Percurso de navegação

São necessários mais esforços para acabar com a corrupção, diz a UE - 06/02/2014

Notas de euro frente a um caixa automático.

De acordo com um relatório da UE publicado esta semana, a corrupção continua a ser um problema à escala europeia, sendo necessário intensificar os esforços para a evitar.

Ainda segundo o mesmo relatório, a corrupção, ou seja, «o abuso de poder em benefício pessoal», que engloba desde a corrupção política ao suborno de funcionários públicos, passando pela existência de relações corruptas entre empresas privadas, afeta todos os países europeus, estimando-se que o seu custo para a economia ronde os 120 mil milhões de euros por ano.

Este tipo de prática também é prejudicial para a confiança nas instituições democráticas e nos dirigentes políticos.

Uma preocupação generalizada

Três quartos dos europeus consideram que a corrupção é uma prática generalizada no seu próprio país e mais de metade acredita que é comum a todos os partidos políticos.

Um em cada doze europeus declara ter estado envolvido ou sido testemunha de um ato de corrupção no último ano e 4 % afirma que lhe foi pedido ou era esperado que pagasse um suborno. Os problemas de corrupção são mais frequentes nas relações dos cidadãos com os serviços de saúde, as empresas privadas, a polícia e as alfândegas.

Lutar contra a corrupção

Nos últimos anos, os países europeus adotaram várias medidas para resolver o problema, tendo, nomeadamente, instaurado mecanismos para controlar os conflitos de interesses, instituir regras éticas e melhorar a transparência. Mas, para além de variarem muito de país para país, estas medidas têm tido resultados desiguais, uma vez que nem sempre são aplicadas com a mesma determinação.

É necessário redobrar esforços para prevenir e reprimir práticas de corrupção. Melhorar a eficácia dos tribunais no tratamento de casos de corrupção, garantir a proteção dos denunciantes e aumentar a transparência das decisões relativas às despesas públicas (um domínio particularmente vulnerável à corrupção, em especial a nível local) são algumas das sugestões apresentadas.

A UE tenciona igualmente criar um programa para os países europeus, ONG e outras entidades, que permita partilhar experiências, ajude a identificar as políticas mais eficazes e assegure a formação necessária.

Monitorizar a corrupção

Lançado em 2011, o mecanismo de elaboração de relatórios anticorrupção da UE, tem por objetivo apoiar os esforços de luta contra a corrupção na Europa, reforçando o empenhamento político e identificando de que forma a UE pode ajudar.

O mecanismo continuará a monitorizar as experiências dos cidadãos europeus em matéria de corrupção e os esforços envidados para lutar contra este tipo de práticas, publicando as suas conclusões de dois em dois anos.

Mecanismo de elaboração de relatórios anticorrupção da UE pdf - 613 KB [613 KB] български (bg) čeština (cs) dansk (da) Deutsch (de) eesti keel (et) ελληνικά (el) English (en) español (es) français (fr) hrvatski (hr) italiano (it) latviešu valoda (lv) lietuvių kalba (lt) magyar (hu) Malti (mt) Nederlands (nl) polski (pl) română (ro) slovenčina (sk) slovenščina (sl) suomi (fi) svenska (sv)

Perguntas frequentes - A corrupção na UE English

Comunicado de imprensa - Primeiro Relatório Anticorrupção da UE

Relatório anticorrupção - Resumos por país English

Ver página em alto contraste Texto tamanho normal Aumentar texto 200 % Enviar esta página a um amigo Imprimir esta página

 

Encontrou a informação que procurava?

Sim Não

O que procurava?

Tem alguma sugestão?

Ligações úteis