Percurso de navegação

UE não esquece tragédia do Haiti - 18/02/2010

Tendas e abrigos improvisados no Haiti © União Europeia - Fotografia ECHO/Susana Perez Diaz

A Comissão propõe conceder mais 90 milhões de ajuda de emergência ao Haiti, gravemente afectado por um terramoto.

Mais de um mês depois do tremor de terra que assolou o Haiti, quase um milhão de pessoas vive em tendas ou abrigos improvisados, o que constitui uma preocupação crescente à medida que se aproxima a estação das chuvas e dos furacões.

"Agora, a nossa prioridade é dar um tecto aos desalojados" declarou Kristalina Georgieva, responsável pela ajuda humanitária da UE na nova Comissão. "E tem de ser um tecto capaz de aguentar as tempestades das Caraíbas."

A Comissão propôs ao Parlamento e ao Conselho que aprovassem a disponibilização de 90 milhões de euros dos fundos de emergência da UE para fornecer abrigo e cuidados de saúde, igualmente urgentes, uma vez que muitos sobreviventes se encontram gravemente feridos.

Se for aprovada, esta nova verba fará ascender a 609 milhões de euros a ajuda total concedida pela UE ao Haiti, incluindo as contribuições individuais dos países da UE, que não cessam de aumentar. No início da semana, a França decidiu conceder 230 milhões de euros de ajuda.

A UE está igualmente a proceder ao envio de 300 agentes de polícia militar para ajudar a reconstruir os abrigos. Portugal participa nesta força, tal como a Espanha, a França, a Itália e os Países Baixos.

A operação foi anunciada no mês passado em resposta a um apelo da ONU. A ideia inicial era ajudar as forças da ONU a manterem a ordem, mas o país permaneceu relativamente calmo.

Encontram-se no Haiti centenas de técnicos da UE, que coordenam a ajuda concedida sob a forma de alimentos, medicamentos, cobertores, tendas, água e combustível. A ajuda está a ser distribuída através das Nações Unidas e de outras organizações que colaboram com a UE e permitiu, por exemplo, à Cruz Vermelha finlandesa abrir uma clínica móvel e à Oxfam britânica abastecer diariamente 15 000 pessoas com água potável.

O Comissário do desenvolvimento, Andris Piebalgs, declarou que visitará brevemente o Haiti tendo em vista ajudar o governo a tornar-se plenamente operacional.

O terramoto que devastou o país em Janeiro fez mais de 200 000 vítimas mortais e causou milhares de milhões de euros de prejuízo. Está previsto realizar uma conferência de doadores em Nova Iorque no mês de Março.

Mais sobre a ajuda humanitária da UE ao Haiti Englishfrançaisespañol

Ver página em alto contraste Texto tamanho normal Aumentar texto 200 % Enviar esta página a um amigo Imprimir esta página

 

Encontrou a informação que procurava?

Sim Não

O que procurava?

Tem alguma sugestão?

Ligações úteis