Ações Marie Skłodowska-Curie — Introdução

 rapariga numa bibliotecaBolsas Marie Skłodowska-Curie — ilustração: rapariga numa biblioteca

Em janeiro de 2014, com a passagem para o Horizonte 2020, as Ações Marie Curie passaram a chamar-se «Ações Marie Skłodowska-Curie» (MSCA), a fim de refletir as raízes polacas desta cientista extraordinária que deu o nome ao programa.

Dispondo de um orçamento de 6,16 mil milhões de euros até 2020, estas ações dão apoio à formação e ao desenvolvimento das carreiras profissionais na área da investigação, valorizando em especial as competências ligadas à inovação. O programa financia a mobilidade internacional e intersetorial e a excelência da investigação, em todos os domínios, numa abordagem «da base para o topo».

As bolsas concedidas destinam-se a investigadores em qualquer fase da carreira, desde doutorandos a investigadores com elevada experiência, e têm por objetivo incentivar a mobilidade transnacional, intersetorial e interdisciplinar. As Ações Marie Skłodowska-Curie tornar-se-ão o principal programa europeu de apoio à formação a nível de doutoramento, com o financiamento de 25 000 doutoramentos no domínio da investigação.

Dotar os investigadores de competências novas e diversificadas e, simultaneamente, proporcionar-lhes condições de trabalho atrativas constitui um aspeto crucial. Além de promoverem a mobilidade entre países, estas ações procuram também quebrar as barreiras — reais ou supostas — entre o mundo académico e os restantes setores, em especial as empresas. Várias iniciativas do programa promovem a participação, nomeadamente, da indústria na investigação aos níveis de doutoramento e pós-doutoramento.

Existem quatro grandes tipos de ações:

A Noite Europeia dos Investigadores (NIGHT), uma série de eventos públicos organizados à escala europeia, na última sexta-feira de setembro, também é financiada ao abrigo das Ações Marie Skłodowska-Curie.