Panorama

Os sistemas eléctricos e electrónicos tornaram-se tão omnipresentes que é difícil imaginar uma vida sem eles. Embora estes sistemas contribuam para a nossa qualidade de vida, também produzem campos electromagnéticos (radiações não ionizantes), que se atingirem determinados níveis de emissão, podem aquecer os tecidos biológicos (como no caso dos fornos microondas).

Os campos electromagnéticos têm diferentes frequências, expressas em Hertz (Hz), e prestam-se a várias utilizações:

  • os campos estáticos fortes (0 Hz) são utilizados na ressonância magnética médica;
  • as frequências baixas (50 Hz) são utilizadas pela corrente eléctrica alternada que usamos no quotidiano;
  • as altas frequências (900 MHz) são utilizadas pelos telemóveis.

Até vinte anos atrás, as fontes artificiais de campos electromagnéticos eram as estações de rádio e de televisão e as linhas de alta tensão. A partir dos anos noventa, o rápido desenvolvimento das telecomunicações móveis e de outros aparelhos electrónicos veio aumentar significativamente o número de fontes e de tipos de campos electromagnéticos a que estamos expostos. Isto suscita alguma preocupação quanto ao seu possível efeito negativo na saúde.