Percurso de navegação

Repensar a agricultura - 19/11/2008

Novas regras da UE dão maior liberdade aos agricultores para satisfazerem a procura.

Pela primeira vez desde há muitos anos, os ministros da agricultura europeus estudarão formas de aumentar a produção alimentar e não de a reduzir quando se encontrarem esta semana para adaptar a política agrícola à situação actual.

Trata-se de um corte importante em relação aos tempos dos "lagos de vinho" e das "montanhas de manteiga", quando o excesso de produção crónico fez reduzir os preços e deixou muitos agricultores dependentes das subvenções europeias.

Hoje em dia, os preços dispararam e os agricultores de todo o mundo têm dificuldade em satisfazer o aumento da procura. As regras da UE devem ajudar os agricultores europeus a fazer face ao aumento das exportações.

Os ministros terão em conta várias propostas de alteração DeutschEnglishfrançais , nomeadamente a redução das ajudas agrícolas, a eliminação da legislação relativa à manutenção de terras em pousio e a supressão gradual das quotas leiteiras. Tal como em reformas anteriores, as medidas destinam-se a dar mais liberdade de acção aos agricultores para poderem responder ao aumento da procura e fazer face a novos desafios como as alterações climáticas, a gestão dos recursos hídricos, a manutenção da biodiversidade e a explosão dos biocombustíveis.

A política agrícola comum (PAC DeutschEnglishfrançais ) europeia sofreu várias reformas importantes nos últimos vinte anos. O último abanão foi em 2003, quando a UE aboliu as ajudas agrícolas ligadas à produção, que incentivava os produtores a produzirem mais do que aquilo que podiam vender. O novo regime continuava a apoiar os rendimentos dos agricultores, mas permitia-lhes maior liberdade para produzirem o que o mercado queria. Em contrapartida, os agricultores devem respeitar normas ambientais e em matéria de bem-estar dos animais e de qualidade dos alimentos.

A Comissão quer redireccionar o dinheiro poupado para o desenvolvimento rural, o que irá beneficiar os doze novos países membros, que tiveram que modernizar aceleradamente os seus sectores agrícolas desde que aderiram à UE.

A PAC surgiu para assegurar um nível de vida razoável aos agricultores, fornecer alimentos suficientes a preços justos e preservar o património rural da Europa. A PAC representa 40% do orçamento anual da UE (55 mil milhões de euros). O sector agrícola da UE emprega 5% da população activa.

O mundo assistiu a uma subida rápida e acentuada dos preços dos produtos alimentares DeutschEnglishfrançais este ano, o que deu origem a protestos em muitos países. E a verdade é que, com a procura a aumentar em mercados em expansão como a China e a Índia, prevê-se que os preços continuem bastante elevados nos tempos mais próximos.

Revisão geral da PAC - perguntas frequentes English .

Ver página em alto contraste Texto tamanho normal Aumentar texto 200 % Enviar esta página a um amigo Imprimir esta página

 

Encontrou a informação que procurava?

Sim Não

O que procurava?

Tem alguma sugestão?

Ligações úteis