Percurso de navegação

Cidades acessíveis para pessoas com deficiência - 03/12/2010

Cego com bengala branca © EU

A UE recompensa a cidade de Ávila (Espanha) por promover a acessibilidade para as pessoas com deficiência.

Ávila, conhecida pelas suas muralhas e igrejas medievais, foi a primeira cidade a receber o novo prémio da UE Access City Award (Prémio "Cidade Acessível") pelo seu empenhamento em tornar-se mais acessível às pessoas com deficiência.

Este prémio anual integra-se na estratégia da UE para melhorar os acessos às pessoas com deficiência e garantir os seus direitos em toda a União. O prémio foi lançado com vista a suscitar uma maior sensibilização para as dificuldades com que os deficientes se confrontam nas zonas urbanas e a recompensar as cidades que tenham removido algumas das barreiras à sua mobilidade.

Ávila, situada a oeste de Madrid, foi recompensada por ter melhorado a acessibilidade dos seus edifícios públicos no âmbito de um plano urbanístico desenvolvido desde 2002 em colaboração com organizações que representam os deficientes e os idosos. A cidade incentivou igualmente o sector privado a tomar iniciativas análogas e melhorou o acesso dos deficientes às infra-estruturas turísticas e ao mercado de trabalho.

Ávila, juntamente com Barcelona (Espanha), Colónia (Alemanha) e Turku (Finlândia) foi uma das quatro cidades finalistas seleccionadas entre as 66 cidades europeias que participaram no concurso.

O prémio foi atribuído em Bruxelas no âmbito de uma conferência de dois dias concluída no Dia Europeu das Pessoas com Deficiência (3 de Dezembro).

Entre os temas abordados salientam-se o reconhecimento mútuo dos cartões nacionais de deficiência, as oportunidades para estudar e trabalhar no estrangeiro, os regimes de segurança social e o acesso às actividades culturais e de lazer.

Melhorar a acessibilidade para as pessoas com deficiência é um dos elementos centrais da Estratégia Europeia em matéria de Deficiência , adoptada em Novembro último para o período de 2010-2020.

Entre outras propostas, a estratégia prevê iniciativas para promover o acesso das passoas com deficiência aos edifícios, aos transportes e outros serviços, bem como às tecnologias da informação e da comunicação.

Cerca de 80 milhões das pessoas que vivem na UE são portadoras de uma deficiência mais ou menos grave. Os obstáculos físicos com que se confrontam quando se deslocam, por exemplo, à escola ou ao local de trabalho tornam-nas vulneráveis à exclusão social. A taxa de pobreza das pessoas com deficiência é 70% superior à média devido a um menor acesso ao mercado de trabalho e a baixos níveis de educação.

Mais informações sobre as políticas em matéria de deficiência

Ver página em alto contraste Texto tamanho normal Aumentar texto 200 % Enviar esta página a um amigo Imprimir esta página

 

Encontrou a informação que procurava?

Sim Não

O que procurava?

Tem alguma sugestão?

Ligações úteis