Percurso de navegação

As relações da UE com os países vizinhos estão no bom caminho - 12/05/2010

 Mapa regional ©EU

A estratégia da UE de conceder aos países vizinhos ajuda financeira e outros incentivos em troca da introdução de reformas está a ser bem sucedida.

De acordo com uma recente análise da Política Europeia de Vizinhança Englishfrançais, esta terá reforçado o comércio e outros laços entre a UE e os seus países limítrofes a leste e a sul. Contudo, esta política teve uma influência mais positiva a nível das reformas económicas do que a nível do processo de democratização.

Segundo o Comissário Füle Štefan, «o essencial para o futuro é acelerar as reformas democráticas e políticas, que têm registado progressos reais mas, em geral, mais lentos».

A política de vizinhança foi introduzida em 2004, no mesmo ano em que 10 países, maioritariamente da Europa central, aderiram à UE, deslocando assim as suas fronteiras quase 1000 km para este e reunificando uma Europa dividida durante décadas no período da Guerra Fria. Ao estender a mão aos seus novos vizinhos, a UE procurou prevenir a emergência de novas linhas divisórias na Europa e promover a segurança e a estabilidade ao longo das suas fronteiras.

A política oferece a perspectiva de acordos de comércio livre, ajuda financeira, apoio à segurança energética e isenção de visto de entrada na UE. Abrange todos os vizinhos mais próximos a este e a sul da UE, com excepção dos já contemplados pela política de alargamento.

Actualmente, considera-se que a abordagem baseada em incentivos subjacente à política de vizinhança levou à criação de laços de cooperação em áreas como o comércio, os transportes, a energia, o ambiente, a investigação e a educação. As exportações da UE para os países vizinhos aumentaram 63 % e as importações quase duplicaram no período entre 2004 e 2008, antes do princípio da crise que afectou a economia mundial.

Cada vez mais, os países vizinhos estão a aproveitar a ajuda financeira da UE para introduzir reformas. A assistência financeira aumentou 32 % desde o início desta política, que beneficia de um orçamento de 12 mil milhões de euros para o período de 2007 a 2012.

Os contactos entre pessoas de um lado e de outro da fronteira aumentaram e tornou-se mais fácil viajar para a UE a partir de alguns países, incluindo a Ucrânia e a Moldávia. Em 2008, foram emitidos vistos da UE para mais de 2 milhões de cidadãos de países vizinhos.

No que se refere à democracia e ao Estado de Direito, a UE considera positivas as eleições na Ucrânia, na Moldávia, em Marrocos e no Líbano. Mas, segundo o relatório, ainda resta muito por fazer, continuando a corrupção a ser um problema grave em muitos países.

Ver página em alto contraste Texto tamanho normal Aumentar texto 200 % Enviar esta página a um amigo Imprimir esta página

 

Encontrou a informação que procurava?

Sim Não

O que procurava?

Tem alguma sugestão?

Ligações úteis