Percurso de navegação

UE pretende reforçar segurança do aprovisionamento energético - 04/06/2014

Rede de gasodutos cor de laranja © UE

A UE propôs medidas que visam assegurar a segurança do seu aprovisionamento energético face à atual situação geopolítica.

A Europa depende das importações em mais de 50% no que diz respeito ao seu aprovisionamento energético, pelo que é bastante vulnerável à situação política nos países vizinhos.

O aprovisionamento em gás é particularmente sensível. Se é verdade que a maioria das importações de petróleo chega à Europa por mar, o mesmo não acontece com o gás, que é transportado por gasodutos. Tal significa que, em caso de necessidade, não há grande margem para alterar as fontes e as rotas de aprovisionamento.

Após as interrupções temporárias do aprovisionamento de gás nos invernos de 2006 e 2009, foram tomadas medidas para melhorar a segurança energética da Europa.

Todavia, as tensões na Ucrânia, por cujo território transita o gás procedente da Rússia, vieram confirmar a necessidade de reforçar essas medidas.

Reforçar a segurança

Para assegurar a continuidade do aprovisionamento durante o próximo inverno, a UE propôs a realização de «testes de esforço», ou seja, uma simulação de um corte de abastecimento de gás para avaliar a capacidade de resposta do sistema energético. No caso de um impasse no aprovisionamento, poder-se-ia assim elaborar planos de emergência e criar mecanismos de salvaguarda, entre os quais poderia figurar, por exemplo, o aumento das reservas de gás.

Para melhorar a segurança a longo prazo, a UE propõe:

  • diversificar os países de onde a Europa importa energia. Em 2013, mais de 90% das importações de gás da UE provinham de quatro países: Rússia, Argélia, Líbia e Noruega
  • poupar energia e melhorar as infraestruturas tornar mais eficiente o consumo energético por parte da Europa
  • explorar os recursos energéticos da UE. A produção de energia na UE diminuiu quase 20% entre 1995 e 2012. É necessário inverter esta tendência através do desenvolvimento das energias renováveis e da produção sustentável de combustíveis fósseis
  • concluir o mercado interno da energia para facilitar os fluxos de energia dentro da Europa. Por exemplo, seis países da UE dependem inteiramente da Rússia para o seu aprovisionamento energético: a possibilidade de fazer chegar a energia aos países que mais dela necessitam, reduziria a sua vulnerabilidade.

Próximas etapas

As propostas apresentadas pela Comissão Europeia serão analisadas pelos chefes de Estado e de Governo da UE em 26 e 27 de junho.

Comunicado de imprensa: Estratégia para reforçar a segurança do abastecimento 

Perguntas e respostas: Segurança energética na UE English

Ver página em alto contraste Texto tamanho normal Aumentar texto 200 % Enviar esta página a um amigo Imprimir esta página

 

Encontrou a informação que procurava?

Sim Não

O que procurava?

Tem alguma sugestão?

Ligações úteis