Notícias sobre o portal


EURES: Facilitando a mudança

Quando, em 2000, a engenheira portuguesa Isabel Doutor foi destacada para a Bélgica por um período de três meses, desenvolveu gosto pelo país e decidiu procurar uma maneira de se mudar permanentemente. Assim, no seu regresso a Portugal, começou a informar-se sobre a possibilidade de trabalhar e viver na Bélgica. Tendo completado os seus estudos de Electrónica e Telecomunicações no Instituto Militar dos Pupilos do Exército em Lisboa, Isabel trabalhava para uma grande empresa alemã de telecomunicações em Portugal, mas gostava da ideia de vir a trabalhar novamente no estrangeiro. “Nunca tive medo de mudanças”, afirma Isabel. “Aliás, agradam-me bastante!”

Ao procurar na Internet informações para actualizar o seu CV antes de se mudar para a Bélgica, Isabel encontrou o Portal de Mobilidade Profissional EURES. Segundo Isabel, o portal e os serviços oferecidos pela EURES despertaram-lhe a atenção por serem claramente um serviço europeu profissional, ou seja, exactamente o que ela precisava.

Após consultar o portal, contactou um Conselheiro EURES na região belga de Charleroi e recebeu imediatamente uma brochura pormenorizada intitulada “Trabalhar e viver na Bélgica”. A brochura fornecia, nomeadamente, informações sobre tradições e costumes sociais, segurança social e seguro de doença. Na opinião de Isabel, o Conselheiro EURES mostrou-se bem informado e disposto a fornecer lhe toda a informação necessária.

Sabendo que é útil aos candidatos a emprego manter o contacto com peritos no seu país de origem, a equipa belga colocou Isabel em contacto com a Conselheira EURES Helena Lourenço, que por sua vez lhe forneceu informações sobre as questões a resolver antes de deixar o país. Tal incluiu, designadamente, a declaração da sua partida à administração fiscal e a certificação de que o seu contrato de trabalho estava formalmente terminado. Helena pôde igualmente prestar aconselhamento indispensável sobre os trâmites administrativos necessários para que Isabel se instalasse na Bélgica, incluindo um programa fiscal que evita que os expatriados tenham de pagar impostos simultaneamente no país de origem e no país de destino.

Isabel mantém o contacto com Helena por telefone e por e-mail e já se encontraram em diversas ocasiões. “A ajuda da Helena foi preciosa.”, diz. “Já a considero uma amiga!’

Isabel adaptou-se bem à Bélgica, onde trabalha para uma empresa francesa especializada em telecomunicações aeroespaciais, defesa e segurança. Desenvolve a cada dia que passa os seus conhecimentos de língua francesa e pensa ficar na Bélgica enquanto for possível. Admite que, sem a ajuda dos Conselheiros EURES, a sua mudança não teria sido tão fácil!

« Atrás