Percurso de navegação

Redes de formação inicial (ITN) - Marie Curie Actions fellowships

© European Union

Nem sempre é fácil iniciar uma carreira de investigador. Porém, os jovens investigadores são cruciais para o futuro da Europa. Nas Ações Marie Curie, temos a perfeita noção disso. E é por este motivo que queremos tornar mais atrativas as carreiras de investigação para os jovens.

As nossas Redes de Formação Inicial (ITN) proporcionam aos investigadores em início de carreira a oportunidade de aperfeiçoar as suas competências de investigação, integrar equipas de investigação já estabelecidas e melhorar as suas perspetivas de carreira.

Quem se pode candidatar?

ITN Multiparceiros:
Embora sejam precisos dois para dançar o tango, tem que haver três para trabalhar em rede. Daí que sejam necessários, pelo menos, três participantes para propor um programa coerente para uma ITN. Os participantes podem ser universidades, centros de investigação ou empresas (pequenas ou grandes).

Criar pontes entre empresas e universidades:
Em 2012, as Ações Marie Curie também oferecem às empresas e instituições a oportunidade de propor dois novos formatos de formação de doutorandos, os "Doutoramentos Industriais Europeus" e o "Programa de Doutoramento Inovador". O princípio é simples: fortalecer as ligações entre universidades e empresas e desenvolver carreiras de investigação que combinem a excelência científica e a inovação empresarial.

Doutoramentos Industriais Europeus (EID):
No caso de um EID, apenas são necessários dois participantes: uma universidade e uma entidade do setor privado. No entanto, uma das contrapartidas é que o investigador terá de estar envolvido num programa de doutoramento universitário. O investigador também terá de dedicar um mínimo de 50 % do seu tempo ao setor privado.

Programas de Doutoramento Inovador (IDP):
Existe a possibilidade de uma única organização de investigação obter apoio das ITN. Um participante (universidade ou instituição de investigação) oferece uma formação de doutoramento "inovadora", ou seja, com uma dimensão internacional, multidisciplinar e orientada para o setor público-privado. A formação pode ser complementada com a participação de parceiros associados (outras universidades, centros de investigação, setores privados, etc.).

Que temas podem ser financiados?

São bem-vindos projetos em todos os domínios da investigação científica e tecnológica (incluindo as ciências humanas e sociais), na condição de incluírem um elemento de mobilidade transnacional. Há uma única exceção: não podem ser financiados projetos em domínios de investigação abrangidos pelo Tratado EURATOM (investigação em matéria nuclear).  

O que é abrangido pelo financiamento?

Os participantes da rede irão recrutar, empregar ou acolher investigadores elegíveis. Haverá lugar à organização de módulos de formação especializada ou outras ações afins. O projeto deverá ter bem patente o aspeto da colaboração transnacional, tendo em vista a estruturação das capacidades de formação inicial existentes no âmbito da investigação de alto nível nos Estados-Membros da UE e Países Associados.

Considera-se essencial o envolvimento de entidades comerciais privadas na rede. Isto ajudará a diversificar os parâmetros tradicionais da formação em investigação e aumentará a empregabilidade dos investigadores recrutados.

É dada preferência a candidaturas que dediquem especial atenção a domínios interdisciplinares ou supradisciplinares inovadores.

A formação deve ser desenvolvida, principalmente, através da investigação em projetos individuais e personalizados, complementada com módulos de formação substanciais sobre conhecimentos e competências transferíveis fundamentais e comuns a todos os domínios. Exemplos de áreas de formação:

  • Gestão e financiamento de projetos e programas de investigação
  • Direitos de propriedade intelectual
  • Formas de exploração dos resultados da investigação
  • Empreendedorismo
  • Aspetos éticos
  • Comunicação e aproximação em relação à sociedade

Contudo, esta lista não é de todo exaustiva.

O financiamento das ITN apoia:

  • o recrutamento de investigadores que estejam nos primeiros cinco anos da sua carreira para formação inicial – por exemplo, podem estar a fazer um doutoramento (ou equivalente) ou a dar início à sua atividade de investigação pós-doutoramento;
  • atividades de colaboração em rede, atividades de sensibilização, seminários ou conferências que envolvam o pessoal das instituições de investigação participantes e investigadores externos.

As Redes de Formação Inicial destinam-se a recrutar investigadores de todo o mundo. Regra geral, os investigadores apoiados por uma ITN são convidados a mudar de país quando assumem um projeto.

As propostas selecionadas são financiadas por um período máximo de 4 anos. O apoio concedido pelas redes aos investigadores individuais pode prolongar-se por um período de 3 a 36 meses, no caso de investigadores em início de carreira, ou por um período máximo de 24 meses no caso de investigadores com experiência.

Quem toma as decisões?

As propostas de Redes de Formação Inicial são selecionadas mediante concurso público. As propostas são sujeitas a uma análise transparente e independente pelos pares, que as avaliam com base no seu mérito utilizando uma série de critérios predefinidos.

Como candidatar-se?

As propostas são submetidas em resposta a um convite à apresentação de propostas. Informe-se dos convites em aberto e submeta propostas através do portal do Participante. Poderá encontrar uma lista de concursos abertos para Ações Marie Curie e conselhos práticos na secção "Candidatar-se agora" deste Web site.

More sugar, less cancer

Meet our fellows

More sugar, less cancer

Project Cyclon, a Marie Curie Initial Training Networks, is working on the development of a sugar-based anti-cancer drug. Milo Malanga is part of that team.Read full storyEnglish (en)

Choose high-contrast version Set page to normal font size Increase font size by 200 percent Send this page to a friend print this page

How to apply
Participant Portal – check Marie Curie Actions calls & submit your proposal (electronic submission service).
FAQ

Concursos abertos