Percurso de navegação

Apoiar as mulheres nos países em desenvolvimento - 08/03/2012

Logótipo com a inscrição «Dia Internacional da Mulher» © UE

No Dia Internacional da Mulher de 2012, há que reconhecer o contributo decisivo das mulheres para a luta contra a fome a pobreza nas comunidades rurais. A UE pode contribuir para dar mais meios às mulheres que lhes permitam assumir um papel mais importante nos países em desenvolvimento.

A UE está empenhada em defender a igualdade entre homens e mulheres, tanto dentro como fora das suas fronteiras.

Criar as condições necessárias para garantir às mulheres os mesmos direitos políticos, civis, económicos, sociais e culturais é não só uma questão de justiça mas igualmente essencial para estimular o crescimento e reduzir a pobreza nos países em desenvolvimento.

Por essa razão, a igualdade entre homens e mulheres é um dos objetivos de desenvolvimento do milénio Englishespañolfrançais da ONU, objetivos esses que a UE subscreve e que se destinam a ajudar as populações mais pobres a nível mundial.

Enquanto segundo maior doador de ajuda do mundo, a UE, através de cada projeto que financia, põe em prática os seus valores e o seu empenhamento em prol da igualdade a nível das comunidades de base.

No México, por exemplo, a UE ajudou o governo a levar a cabo uma reforma do sistema de justiça, que incluiu o reforço da legislação que visa pôr fim à violência contra as mulheres.

Na Índia, a UE apoia um programa que tem como objetivo assegurar um ensino de qualidade a todas as crianças entre os 6 e os 14 anos. No âmbito deste programa, procura-se também garantir a escolarização de raparigas de comunidades marginalizadas, que têm assim a oportunidade de frequentar escolas gratuitas com alojamento.

Luta contra a mutilação genital feminina

Todos os anos, cerca de 3 milhões de raparigas são vítimas de excisão feminina. A UE ajudou a salvar desta prática inaceitável milhares de jovens em todo o mundo.

A UE colabora com a UNICEF no sentido de alterar as normas sociais através de ações de diálogo e educação nas comunidades rurais no Egito, na Eritreia, na Etiópia, no Senegal e no Sudão.

Este programa conjunto English (en) français (fr) teve como resultado a renúncia a essa prática por parte de centenas de comunidades locais. O Senegal está prestes a tornar-se o primeiro país do mundo a fazê-lo.

A UE e a UNICEF financiam também um programa que desencoraja o casamento entre crianças na Índia. Apesar de este ser ilegal, a pressão social e económica nas regiões mais pobres leva muitas famílias a desafiarem a lei.

Bablu, que vive numa pequena aldeia no estado indiano do Rajastão, tinha apenas 13 anos quando, sob a pressão da comunidade local, a sua família decidiu casá-la.

Todavia, graças ao programa conjunto da UE-UNICEF, o pai de Bablu apercebeu-se que, em vez de casar a filha, era do interesse da família deixá-la continuar a estudar.

«Eu não me queria casar» declarou Bablu. «Pensei que a minha vida ia acabar.»

Mais informações sobre a UE e a igualdade entre homens e mulheres no domínio da ajuda ao desenvolvimento English (en) français (fr)

A UE e os Objetivos de Desenvolvimento do Milénio English (en) español (es) français (fr)

Ver página em alto contraste Texto tamanho normal Aumentar texto 200 % Enviar esta página a um amigo Imprimir esta página

 

Encontrou a informação que procurava?

Sim Não

O que procurava?

Tem alguma sugestão?

Ligações úteis