Genómica e saúde pública

Trata-se de aplicar de forma eficaz e responsável os conhecimentos baseados no genoma no contexto da saúde pública e dos serviços de saúde.

A saúde é agora uma questão tida em conta em todas as políticas da UE, o que acentua a necessidade de uma base científica sólida. A estratégia de saúde da UE Traduções da ligação anterior български (bg) čeština (cs) dansk (da) Deutsch (de) eesti keel (et) ελληνικά (el) English (en) español (es) français (fr) italiano (it) latviešu valoda (lv) lietuvių kalba (lt) magyar (hu) Malti (mt) Nederlands (nl) polski (pl) română (ro) slovenčina (sk) slovenščina (sl) suomi (fi) svenska (sv) de 2007 exige a integração de conhecimentos sobre o genoma bem como de tecnologias assentes nesses conhecimentos em determinadas áreas.

Rede europeia para a genómica na saúde pública

Esta rede visa indentificar possíveis áreas e questões relacionadas com a genómica a abordar pelas políticas europeias de saúde pública, bem como necessidades e impactos decorrentes da mesma.

Embora, no caso da maioria das doenças, a realização de testes para detectar uma susceptibilidade hereditária com base em alelos de risco comuns ainda não seja viável, a situação poderá ser muito diferente daqui a dois ou três anos.

À medida que estes testes genéticos se vão generalizando, são necessárias directrizes adequadas sobre a interpretação dos resultados e as medidas a tomar em função dos mesmos para ajudar os médicos a aconselhar os doentes que pensam submeter-se a este tipo de exame.

A rede europeia para a genómica na saúde pública está a desenvolver directrizes da UE sobre garantia da qualidade, fornecimento e utilização das informações e tecnologias relacionadas com a genómica e a saúde pública.

Determinantes genómicos da saúde

Quase todas as doenças têm componentes genéticos inatos ou adquiridos. Será possível perceber melhor muitas doenças frequentes se se identificar:

  • os padrões genómicos subjacentes à susceptibilidade à doença;
  • as mutações genómicas somáticas adquiridas subjacentes a uma doença específica e que condicionam o fenotipo clínico individual, por exemplo, no caso do cancro.

Estas informações podem ser utilizadas para diagnosticar doenças e identificar novos tratamentos ou alvos mais específicos dos medicamentos.

No entanto, dada a complexidade da avaliação dos benefícios e riscos de testar qualquer padrão genómico eventualmente relacionado com uma doença, entre a publicação de marcadores genómicos recentemente descobertos para doenças que afectam a saúde pública e a sua possível aplicação na prática há sempre um intervalo de tempo considerável.

Testes genómicos e protecção da vida privada

Os testes genómicos podem dar informações sobre a susceptibilidade e os padrões genómicos de protecção contra determinadas doenças de um indivíduo. No futuro, poderão constituir a base de uma prevenção e tratamento médico personalizados.

Mas, a existência deste tipo de informação também levanta questões de ordem ética, social e jurídica quanto à sua utilização fora da esfera protegida pelo segredo médico, por exemplo, no contexto dos seguros de vida ou de saúde.

As implicações da evolução da genómica moderna para a medicina do trabalho e outras áreas da medicina molecular moderna, incluindo a investigação em biomedicina e saúde, continuam a ser controladas a nível da UE.