Tornar a UE mais atrativa para os estudantes estrangeiros

A Europa atrai atualmente 45% de todos os estudantes internacionais. Todavia, à medida que número de interessados em estudar noutros países aumenta, o mesmo acontece com os destinos de estudo, pelo que as universidades europeias têm de ser mais competitivas para atrair talentos do mundo inteiro.

De que se trata?

Os estudantes e investigadores de países que não pertencem à UE podem contribuir para o crescimento e a competitividade graças às competências e aos conhecimentos adquiridos na Europa. Os mestrados conjuntos Erasmus Mundus são um exemplo de uma ação destinada a reforçar a capacidade de atração da UE enquanto um dos principais destinos de estudo e de investigação.

Porque é necessário agir neste domínio?

A Europa atrai atualmente 45% de todos os estudantes internacionais. Todavia, à medida que número de interessados em estudar noutros países aumenta, o mesmo acontece com os destinos de estudo, pelo que as universidades europeias têm de ser mais competitivas para atrair talentos do mundo inteiro.

Que medidas foram tomadas até à data?

Estudar na Europa

Muitos países da UE promovem ativamente os seus próprios sistemas de ensino superior. O projeto Estudar na Europa da Comissão constitui uma plataforma para promover os países interessados e dar aos estudantes as informações necessárias para escolher um destino de estudo na Europa.

O projeto compreende um portal Web e atividades de comunicação através das redes sociais. Neste âmbito, a Comissão e as delegações da UE participam em feiras de estudo em todo o mundo. A Comissão colabora com agências de promoção nacionais em toda a Europa para divulgar eventos e ideias.

Antigos alunos

As organizações de antigos alunos funcionam como embaixadores ativos do ensino superior europeu nos seus países, participam em eventos e feiras dirigidos aos estudantes e servem de multiplicadores de informação sobre possibilidades de estudo e investigação na Europa.

A Comissão apoia a ESAA, a Associação de Estudantes e Antigos Alunos Erasmus+, que ajuda os antigos alunos a realizar todas as atividades acima mencionadas, bem como a desenvolver e partilhar as suas competências profissionais e/ou conhecimentos académicos através do trabalho em rede. Estão igualmente a ser criadas novas associações de antigos alunos noutras regiões, como os Balcãs Ocidentais e África.