Eurocidades: A juntar as culturas para criar laços duradouros

As cidades de Chaves, no norte de Portugal, e de Verín, na Galiza, em Espanha, estão tão próximas uma da outra que já foram classificadas como uma conurbação, apesar de se encontrarem em lados opostos da fronteira. Um projeto aproveitou estes laços já fortes para juntar estas duas povoações e formar uma «Eurocidade», capaz de oferecer aos residentes um conjunto diversificado de vantagens sociais, culturais e económicas em comum.

Outras ferramentas

  •  
  • Reduzir texto  
  • Ampliar texto  
Campanha promocional do cartão do eurocidadão. © Município de Verín Campanha promocional do cartão do eurocidadão. © Município de Verín

" A Eurocidade Chaves-Verín tem por objetivo construir um modelo único de cidade transfronteiriça inovadora e cooperativa, que fornece serviços eficientes comuns aos seus cidadãos, através de um planeamento territorial conjunto, da gestão comum dos serviços urbanos e da superação de obstáculos, para tornar a verdadeira mobilidade numa realidade. "

Pablo Rivera, Secretariado Técnico Conjunto, Eurocidade Chaves-Verín

O projeto Eurocidades procurou encontrar formas de promover os serviços e as políticas comuns em áreas como a cultura, turismo, comércio, educação, investigação e política social. Este projeto pretendeu fomentar uma colaboração territorial mais profunda e edificar uma coesão social entre as duas comunidades, ao mesmo tempo que procurou melhorar a qualidade de vida em geral das pessoas.

Para assegurar que o conceito de Eurocidade tinha alicerces sólidos, as duas cidades elaboraram uma Agenda Estratégica, onde definiram objetivos de longo prazo. Desta forma, pretendiam ter uma abordagem estruturada, que abarcasse as opiniões das pessoas, empresas e corpos comunitários locais.

Servir os cidadãos entre fronteiras

Para envolver as populações locais, o projeto criou o «cartão do eurocidadão», que permite que os utilizadores de ambas as cidades utilizem serviços e instalações municipais partilhados em áreas como o desporto, lazer, música e cultura. O cartão tem sido um sucesso e tem atualmente mais de 7 000 assinantes. A publicação de uma agenda de eventos mensais também contribuiu para fomentar um sentimento comum de pertença.

Uma das prioridades do projeto era o envolvimento dos jovens. Para tal, foi disponibilizado espaço no edifício da alfândega para ensaios de bandas musicais e reuniões. Adicionalmente, foram criadas diversas iniciativas para crianças, incluindo um programa de desporto de verão, uma semana de segurança rodoviária e um desfile de Carnaval.

Fortalecimento de uma economia partilhada

Entre as medidas para dinamizar a economia local, foram dados passos para transformar a área num destino turístico transfronteiriço. A base para este trabalho foi a criação de uma imagem de marca denominada «Eurocidade da água», baseada na existência de várias nascentes hidrominerais na área partilhada pelos dois munícipios e também no Rio Tâmega, que os liga.

O trabalho com as associações empresariais locais incluiu esforços para promover as duas cidades como destinos de compras. Também foi publicado um diretório online de empresas e serviços no Web site do projeto. Adicionalmente, foram feitos esforços para fomentar o empreendedorismo ao juntar jovens a empresas bem-sucedidas, bem como ao realizar cursos de formação.


Investimento total e financiamento da UE

O investimento total para o projeto «Eurocidade Chaves-Verín» é de 1 333 578 EUR, estando o Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional da UE a contribuir com 1 000 184 EUR do Programa Operacional de Cooperação Transfronteiriça «Espanha – Portugal» para o período de programação 2007-2013.


Data do projecto

12/10/2015