IMPORTANT LEGAL NOTICE - The information on this site is subject to adisclaimerand acopyright notice
  European Commission > Regional Policy


Newsroom Newsroom Commissioner Debate Issues Directorate General

Glossary | Search | Contact | Mailing lists
 
Inforegio/Panorama
Janeiro 2001

A publicação trimestral dos actores do desenvolvimento regional

Indice
5 / 10

Descoberta

A região sueca de Göteborg et Bohuslän
Ao som do mar e das pedras

Aquilo a que hoje chamamos a região de Göteborg e Bohuslän era já habitada na idade da pedra. Um grande número de túmulos megalíticos e alguns vestígios de habitações recordam esse passado pré-histórico. Todavia, a província deve essencialmente o seu renome às numerosas esculturas encrustadas na rocha e que datam da idade do bronze. Estes quadros gravados no granito fazem hoje parte do património mundial da humanidade e representam uma oportunidade para a região. Com efeito, esta assiste à erosão lenta mas inelutável do sector da pesca, pelo que aposta no turismo cultural de modo a compensar a regressão da actividade haliêutica.

Situada na costa ocidental da Suécia, esta região possui igualmente o maior lago do país, o lago Värnen, bem como um grande número de fiordes, de baías, de ilhas e de quase ilhas. A faixa costeira da província estende-se ao longo de 160 Km atingindo, a norte, a fronteira com a Noruega.

No interior da região, as planícies são entrecortadas por planaltos, colinas abruptas e ravinas, que constituem prolongamentos naturais dos fiordes nos terrenos que, desde a era glaciar, se tornaram de 100 a 170 metros mais elevados.

Bohuslän e o seu arquipélago de 3000 pequenas ilhas são uma das regiões suecas mais turísticas. Durante muito tempo a pesca foi o sector de actividade principal da província. De algumas décadas a esta parte, o número de pescadores está em constante diminuição. Muitos dos pequenos portos teriam sido abandonados se não tivessem sabido reconverter-se no turismo. A prazo, este sector representará a principal fonte de rendimentos dos 766 000 habitantes. A província pode igualmente contar com refinarias, indústrias petroquímicas, indústrias de papelaria, bem como com um sector médico em pleno crescimento. A economia regional tira igualmente benefícios da proximidade de Göteborg, segunda cidade da Suécia, onde estão implantadas numerosas sociedades multinacionais.


Obras três vezes milenares

O sítio de Tanum, ao norte de Bohuslän, representa um património artístico único, tanto pela sua riqueza e pela sua variedade como pela sua unidade cultural. As suas gravuras três vezes milenares ilustram os usos e costumes dos primeiros habitantes da região. Estas gravuras reuniram as zonas fronteiriças sueca e norueguesa em torno de um projecto comum de cooperação apoiado pela União Europeia, no âmbito da iniciativa comunitária Interreg.


Pinturas rupestres nas regiões fronteiriças de Böhus, Dalsland e Østfold: Datando da idade do bronze, as gravuras na rocha são particularmente frágeis, sofrendo, nomeadamente, com a poluição e a erosão.
  Datando da idade do bronze, as gravuras em rocha são particularmente frágeis. As pedras sofrem com a erosão e a poluição. Para evitar que este património se desintegre, a região sueca de Bohuslän e a região norueguesa de Østfold deram início, em 1993, a uma intensa cooperação transfronteiriça. Nos dois territórios abrangidos, 75 000 esculturas estão em vias de desaparecimento, ameaçando, deste modo, a existência de 5 000 sítios pré-históricos.
Jan Magnusson, um dos responsáveis pelo projecto no conselho provincial de Västra Götaland, na Suécia, milita desde muito novo pela preservação deste património.

"Para as instituições, os museus e a cultura em geral, é vital reunir todas as informações disponíveis sobre estas pinturas rupestres. Se estas viessem, infelizmente, a desaparecer, as informações seriam a única recordação que nos ficaria. É por esta razão que decidimos criar dois bancos de dados. De ambos os lados da fronteira, alimentamos essas bases de dados à medida que se vão desenvolvendo as investigações que encetámos.

Para preservar as obras, começamos por estudar os processos de degradação, tendo sido constituída uma rede de peritos nos domínios da geologia, da química, da microbiologia, da física, da meteorologia e da arqueologia. Podemos determinar diversas causas de degradação: as pedras sofrem, antes de mais, com os depósitos de enxofre e as chuvas ácidas que dissolvem os minerais mais frágeis; simultaneamente, são atacadas pelas algas, pelos líquens e pelo musgo. Este tipo de colonização aumenta a capacidade das paredes em absorverem a água, os gases e as partículas nocivas. São processos relativamente lentos que, progressivamente, vão provocando o desgaste da face talhada do granito."

A fim de proteger as esculturas, os peritos suecos e noruegueses trabalham em diversas soluções técnicas. No entanto, a cooperação estabelecida entre os dois países ultrapassa o restrito quadro da protecção das obras.

"Nesta aventura gostaríamos também de aprender a conhecer as pessoas que gravaram estas pedras na idade do bronze. Quais as partes das nossas regiões que eles habitavam? Como viviam? Quais eram as suas relações com a natureza?


A descoberta de vestígios arqueológicos na região de Göteborg e Bohuslän reforçou o potencial de atracção para o turismo.

Que parte desempenhava o ritual nas esculturas? E, sobretudo, gostaríamos de dar a conhecer todas estas coisas aos visitantes, de modo a reforçarmos o turismo cultural nas regiões de Bohuslän e de Østfold."
Estas numerosas interrogações e o desejo de dar a conhecer as descobertas levaram os parceiros suecos e noruegueses a empreender uma série de trabalhos de escavação. As buscas permitiram pôr a nu um sítio arqueológico em Hunn, na Noruega, assim como diversos cemitérios nas duas regiões fronteiriças.

"Os resultados das buscas excederam a nossas esperanças. Tanto em Bohuslän como em Østfold, foram descobertas aldeias com a localização dos fogos e certos espaços pavimentados, bem como vestígios de casas e pedaços de louça de barro. Estas descobertas reforçaram a capacidade de atracção da região e conduziram também ao estabelecimento de uma rede de investigação que associa as Universidades de Göteborg e de Oslo tal como institutos de investigação sicilianos e húngaros.

Custo total (1996-1999): 5 435 000 euros
Participação da União Europeia
(Interreg II): 655 000 euros
Contacto:
Western Götaland County
Administration Board
S-403 40 Göteborg
Tel: +46 31 60 50 59
Fax: +46 31 60 52 09
Jan.magnusson@o.lst.se


 

Last modified on