Iniciativa ousada dá frutos no centro de Portugal

O que falta à cidade portuguesa de Coimbra em dimensão é compensado pela ousadia, dado que conta com uma série de iniciativas que abrangem três décadas e que têm promovido a sua visibilidade à escala internacional. Atualmente, a cidade universitária é um reconhecido centro de inovação com laços sólidos e mutuamente benéficos, que associam a investigação, a tecnologia e a indústria na região. O projeto TecBIS, financiado pela UE, contribuiu para este êxito.

Outras ferramentas

  •  
  • Reduzir texto  
  • Ampliar texto  
Instalações da TecBIS do IPN em Portugal ©IPNTecBIS Instalações da TecBIS do IPN em Portugal ©IPNTecBIS

" O apuramento como finalistas do prémio RegioStars irá, para além de reconhecer o impacto e mérito da nossa aceleradora de empresas, acrescentar visibilidade, sobretudo a nível europeu, e motivar-nos a sermos cada vez mais ambiciosos e persistentes no trabalho em prol do desenvolvimento da nossa região. "

Teresa Mendes, presidente da direção do IPN

As pequenas start-ups de tecnologia são conhecidas pela sua abordagem inovadora e flexível no que toca à expansão da sua atividade. Contudo, muitas empresas de crescimento rápido não têm experiência de gestão e enfrentam dificuldades para prosperar em ambientes pós-laboratoriais competitivos.

O projeto TecBIS, financiado pela UE, criou uma infraestrutura especializada para promover a inovação e ajudar as empresas de base tecnológica durante a fase crítica do período posterior à incubação. Constitui a mais recente de uma extraordinária série de iniciativas que tiveram início no campus tecnológico da Universidade de Coimbra há mais de 26 anos, com a criação do Instituto Pedro Nunes (IPN).

Suprir uma necessidade

O IPN é a interface entre o meio académico e a indústria, promovendo a inovação e apoiando o empreendedorismo a todos os níveis. O seu modelo distintivo inclui laboratórios de investigação aplicada e desenvolvimento em domínios-chave da tecnologia — disponibilizando conhecimentos avançados aos clientes da indústria que precisam de soluções inovadoras — e um departamento de formação especializado em tecnologia e empreendedorismo/gestão.

Em 2007, a atividade dos laboratórios do IPN registava uma expansão significativa e a incubadora deste instituto alcançara uma reputação sólida em Portugal e além-fronteiras. No entanto, embora as incubadoras de empresas sejam ideais para promover as spin-offs universitárias, o apoio que habitualmente oferecem tem a duração de apenas três ou quatro anos. Considerada como uma iniciativa «ousada», a aceleradora de empresas TecBIS foi criada com o objetivo de prolongar a sua estadia «dentro» do ecossistema de inovação do IPN. Em 2016, havia 23 PME de tecnologia neste ambiente de pós-incubação, 15 das quais vindas da incubadora de empresas (sendo 11 delas spin-offs) e oito provenientes de outros locais.

Incentivo ao crescimento

Nos 30 meses que decorreram entre meados de 2014 e dezembro de 2016, a TecBIS contribuiu para duplicar de 400 para 1 000 o número de empregos altamente qualificados no campus do IPN. Além disso, mais do que duplicou o volume de negócios total anual das 23 empresas ali instaladas, que passou de cerca de 25 milhões de euros para mais de 55 milhões de euros. A TecBIS é a solução do IPN para as start-ups mais promissoras que pretendem internacionalizar as suas ideias inovadoras. Dotadas de uma equipa de gestão dinâmica composta por cinco profissionais altamente qualificados nas áreas da gestão, inovação e internacionalização, apoiados por mais de 100 colaboradores (incluindo engenheiros, gestores e economistas) dos laboratórios, da incubadora e do centro de formação do IPN, e com acesso a uma vasta rede de especialistas e dois edifícios de vanguarda, as instalações estão muito bem apetrechadas para acolher 20-25 empresas ambiciosas e cerca de 600 pessoas.

A TecBIS proporciona o incentivo necessário para ajudar as start-ups a ganharem uma dinâmica empresarial decisiva, compreendendo que mesmo pormenores simples, como disponibilizar espaço de escritórios a PME perto dos locais onde tem lugar a I&D, podem fazer a diferença. Isto permite aumentar a partilha de conhecimentos e o trabalho em rede, que são fundamentais para levar por diante as inovações, atraindo capital de risco e aumentando a visibilidade internacional do IPN, de Coimbra e da região em geral.

Investimento total e financiamento da UE

O investimento total para o projeto «IPN TecBIS» é de 8 253 045 EUR, com uma contribuição de 7 015 088 EUR do Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional através do Programa Operacional «Mais Centro» para o período de programação 2007-2013.

Data do projecto

01/08/2017