Percurso de navegação

Adaptação às alterações climáticas
Enviar esta página por correio electrónicoEnviar esta página por correio electrónicoImprimirImprimir

17/04/2013

A Comissão Europeia publicou um documento onde é definida a estratégia da União Europeia para a adaptação às alterações climáticas, que já se fazem sentir na Europa, tais como, mudanças nos padrões de pluviosidade, degelo dos glaciares, subida do nível dos mares e aumento da frequência das vagas de calor e das inundações.

    Adaptação às alterações climáticas

    Estratégia da UE para a adaptação às alterações climáticas

    Resumo para o cidadão

    Em que consiste a proposta?

    A Comissão Europeia publicou um documento que define a estratégia da UE para a adaptação às alterações climáticas.

    O que está em causa?

    • Os efeitos negativos das alterações climáticas já se fazem sentir na UE: mudanças nos padrões de pluviosidade, degelo dos glaciares, subida do nível dos mares e aumento da frequência das vagas de calor e das inundações.
    • A adaptação já é necessária para fazer face aos custos económicos, ambientais e sociais destes efeitos negativos, nomeadamente reforçando a resistência das infraestruturas às alterações climáticas, escolhendo culturas resistentes à seca e construindo diques marítimos.
    • Se não nos conseguirmos adaptar, oscustos serão elevados para as nossas economias e as nossas sociedades. Uma adaptação efetiva ajudará a reduzir os custos dos prejuízos e a salvar vidas.

    Quem será beneficiado e como?

    • O ambiente e os cidadãos europeus, dado que todas as medidas de adaptação visam preservar a qualidade de vida e o ambiente.
    • A economia, dado a que adoção agora de medidas planificadas e coordenadas para combater as alterações climáticas terá custos muito menos elevados do que os custos (a médio e a longo prazo) da inação.
    • As empresas, dado quea adaptação às alterações climáticas incentivará a inovação e será propícia à criação de novas oportunidades de mercado e de novos empregos (no setor das tecnologias agrícolas, da gestão dos ecossistemas, da gestão dos recursos hídricos, dos seguros, etc).

    Porquê uma ação a nível da UE?

    • Já existem iniciativas nacionais, regionais e locais mas estão incompletas, não abrangendo todo o território da UE.
    • As alterações climáticas afetam setores para os quais já existem políticas comuns, como a política agrícola comum e a política comum da energia. As medidas tomadas a nível da UE são mais consistentes e coerentes.
    • As medidas coordenadas a nível da UE permitem poupanças substanciais, nomeadamente a nível do reforço das capacidades, investigação, recolha de dados e transferência de conhecimentos.

    O que irá mudar concretamente?

    A UE está empenhada em:

    • apoiar as medidas adotadas pelos países da UE, nomeadamente a nível regional e local;
    • criar as bases para uma investigação coordenada, a partilha de informações, a troca de boas práticas e a adoção de abordagens inovadoras;
    • reforçar a capacidade de resistência dos setores económicos e políticos mais importantesaos efeitos das alterações climáticas;
    • facilitar o financiamento de estratégias de adaptação através dos programas de financiamento da UE para 2014-2020.

    Para quando está prevista a entrada em vigor da proposta?

    Imediatamente.

     

    Ligações úteis:
    Última atualização:19/04/2013  |Topo