Percurso de navegação

Frotas multinacionais lutam para salvar o bacalhau e o atum - 29/07/2008

O navio-patrulha Jean Charcot no alto mar

Países da UE organizam patrulhas marinhas conjuntas para lutar contra a sobrepesca de espécies ameaçadas de extinção.

Em Fevereiro, cinco navios apoiados por uma aeronave de vigilância patrulharam o Mar Báltico. A sua missão era a de pôr termo à sobrepesca de bacalhau, uma espécie outrora abundante nas águas geladas, mas actualmente em risco de extinção.

Ao longo de duas semanas, inspectores da Dinamarca, Polónia, Lituânia e Suécia fizeram 112 visitas sem aviso prévio, embarcando nos navios no mar e fiscalizando-os à chegada a terra. Foram detectadas 10 infracções, na sua maioria relacionadas com a subdeclaração das capturas.

A operação foi lançada pela agência de controlo das pescas da UE English, que organiza a luta conjunta dos países da UE contra a pesca ilegal. A agência foi criada em 2005 para garantir uma aplicação uniforme das quotas impostas às capturas e outra regulamentação. Conta com um efectivo de aproximadamente 50 pessoas e dispõe de um orçamento anual de 5 milhões de euros.

Até à data, a agência coordenou cerca 20 missões deste tipo, principalmente no Mar Báltico e Mar do Norte. A agência também está activa noutras paragens: enquanto os inspectores controlavam o Báltico em Fevereiro, o navio‑patrulha francês Jean Charcot  English, fretado pela agência, afrontava contra tempestades para fiscalizar navios no noroeste do Atlântico.

Actualmente, a agência navega em águas mais calmas. Na sua mais importante campanha contra a sobrepesca, a agência está a coordenar cerca de 50 barcos-patrulha, 16 aeronaves e 30 inspectores no Mediterrâneo e no Atlântico Oriental, para aliviar a pressão sobre o atum rabilho, uma espécie em perigo de extinção. A campanha conta com a participação de sete países: Chipre, França, Grécia, Itália, Malta, Portugal e Espanha.

Em terra, em 19 de Julho, a agência inaugurou a sua nova sede na cidade de Vigo, em Espanha, na presença, entre outros, do Comissário Joe Borg, responsável pelas pescas na UE.

A UE é terceiro maior produtor mundial nos sectores da pesca e da aquicultura e um exportador importante de produtos de peixe de alta qualidade. A maior parte das capturas da UE são feitas no Atlântico Oriental e no Mediterrâneo.

Ver página em alto contraste Texto tamanho normal Aumentar texto 200 % Enviar esta página a um amigo Imprimir esta página

 

Encontrou a informação que procurava?

Sim Não

O que procurava?

Tem alguma sugestão?

Ligações úteis