Notícias


<< Voltar à lista de notícias

«Não tenha medo do desconhecido, abra se a ele. Todas as mudanças implicam um pequeno sacrifício»

Picture
Depois de ter reunido a coragem necessária para se mudar do seu Portugal natal para a Noruega, a farmacêutica Lara Gonçalves não olhou para trás. Nas linhas seguintes, Lara fala‑nos da sua nova vida e da forma como uma pequena ajuda da EURES e de um recrutador norueguês facilitaram a sua mudança.

Atualmente, Lara está instalada na Noruega, tendo encontrado emprego numa farmácia, depois de o seu marido ter garantido emprego no setor da engenharia norueguês. Com a filha prestes a entrar para o jardim‑de‑infância, a família de Lara está cada vez mais integrada na sociedade norueguesa. Mas a sua história é tocante.
 
Lara admite que a sua mudança para a Noruega também teve os seus desafios. Segundo ela, as primeiras impressões foram mesmo «um pouco assustadoras», no que respeita à dificuldade de se integrar numa «cultura diferente, com uma língua diferente».
 
Quando lhe perguntámos o que a motivou a mudar‑se para a Noruega, Lara sublinhou que a sua decisão de deixar Portugal não foi ditada exclusivamente por motivos económicos. Para Lara, «o mundo é um apartamento com um só quarto: se fechamos os olhos por um instante num lado do quarto, podemos já estar noutro lado quando os abrimos». Com o nascimento da filha, Lara e o marido começaram a pensar mais seriamente em sair de Portugal, convictos de que «ir para o estrangeiro era seguramente a forma de lhe garantir um futuro melhor».
 
Depois de terem participado em várias Jornadas do Emprego organizadas pela EURES e de terem falado com conselheiros EURES de muitos países diferentes, Lara e o marido decidiram que a Noruega era o país que oferecia a cultura trabalho/vida privada que mais se adequava às necessidades da sua família. Através da EURES Noruega, Lara entrou em contacto com Vegard Kaarbø, um anterior conselheiro EURES que atualmente trabalha como recrutador internacional para uma empresa privada. Vegard considera que a sua experiência na EURES foi essencial para lidar com o caso de Lara, porquanto o seu conhecimento das diferenças culturais «ajudou a facilitar a transição de um ambiente de trabalho para outro». Além disso, na EURES, Vegard aprendeu a ajudar trabalhadores estrangeiros a «desembaraçarem‑se num país desconhecido», conhecimentos que também ajudaram Lara.
 
Sob recomendação de Vegard, Lara arranjou emprego numa farmácia local. Lara admite que o seu novo emprego lhe colocou uma série de desafios, o maior dos quais foi, sem dúvida, comunicar com os clientes numa língua que não dominava. No entanto, com muito esforço pessoal e com a ajuda dos seus colegas, a confiança de Lara no uso do norueguês, bem como o seu domínio da língua, foram melhorando. Como é natural, é indispensável que as pessoas que pretendem trabalhar na Noruega possuam um conhecimento do norueguês que o torne possível; o conselho que Vegard tem para dar a todos os que queiram seguir os passos de Lara é simples: «comece a aprender norueguês!».
 
Depois de um ano de adaptação ao trabalho e à vida na Noruega, Lara e a sua família já se sentem em casa neste país. Com o marido tão satisfeito como ela profissionalmente e um grupo de amigos que não para de crescer, o casal considera ter «um futuro promissor». Embora reconheça que ir trabalhar para o estrangeiro será sempre um desafio, Lara deixa um conselho filosófico aos candidatos a emprego europeus: «Está tudo ao nosso alcance. Temos a obrigação de aderir, de nos integrar e de deixar as coisas seguirem o seu curso normal».
 
Artigos relacionados:
 
Dicas e sugestões sobre mudar para a Noruega
 
 
 
Para mais informações:
 
Encontre um conselheiro EURES
 
 
 
 
Próximos eventos em linha
 
EURES no Facebook
 
EURES no Twitter
 
EURES no LinkedIn
 
EURES no Google+
03/10/2014

<< Voltar à lista de notícias
 
declaração de exoneração de responsabilidade

Os artigos de "Em foco..." destinam-se a fornecer aos utilizadores do portal EURES informações sobre tópicos e tendências actuais e a promover a discussão e o debate. Não reflectem necessariamente a posição da Comissão Europeia.