teletrabalho limitaria a comunicação com os colegas, nem sempre foi esse o caso. Ao forçar as empresas a mudar para o teletrabalho, a pandemia mostrou a empregadores e empregados que ainda pode existir uma boa comunicação fora do escritório. O teletrabalho permitiu a muitas empresas explorar diferentes ferramentas de colaboração, as quais proporcionaram não só a realização de reuniões e debates em linha, como também um espaço de confraternização para colegas. Estes podem ligar uns aos outros para terem conversas que teriam normalmente no escritório ou durante a hora de almoço e continuarem a falar das suas vidas e do seu trabalho.

 

4.   Flexibilidade

De um modo geral, os empregadores têm tido relutância em optar pelo teletrabalho e por horários flexíveis. O teletrabalho exige que o empregador confie que os seus funcionários continuarão a ser produtivos e a manter a qualidade de trabalho quando não estão fisicamente presentes nas instalações. Pelo facto de terem tido a experiência do teletrabalho durante a pandemia, é mais provável que os empregadores confiem nos funcionários para trabalharem a partir de casa no futuro, o que poderá criar mais oportunidades para o trabalho flexível. Nem todos podem trabalhar a partir de casa, mas muitas pessoas têm agora a oportunidade de aprender a gerir o seu tempo e adaptarem-se a um ambiente de trabalho diferente e, inclusivamente, serem mais produtivas. A pandemia da COVID-19 demonstrou que existem muitas formas de trabalhar e não apenas uma.

 

O modo como trabalhamos mudou com as diferentes medidas de confinamento implementadas em todo o mundo e, para algumas empresas, pode ter mudado para sempre a sua forma de trabalhar.

 

Para mais informações sobre o trabalho em casa, consulte o nosso artigo Manter a produtividade em teletrabalho.

 

Ligações úteis:

Zoom

Microsoft Teams

Manter a produtividade em teletrabalho

18/06/2020

<< Voltar à lista de notícias
 
declaração de exoneração de responsabilidade

Os artigos de "Em foco..." destinam-se a fornecer aos utilizadores do portal EURES informações sobre tópicos e tendências actuais e a promover a discussão e o debate. Não reflectem necessariamente a posição da Comissão Europeia.