Percurso de navegação

Doente de Alzheimer © Reporters

Propostas de acção coordenada contra a doença de Alzheimer e outras formas de demência

Vinte países estão a unir esforços para estudar a doença de Alzheimer e outras formas de demência, pondo pela primeira vez à prova uma nova abordagem da investigação na Europa.

Definidas pela Comissão Europeia em 2008, as medidas recomendadas incentivam os países da UE a partilharem os seus recursos de investigação, evitando assim a duplicação de esforços e o desperdício de fundos preciosos. Actualmente, quase 85 % dos fundos públicos afectados à investigação na Europa são gastos em projectos exclusivamente nacionais.

Os dirigentes da UE apoiaram o conceito de «programação conjunta» em Dezembro, na condição de os projectos serem voluntários e abordarem questões de interesse europeu ou mundial. A demência, que se traduz num declínio permanente e progressivo das capacidades mentais, foi considerada um tema adequado para um projecto-piloto, dado tratar-se de um problema crescente em todos os países da UE e acarretar custos enormes com os cuidados dos doentes (cerca de 130 mil milhões de euros em 2005).

Espera-se que este projecto seja uma fonte de inspiração para iniciativas de investigação conjunta noutras áreas, nomeadamente as alterações climáticas. Para o Comissário Janez Potočnik, a coordenação dos esforços nacionais representará um importante passo em frente.

Cerca de 7,3 milhões de pessoas na UE sofrem de demência, um número que deverá duplicar nos próximos 20 anos de par com o aumento da esperança de vida. A doença de Alzheimer é a causa mais comum, representando 70 % de todos os casos de demência. Não existe cura para a doença, que priva as suas vítimas da memória e capacidade de raciocínio.

O projecto-piloto faz parte de um plano mais vasto concebido pela Comissão em resposta ao aumento previsto dos casos de demência. Para além de apelar à intensificação da cooperação na investigação, o plano insta os países da UE a partilharem os conhecimentos e a cooperarem com vista a um diagnóstico precoce da demência.

A doença de Alzheimer manifesta-se normalmente após os 60 anos e o risco aumenta com a idade. As pessoas a quem a doença é diagnosticada numa fase inicial podem mudar as suas rotinas por forma a melhorar a qualidade de vida, participar nas decisões sobre o tratamento a seguir, tomar disposições em relação ao seu património ou receber apoio psicológico.

Mais sobre a acção da UE contra a demência e a doença de Alzheimer DeutschEnglishespañolfrançais

Exemplos de projectos sobre doenças neurodegenerativas financiados pela UE English

Ver página em alto contraste Texto tamanho normal Aumentar texto 200 % Enviar esta página a um amigo Imprimir esta página

 

Encontrou a informação que procurava?

Sim Não

O que procurava?

Tem alguma sugestão?

Ligações úteis