Percurso de navegação

Siga-nos nas redes sociais

Facebook  Twitter  You Tube  Instagram
...................................

Onde estamos

Representação da Comissão Europeia em Portugal

Largo Jean Monnet, 1-10º
1269-068 Lisboa
Tel.: (+351) 213 509 800

Uma política industrial para a era da globalização
Enviar esta página por correio electrónicoEnviar esta página por correio electrónicoImprimirImprimir

Uma política industrial para a era da globalização

Para que a Europa possa continuar a ocupar uma posição de liderança mundial, a indústria tem de estar em primeiro plano. É esta a principal mensagem da comunicação «Uma política industrial para a era da globalização» adoptada pela Comissão Europeia por iniciativa do Vice-Presidente da Comissão Antonio Tajani. A comunicação apresenta um conjunto de acções para estimular o crescimento e o emprego preservando e apoiando uma base industrial forte, diversificada e competitiva na Europa, que ofereça empregos bem remunerados e seja menos consumidora de carbono.

Nesta era de globalização crescente, a noção de sectores e indústrias nacionais está ultrapassada. São necessárias respostas políticas europeias coordenadas. A Europa precisa também de avançar numa perspectiva que tenha em conta toda a cadeia de valor, desde as infra-estruturas e matérias-primas até aos serviços pós-venda. A promoção da criação e do crescimento de pequenas e médias empresas deve estar no cerne da política industrial da UE. Além disso, a transição para uma economia sustentável tem de ser encarada como uma oportunidade para reforçar a competitividade. Só uma política industrial europeia centrada na competitividade e sustentabilidade permitirá reunir a massa crítica de mudança e coordenação necessária para ser bem sucedida.

 Uma política industrial para a era da globalização ©UE

Dez acções estratégicas para a competitividade industrial europeia:

  • Um teste de competitividade (competitiveness proofing) explícito e aprofundado da nova legislação. O impacto de todas as propostas políticas na competitividade será devidamente examinado e tomado em conta.
  • Balanços da qualidade (fitness checks) da legislação em vigor, a fim de identificar as possibilidades de redução dos efeitos cumulativos da legislação, para diminuir os custos para as empresas europeias.
  • Apoio à criação e ao crescimento de PME, facilitando o acesso destas empresas ao crédito e a sua internacionalização.
  • Uma estratégia para reforçar a normalização europeia, a fim de dar resposta às necessidades da indústria.
  • Modernização das infra-estruturas e dos serviços europeus de transportes, energia e comunicações para responder com maior eficácia às necessidades da indústria, tomando devidamente em conta a permanente evolução da envolvente competitiva.
  • Uma nova estratégia relativa às matérias-primas, para criar condições sustentáveis de aprovisionamento e gestão das matérias-primas primárias nacionais.
  • Fomento da inovação sectorial mediante acções a desenvolver em sectores como as tecnologias de fabrico avançado, a construção, os biocombustíveis e os transportes rodoviários e ferroviários, com o objectivo de melhorar a eficiência na utilização dos recursos.
  • Resposta aos desafios das indústrias consumidoras intensivas de energia, através da melhoria das condições de enquadramento e do apoio à inovação.
  • Uma política espacial, a definir em colaboração com a Agência Espacial Europeia e os Estados‑Membros. A Comissão aplicará uma política para a indústria espacial, tendo como objectivo desenvolver uma sólida base industrial que abranja toda a cadeia de aprovisionamento.
  • A Comissão dará conta anualmente da situação em matéria de competitividade, políticas industriais e desempenho da Europa e dos Estados‑Membros.

Contexto

A indústria europeia está a recuperar gradualmente da crise económica e financeira dos últimos anos e há motivos para acreditar na sua capacidade de vencer os desafios associados à evolução da envolvente empresarial mundial. Porém, os níveis da produção industrial estão ainda mais de 10% abaixo dos valores pré-crise, apesar da recente recuperação de quase 10%. A indústria transformadora emprega 25% dos trabalhadores do sector privado e os serviços relacionados com a indústria empregam outros 25%. Além disso, 80% de todas as actividades de investigação e desenvolvimento do sector privado têm lugar na indústria transformadora.

Ligações úteis:
Última atualização:04/08/2011  |Topo