Estado da União 2018

Estado da União 2018

Discurso anual sobre o estado da UE proferido pelo Presidente Juncker no Parlamento Europeu

Estado da União 2017

Estado da União 2017

Em 2017, o discurso do Presidente Juncker teve um tom positivo, salientando o facto de a Europa ter novamente o vento a seu favor. Com o olhar posto no futuro, o Presidente propôs um roteiro para uma Europa mais unida, mais forte e mais democrática. A Comissão adotou iniciativas sobre o comércio, o escrutínio dos investimentos, a cibersegurança, a indústria, os dados e a democracia.

Estado da União de 2016

Estado da União de 2016

Em 2016, o Presidente Juncker anunciou novas iniciativas para investir nos jovens europeus, nas pessoas à procura de emprego e nas empresas em fase de arranque, bem como para alargar o acesso à Internet sem fios em locais públicos e tornar mais justas as leis em matéria de direitos de autor. O Presidente também apresentou o Plano de Investimento para África e a nova Guarda Europeia de Fronteiras e Costeira.

State of the Union 2015

State of the Union 2015

In 2015, President Juncker's first State of the Union Address focused on major challenges included the emerging refugee crisis, the future of the euro, and foreign policy. President Juncker presented new proposals in the fields of migration, external action, and economic and fiscal policy.

Citações em destaque

2017

A Europa tem novamente o vento a seu favor. Dispomos agora de uma oportunidade única e temos de aproveitá-la enquanto dura. Chegou o momento de construirmos uma Europa mais unida, mais forte e mais democrática.

A Europa vai de Vigo a Varna. De Espanha à Bulgária. De Leste a Oeste, a Europa deve respirar com os seus dois pulmões. Caso contrário, o nosso continente sufocará.

A Europa deve ser capaz de intervir mais rapidamente e de forma mais decisiva e isto diz igualmente respeito à União Económica e Monetária (...) Começámos por reparar a cobertura. mas temos agora de acabar a obra enquanto o sol brilha e o bom tempo nos acompanha.

2016

Podemos manter-nos unidos, não obstante a nossa diversidade. As grandes nações democráticas da Europa não devem vergar-se aos ventos do populismo. A Europa não deve acobardar-se face ao terrorismo. Não – os Estados-Membros devem construir uma Europa que proteja. E nós, as instituições europeias, devemos ajudá-los a cumprir essa promessa.

A solidariedade é o cimento que assegura a coesão da União (...) Quando neste verão deflagraram os incêndios em Portugal, foram aviões enviados pela Itália que ajudaram a combater as chamas. Quando as inundações privaram a Roménia de energia, foram os geradores fornecidos pela Suécia que ajudaram a restabelecer a eletricidade. Quando milhares de refugiados chegaram às ilhas gregas, encontraram abrigo em tendas fornecidas pela Eslováquia.

A tolerância não pode comprometer a nossa segurança. Temos de conhecer melhor quem atravessa as nossas fronteiras (...) De cada vez que alguém entrar ou sair da UE deverá haver um registo da data, do local e do motivo.

2015

A União Europeia não está em bom estado. Há falta de Europa nesta União. E não há união suficiente nesta União. Impõe-se mudar esta situação. E haverá que fazê-lo agora.

Acredito que podemos e devemos desempenhar o nosso papel na cena mundial; não para nossa própria vaidade, mas porque temos algo a oferecer. (...) Quero uma Europa que lidera. Quando a União Europeia se mantém unida, podemos mudar o mundo.

Empurrar para trás as embarcações que chegam ao cais, pegar fogo a campos de refugiados (...) nada disto corresponde aos valores da Europa. A Europa é o padeiro em Kos que oferece pão a almas famintas e exangues. A Europa são os estudantes em Munique e Passau que distribuem roupa aos refugiados que acabam de chegar à estação ferroviária (...) Esta é a Europa em que quero viver.