Percurso de navegação

Conselho Europeu de Investigação
Enviar esta página por correio electrónicoEnviar esta página por correio electrónicoImprimirImprimir

19/07/2013

Quatro portugueses vão receber 5,6 milhões de euros para financiamento de investigação fundamental. O Conselho Europeu de Investigação (European Research Council - ERC) selecionou 287 dos melhores cientistas em início de carreira para financiamento no âmbito do seu 6.º Concurso para Subvenções de Arranque, permitindo-lhes assim realizar investigação fundamental de ponta.

    Conselho Europeu de Investigação

    Cinco destes investigadores estão baseados em Portugal, entre os quais quatro investigadoras portuguesas; Carla Fernandes da  Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa, Mara Freire Martins da Universidade de Aveiro, Marta Moita da Fundação Champalimaud e Ana Cristina Santos do Centro de Estudos Sociais da Universidade de Coimbra. As quatro investigadoras vão receber cerca de 5,6 milhões de euros. O quinto investigador é o suíço Reto Gassman do Instituto de Biologia Molecular e Celular do Porto.

    Os investigadores beneficiarão de um financiamento total de cerca de 400 milhões de euros, com subvenções num valor que pode atingir 2 milhões de euros ao longo de um período máximo de cinco anos. A concorrência neste concurso de prestígio continuou a aumentar, tendo-se este ano registado um aumento de 50% na procura global de subvenções. Verificou-se igualmente um aumento na percentagem de mulheres investigadoras selecionadas, que passou de 24% para 30% entre todos os candidatos. Este Concurso para Subvenções de Arranque foi o último ao abrigo do 7.º Programa-Quadro de Investigação da UE (7.º PQ). Os próximos convites serão realizados no âmbito do novo Programa de Investigação e Inovação da UE «Horizonte 2020», que prevê um aumento substancial do financiamento do Conselho Europeu de Investigação (ERC).

    Os projetos selecionados abrangem uma vasta gama de tópicos, tais como a conceção de uma defesa costeira única contra maremotos, o desenvolvimento de radioterapia de alta tecnologia que pode ajudar os doentes com cancro da cabeça e pescoço, a investigação sobre monitorização em tempo real da poluição atmosférica por tecnologia de GPS ou a produção de novas tecnologias fotovoltaicas de baixo custo e mais eficazes.

    Nas palavras de Máire Geoghegan-Quinn, Comissária Europeia responsável pela Investigação, Inovação e Ciência: «O Conselho Europeu de Investigação mudou o panorama da investigação no que diz respeito aos jovens talentos e elevou o nível científico em toda a Europa. Está a financiar investigação fundamental que permite progressos nos conhecimentos humanos, mas também a gerar descobertas que poderão futuramente passar a fazer parte do nosso quotidiano. O ERC é atualmente um rótulo de excelência reconhecido e continuará a consolidar-se no âmbito do Programa-Quadro Horizonte 2020.»

    O presente convite suscitou 3.329 de propostas, o que representa um aumento de 50% em relação ao grupo correspondente no ano anterior. Devido a um aumento substancial da concorrência, foram selecionados apenas 9% dos candidatos. As subvenções estão a ser concedidas a investigadores de 34 nacionalidades, acolhidos em 162 instituições em toda a Europa. As Subvenções de Arranque visam investigadores de qualquer nacionalidade com 2-7 anos de experiência após a conclusão do seu doutoramento (ou grau equivalente) e com um percurso científico muito promissor. A média etária dos investigadores selecionados neste 6.º Concurso é de cerca de 34 anos.

    Ligações úteis:
    Última atualização:22/07/2013  |Topo