Classificação internacional

Os sistemas de classificação, bem como os respectivos conceitos e definições, são instrumentos que permitem efectuar registos harmonizados, indispensáveis para se obterem dados comparáveis. Com base nesses sistemas de classificação, podem ser elaboradas listas reduzidas. A Comissão utiliza as classificações internacionais para recolher dados harmonizados de elevada qualidade.

São seguidamente enumerados os principais sistemas de classificação utilizados para os indicadores de saúde.

Principais sistemas de classificação

Outros sistemas de classificação

  • A Classificação Internacional da Funcionalidade, Incapacidade e Saúde (CIF) é um sistema baseado num modelo biopsicossocial de funcionalidade e incapacidade. Publicada pela OMS, foi adoptada em 2001 pela Assembleia Mundial da Saúde.
  • A Classificação Internacional Tipo das Profissões (CITP), elaborada sob a responsabilidade da Organização Internacional do Trabalho (OIT), é um instrumento destinado a organizar as profissões de acordo com um conjunto de grupos claramente definidos, consoante as funções e obrigações a cumprir em cada uma. Esta classificação é utilizada para definir as profissões no sector da saúde.
  • O Manual de Diagnóstico e Estatística das Perturbações Mentais (DSM-IV) é o guia de referência em termos de classificação das perturbações mentais utilizado pelos profissionais da saúde mental nos EUA. Este manual foi desenvolvido pela Associação Americana de Psiquiatria (American Psychiatric Association - APA). A versão actualmente utilizada é a sua 4ª edição (DSM-IV), estando prevista uma nova revisão.
  • Os Grupos de Diagnósticos Homogéneospdf (GDH) são um sistema que permite avaliar o custo dos cuidados de saúde mediante uma classificação dos doentes baseada em critérios de diagnóstico e terapêuticos. Os GDH têm sido utilizados para efeitos de reembolso.