Percurso de navegação

Abastecimento de gás: mais vale prevenir... - 16/07/2009

Condutas de aquecimento urbano, Roménia © EC

Propostas para uma maior transparência e controlo a fim de garantir o abastecimento de gás na UE.

Na maioria dos lares da UE, há a tendência para considerar o abastecimento de energia um dado adquirido. Por isso, houve um alarme generalizado quando, em Janeiro de 2009, as luzes se apagaram e os aquecimentos deixaram de funcionar em vários países da Europa Central e Oriental. Esse corte de energia foi causado por uma interrupção do fornecimento de gás vindo da Rússia, via Ucrânia, motivada por um conflito sobre dívidas e preços entre esses dois países.

Um quarto da energia consumida na UE, nomeadamente 20% da energia eléctrica, é gerada a partir de gás, e 60% deste é importado. Alguns países, como a Bulgária, importam a totalidade do gás que consomem, o que os torna especialmente vulneráveis a cortes no abastecimento.

A Comissão Europeia pretende reforçar a capacidade da UE para resolver eventuais problemas de escassez de gás. Consequentemente, apresentou uma nova proposta onde defende uma maior transparência dos investimentos nas infra-estruturas energéticas, de forma a que a UE possa determinar se os projectos planeados são suficientes para garantir a satisfação da futura procura.

Além disso, de acordo com essa proposta, cada país terá de designar uma autoridade responsável pela vigilância da evolução do abastecimento de gás, pela avaliação dos riscos, pela tomada de medidas preventivas e pela elaboração de planos de emergência. Se necessário, essa autoridade poderá tomar a iniciativa de promover a constituição de reservas de gás para reduzir os riscos de escassez.

A proposta convida todos os países da UE a colaborarem em caso de corte grave do abastecimento por parte de um país terceiro. Através da inversão do fluxo, por exemplo, os gasodutos poderiam servir para reencaminhar o gás para as regiões mais carentes. Por outro lado, o aumento das ligações entre as redes energéticas nacionais evitaria o isolamento de um país. Os investimentos necessários seriam efectuados no âmbito do plano de relançamento da economia europeia.

A UE procura também diversificar o leque dos seus fornecedores de gás. Recentemente, assinou um acordo sobre a construção do gasoduto Nabucco, que transportará até à Europa, através da Turquia, gás procedente da Ásia Central.

Garantir o abastecimento de gás natural na UE

Ver página em alto contraste Texto tamanho normal Aumentar texto 200 % Enviar esta página a um amigo Imprimir esta página

 

Encontrou a informação que procurava?

Sim Não

O que procurava?

Tem alguma sugestão?

Ligações úteis