Alterações climáticas

Condições meteorológicas extremas

Embora haja pouca investigação sobre a matéria, os trabalhos publicados até à data indicam que as condições meteorológicas extremas podem ter efeitos graves e duradouros na saúde.

A Comissão publicou um livro branco sobre a adaptação às alterações climáticas que define uma série de medidas a tomar pela própria e pelos governos dos países da UE e que incluem:

  • o desenvolvimento de ferramentas para monitorizar e prever fenómenos meteorológicos extremos,
  • a modelização do seu impacto na saúde,
  • a integração de planos de acção em caso de condições meteorológicas extremas nas estratégias nacionais de adaptação às alterações climáticas.

Vagas de calor

As vagas de calor na Europa  (como a de 2003) estão na origem de muitos problemas de saúde e de um aumento da mortalidade, com riscos acrescidos para os idosos, os doentes crónicos e as pessoas mais isoladas.

O principal projecto financiado pela UE foi o projecto EuroHEAT, que quantificava os efeitos do calor na saúde nas cidades europeias e identificava formas de melhorar o grau de preparação e a capacidade de resposta dos sistemas de saúde.

Inundações

As inundações  são um dos fenómenos meteorológicos extremos mais comuns e representam um risco múltiplo para a saúde. Apesar disso, existe pouca investigação neste domínio e sobre a forma de reagir das populações vulneráveis e dos sistemas de saúde.

Vagas de frio

O frio extremo  pode causar ainda mais vítimas mortais do que o calor (doenças cardíacas e respiratórias, ataques cardíacos, etc.), embora, recentemente, as vagas de calor tenham sido mais mediatizadas.

As pessoas doentes com gripe e as pessoas das camadas sociais mais desfavorecidas e de países mais pobres são as mais vulneráveis.