AQUAFIL — Ligação em rede para rios mais limpos e melhor qualidade da água

O projeto AquaFil, financiado pela União Europeia (UE), abordou as questões da poluição dos rios, da qualidade da água potável e das comunidades sustentáveis, adotando uma abordagem pan-europeia.

Outras ferramentas

 
O projeto AquaFil reuniu uma rede de regiões dedicada às questões da gestão dos rios e da educação ambiental. © Fons Jacques O projeto AquaFil reuniu uma rede de regiões dedicada às questões da gestão dos rios e da educação ambiental. © Fons Jacques

" O principal objetivo da rede AquaFil consiste em facilitar a associação de participantes e populações locais à gestão da água — um importante desafio societal nas próximas décadas. "

Michal Lamblin, Coordenador do projeto

Em todo o mundo — e aqui na Europa — a poluição das águas constitui um desafio iminente. Felizmente, a Europa está a adotar uma abordagem proativa para tratar da questão, tornando a gestão da água uma prioridade através da sua Diretiva-Quadro Água — uma política abrangente, à escala europeia, no domínio da água. Em consonância com esta política, o projeto AquaFil reuniu uma rede de regiões dedicada às questões da gestão dos rios e da educação ambiental. 

Mais concretamente, o projeto abordou as questões complexas da gestão da água ao combater a poluição dos rios e os seus efeitos na qualidade da água potável e na conservação das zonas húmidas. Na origem do destaque deste projeto esteve o seu empenho em tratar da poluição das águas através de uma abordagem inter-regional integrada. Após a sua fundação por quatro membros, a rede europeia AquaFil foi alargada para incluir sete membros de seis países: Luxemburgo, França, Roménia, Bulgária, Hungria e Portugal.

Ação fundamental

O projeto foi lançado através da realização de estudos aprofundados dos problemas específicos de poluição dos rios verificados nos seus países membros. Os estudos iniciais analisaram o equipamento disponível para o tratamento da água potável e a gestão de águas residuais. 

A partir desta investigação, chegou-se rapidamente à conclusão que era urgente tomar medidas para remediar as áreas mais afetadas — muitas das quais foram identificadas como constituindo ameaças para a saúde pública. O projeto começou por estabelecer equipas técnicas em França e no Luxemburgo para liderarem o esforço na transformação de rios de segurança crítica, como o Tundja na Bulgária, o Mures na Roménia e o Ardila em Portugal. Antes de mais, eram necessárias intervenções no equipamento local de tratamento da água, juntamente com a implementação de controlos fiáveis. O projeto identificou ainda uma necessidade de ações de sensibilização para assegurar que as comunidades locais estivessem mais bem informadas na matéria.

Foram introduzidos instrumentos para monitorizar e controlar o estado dos rios, juntamente com diversas melhores práticas para o desenvolvimento sustentável junto às áreas dos leitos dos rios. Nomeadamente, o projeto construiu laboratórios móveis em Alba Iulia (Roménia) e Sliven (Bulgária). Estes laboratórios disponibilizaram medições contínuas dos níveis de poluição dos rios e geriram ainda um sistema de alerta de poluição. Do mesmo modo, o projeto coordenou a limpeza de várias áreas dos leitos dos rios. Por exemplo, em Sliven, foram plantadas 2 000 árvores ao longo do rio para controlar a erosão e transformar o que era um terreno árido cheio de lixo numa área verde para as pessoas desfrutarem. 

Envolvimento da comunidade

Além dos esforços contínuos de monitorização, o projeto trabalhou diretamente com as populações locais, em coordenação com os ministérios nacionais do ambiente, no sentido de educar e abordar os efeitos profundos da poluição dos rios. O objetivo consistia em estabelecer abordagens de diagnóstico para a gestão dos rios em cada uma das comunidades afetadas. Em Sliven, por exemplo, os parceiros do projeto organizaram sessões práticas de formação sobre a implementação de soluções comprovadas para técnicos ambientais de vários municípios situados ao longo do rio Tundja.

O projeto visou ainda a comunidade geral e, em particular, as crianças em idade escolar. Os programas educacionais incluíram um jogo divertido sobre a temática da água e foram distribuídos materiais de formação relevantes entre professores e organizações de ensino locais. Os programas foram adaptados especificamente a cada localização, de modo a reforçar a ligação entre o problema da poluição dos rios e o seu impacto direto em cada comunidade. Além disso, foram criados Centros de Recursos Hídricos, que ficaram encarregados de desenvolver e implementar ações comuns, organizar atividades comunitárias sobre o tema da poluição e sustentabilidade dos rios, bem como servir de plataforma para todas as informações relacionadas com os objetivos centrais do projeto.

Investimento total e financiamento da UE 

O investimento total para o projeto «AquaFil — Rede Aquafil» é de 2 248 505 EUR, com uma contribuição de 929 852 EUR do Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional através do Programa Operacional INTERREG III C «Zona ocidental» para o período de programação 2003-2006. 

Data do projecto

03/06/2016