Percurso de navegação

Reunião de deputados no Parlamento Europeu em Estrasburgo © EU

Por ocasião da apresentação de novas propostas, o Presidente da Comissão Europeia, Durão Barroso, declarou que os governos da zona euro devem adoptar sem demora medidas destinadas a defender a moeda única, pôr cobro à crise da dívida e consolidar a união económica.

«É por esta razão que uma governação mais forte na zona euro é crucial para a sobrevivência e o reforço da nossa moeda comum», declarou Durão Barroso perante o Parlamento Europeu em 16 de Novembro último. «Os mercados e os investidores exigem uma governação mais forte na zona euro. Não é apenas uma questão política para pessoas que, como eu e muitos de vós, aspiram por uma Europa mais forte. Efectivamente, o reforço da governação económica na zona euro e na União Europeia é agora uma questão de bom senso.»

Uma coordenação económica reforçada permitirá que os governos possam coordenar melhor uma resposta aos principais desafios económicos que a UE enfrenta e apoiar os esforços para fomentar o crescimento e o emprego.

A UE já tomou algumas medidas nesse sentido desde o início da crise económica, nomeadamente um pacote de seis medidas legislativas English para melhorar o controlo do orçamento e da dívida pública.

No ano passado, a UE lançou ainda o Semestre Europeu, um ciclo anual de seis meses durante o qual os governos e os seus pares da UE elaboram as políticas orçamentais e económicas em concertação.

A Comissão Europeia lançará o próximo Semestre Europeu em 23 de Novembro com a publicação da análise anual do crescimento, que define as prioridades em termos de política económica por que se devem nortear os governos europeus no próximo ano.

Foram ainda propostas medidas destinadas a reforçar a supervisão económica e orçamental dos países da zona euro com défices orçamentais excessivos. Os países com problemas de dívida sistémicos serão também obrigados a seguir as medidas preconizadas pelos seus pares para obter o apoio do fundo de resgate da zona euro.

A Comissão Europeia lançará também uma consulta pública para saber se os países da zona euro poderão emitir em conjunto as chamadas euro-obrigações a fim de obter verbas para o fundo de resgate.

Para restaurar a confiança dos cidadãos e dos mercados financeiros, é necessária uma maior vontade política e capacidade de liderança, afirmou Durão Barroso.

«Estamos, de facto, perante uma crise verdadeiramente sistémica que requer um empenhamento ainda maior de todos», defendeu Durão Barroso. «No futuro, temos de reforçar ainda mais a integração, o que exigirá alterações ao Tratado. E sejamos claros, sou a favor de uma alteração ao Tratado se a meta for reforçar a União Europeia, o método comunitário, as instituições europeias e o sentimento de partilhar de um objectivo comum.»

Discurso do Presidente Durão Barroso: governação económica 2011

Ver página em alto contraste Texto tamanho normal Aumentar texto 200 % Enviar esta página a um amigo Imprimir esta página

 

Encontrou a informação que procurava?

Sim Não

O que procurava?

Tem alguma sugestão?

Ligações úteis