Percurso de navegação

UE tenciona reforçar programas de alimentação saudável nas escolas - 04/02/2014

Aluno sorridente com o resto de uma maçã na mão ao lado de uma pilha de livros

A UE propõe reforçar os seus programas destinados a promover uma alimentação saudável nas escolas, a fim de combater o problema da má nutrição das crianças.

O novo regime reunirá num quadro único dois programas — o programa de distribuição de fruta e o programa de distribuição de leite — que financiam a distribuição destes produtos nas escolas e promovem a educação para uma alimentação saudável. Todos os anos, cerca de 30 milhões de crianças beneficiam destes programas em toda a UE.

O novo regime permitirá articular os dois programas sob o lema «Comer bem para estar bem». Será dada especial atenção às medidas educativas destinadas a sensibilizar as crianças para a importância de uma alimentação saudável e a informá-las sobre a produção e o desperdício dos alimentos. Estão também previstas visitas a explorações agrícolas.

Má nutrição

Na maior parte dos países, a percentagem de fruta, legumes e leite na alimentação das crianças está a diminuir. Em contrapartida, verifica-se uma tendência cada vez maior para consumir alimentos altamente transformados.

De acordo com a Organização Mundial da Saúde Englishespañolfrançais, a obesidade infantil está a aumentar. Em 2008, segundo as estimativas, 1 em cada 4 crianças europeias com idades compreendidas entre os 6 e os 9 anos sofria de excesso de peso ou de obesidade. Em 2010, essa proporção passou para 1 em cada 3 crianças.

Neste contexto, o novo regime tem por objetivo:

  • combater mais eficazmente o problema da má nutrição
  • reforçar a componente educativa dos programas de alimentação saudável e
  • contribuir para a luta contra a obesidade

Facilitar a organização

Atualmente, todos os países da UE participam no programa de distribuição de leite nas escolas e a maior parte deles participa iguamente no programa de distribuição de fruta (o Reino Unido, a Suécia e a Finlândia optaram por não o fazer). A participação no novo regime continuará a ser facultativa e cada país terá a possibilidade de escolher os produtos que tenciona distribuir nas escolas.

O novo regime terá uma dotação de 230 milhões de euros por ano, o que corresponde a um aumento em relação à dotação de 197 milhões de euros prevista no orçamento da UE de 2014, mas não excederá a dotação já prevista para os programas de distribuição de fruta e leite até 2020.

A articulação dos dois regimes deverá reduzir os encargos administrativos e organizacionais suportados pelas escolas e pelas autoridades nacionais e reduzir os custos da distribuição.

Programa de distribuição de fruta nas escolas 

Programa de distribuição de leite nas escolas Deutsch (de) English (en) français (fr)  

Perguntas frequentes — Programas de distribuição nas escolas de leite, fruta e legumes Englishfrançais 

Comunicado de imprensa — Comissão propõe combinar os programas de distribuição de leite e de fruta nas escolas

Ver página em alto contraste Texto tamanho normal Aumentar texto 200 % Enviar esta página a um amigo Imprimir esta página

 

Encontrou a informação que procurava?

Sim Não

O que procurava?

Tem alguma sugestão?

Ligações úteis