Ação da UE

Estima-se que entre 8% e 12% dos doentes que dão entrada nos hospitais europeus sejam vítimas de "incidentes adversos", tais como, por exemplo:

  • infeções associadas aos cuidados de saúde (aproximadamente 25% dos incidentes adversos)
  • erros terapêuticos
  • erros cirúrgicos
  • falhas do equipamento médico
  • erros de diagnóstico
  • intervenção nula ou inadequada em resposta a resultados de análises e testes

Grande parte dos danos infligidos aos doentes poderiam ser evitados, mas as estratégias dos vários países da UE neste domínio variam muito.

Em conformidade com o disposto no Tratado, a UE deve ajudar os países membros a coordenarem os esforços destinados a proteger a saúde pública. Nesta ótica, a Comissão, que está numa boa posição para os ajudar a partilhar as melhores práticas, tomou uma série de medidas para melhorar a segurança dos doentes na Europa.

Instrumentos jurídicos

Grupo de trabalho sobre a segurança dos doentes e a qualidade dos cuidados de saúde

O Grupo de trabalho sobre a segurança dos doentes e a qualidade dos cuidados de saúde Traduções da ligação anterior English (en) reúne representantes dos 27 países da UE, dos países da EFTA, de organizações internacionais e de organismos da UE. Este grupo de trabalho tem por missão contribuir para o aprofundamento das questões ligadas à segurança dos doentes e à qualidade dos cuidados prestados.