Percurso de navegação

Programa Erasmus
Enviar esta página por correio electrónicoEnviar esta página por correio electrónicoImprimirImprimir

17/12/2012

Os estudantes Erasmus atuais e futuros podem estar descansados, porque os Estados-Membros e o Parlamento Europeu evitaram uma crise de financiamento que ameaçava o programa de intercâmbios.

    Programa Erasmus

    O acordo, aprovado pelo Parlamento Europeu após luz verde dada pelos Estados-Membros, vai permitir à UE colmatar um défice no orçamento de 2012 e remover as incertezas quanto ao financiamento para 2013. Graças a este acordo, a Comissão estará em condições de prover cerca de 280 000 bolsas de estudo Erasmus no ano letivo de 2013-2014.

    O acordo também evita problemas para outros programas de intercâmbio ao abrigo do programa Aprendizagem ao Longo da Vida (Leonardo para a formação profissional, Comenius para o ensino básico e secundário, Grundtvig para a educação de adultos), que permitem aos jovens e ao pessoal docente desenvolver as suas competências e alargar as perspetivas de carreira mediante a realização de estudos ou de formação num país estrangeiro. O acordo em matéria orçamental também afasta as incertezas que pairavam sobre as Ações Marie Curie, que apoiam a mobilidade internacional dos investigadores.

    A Comissão Europeia pode agora transferir os fundos necessários para as agências nacionais, a quem incumbe a gestão do programa Erasmus nos Estados-Membros. De seguida, as agências põem os fundos à disposição dos beneficiários do programa, nomeadamente as universidades e faculdades de origem, que pagam as bolsas mensais aos estudantes.

    O Conselho e o Parlamento Europeu chegaram também a acordo sobre o orçamento da UE para 2013, que representa cerca de 500 milhões de euros para o programa Erasmus e 1 015 milhões de euros para o programa Aprendizagem ao Longo da Vida no seu conjunto.

    Ligações úteis:
    Última atualização:18/12/2012  |Topo