Fábrica de plásticos de alta tecnologia dinamiza a economia do Alentejo

A construção de uma nova fábrica de plásticos no sul de Portugal irá trazer emprego e conhecimento especializado, para além de aumentar a competitividade de uma região que carece de um impulso económico.

Outras ferramentas

 

Conhecida pelas suas colinas onduladas e pela riqueza do solo, a principal atividade da região do Alentejo é a agricultura. O projeto visa construir uma unidade de produção de um químico conhecido como PTA (Ácido Tereftálico Purificado) na zona industrial de Sines. Portugal defendeu o financiamento público deste projeto com base no facto de que o mesmo terá um impacto significativo no emprego altamente qualificado, dinamizará a economia da região e trará outros benefícios socioeconómicos.

Uma solução química

A empresa responsável pelo projeto é uma empresa conjunta, denominada Artlant PTA, que tem quatro acionistas: La Seda de Barcelona (LSB), ECS Capital, Caixa Capital e InovCapital. O principal acionista, a LSB, é um grupo de indústrias de embalagens de plástico. Para este projeto, a Artlant PTA prevê a construção de uma fábrica, silos de armazenamento de matérias-primas e do produto final, a instalação de canalizações, uma estação de tratamento e uma área de escritórios para os departamentos administrativo e logístico. As licenças serão adquiridas pela Artlant PTA para garantir a utilização das melhores tecnologias disponíveis.

O produto a fabricar – o PTA – é um químico utilizado na produção de PET (politereftalato de etileno) e em fibras artificiais para a indústria têxtil. O PET é um dos plásticos mais utilizados na indústria de embalagens e, graças a avanços tecnológicos, tornou-se recentemente mais amigo do ambiente, mais sustentável e mais reciclável do que outros polímeros. A nova fábrica irá produzir 700 000 toneladas de PTA, que será posteriormente fornecido para toda a zona industrial de Sines.

Potenciar a indústria

Os benefícios deste projeto são óbvios. O objetivo principal é a criação de emprego, tanto direta como indiretamente. Durante a fase de implementação, prevê-se a criação de 25 postos de trabalho diretos e 50 indiretos. Durante a fase operacional, prevê-se a criação de 125 postos de trabalho diretos e 150 indiretos. Isto terá repercussões positivas a nível económico e social. De realçar que a maioria destes empregos será altamente qualificada, trazendo conhecimento especializado em alta tecnologia para a região.

A produção local de PTA será uma mais-valia para o setor petroquímico de Portugal. Além disso, as técnicas de craveira mundial utilizadas na fábrica permitirão um aumento significativo da produtividade e assegurarão que os impactos negativos no ambiente sejam mínimos. Globalmente, a implementação deste projeto terá um impacto positivo na competitividade da região, indo ao encontro das ambições do programa operacional.

Financiamento total e da UE

O projeto «Artlant PTA, SA» dispõe de um orçamento total elegível de 399 945 000 EUR, contando com uma contribuição do Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional de 38 821 849 EUR para o período de programação 2007-2013.

Data do projecto

23/01/2013