Pescas

INSEPARABLE - Eat, Buy and Sell Sustainable FishINSEPARABLE - Eat, Buy and Sell Sustainable FishINSEPARABLE - Eat, Buy and Sell Sustainable FishINSEPARABLE - Eat, Buy and Sell Sustainable Fish

Pesquisa
Conteúdos relacionados

Resumos da legislação da UE

Consultas públicas sobre aquicultura

  • Certificação dos produtos da aquicultura English (en)
  • Oportunidades de desenvolvimento da aquicultura europeia English (en)

Notícias
The European Commission welcomes Morocco’s ratification of a Fisheries Protocol which is set to open the door for European vessels to go back fishing in Moroccan waters after a pause of more than two years. The European Union and Morocco had concluded the 4-year fisheries deal in December 2013, however its entry into force was pending ratification by Morocco.
The EU and Mozambique met in Maputo, Mozambique, on 9-11 July 2014, to launch negotiations on the renewal of the Protocol to the Sustainable Fisheries Partnership Agreement due to expire on 31 January 2015. The negotiations were conducted in an open and frank atmosphere with progress made on identifying the areas where there was agreement and those where further work is required.

A enguia europeia

A enguia sempre foi apreciada em todas as gastronomias europeias, desde o mar Branco ao mar Negro. Esta espécie é há muito tempo alvo de uma criação extensiva tradicional que consiste em manter as enguias cativas em albufeiras. A valicultura praticada na Itália foi durante muito tempo o centro nevrálgico da produção de enguias na Europa. Mas a espécie é cada vez mais rara. Figura como espécie gravemente ameaçada na lista vermelha da União Internacional para a Conservação da Natureza (UICN), estando protegida por um plano de recuperação europeu desde 2007. Uma vez que a enguia actualmente não se reproduz em cativeiro, a produção aquícola assenta agora na captura de juvenis que são posteriormente transferidos para explorações intensivas para prosseguir a sua fase de crescimento. Estas explorações utilizam sistemas de recirculação e concentram-se, essencialmente, nos Países Baixos, na Dinamarca e em Itália.

A enguia europeia © ScandFish


Nome científicoAnguilla anguilla
Produção (UE-27) – 8 164 t (2007); 97% da produção mundial.
Valor (UE-27) – 73 milhões de euros (2007).
Principais países produtores da UE – Países Baixos, Dinamarca, Itália.
Principais países produtores a nível mundial – Idem + China, Japão.

Reprodução

A enguia não se reproduz em cativeiro. É de realçar que a enguia só permanece nos rios, lagos ou albufeiras durante a fase juvenil. Quando atinge a maturidade sexual (entre os 6 e os 12 anos para os machos e entre os 9 e os 18 anos para as fêmeas), regressa ao local onde nasceu: o mar dos Sargaços, no Oceano Atlântico ao largo da Florida (EUA), onde se reproduz e de onde não volta a sair.

As suas larvas aí permanecem durante um a dois anos, sendo depois levadas pela corrente do Golfo até às costas dos países europeus onde chegam após uma viagem de 200 a 300 dias. O seu período de chegada estende-se do início do Inverno, no Sul da Europa, ao início do Verão seguinte, no Norte. Transformam-se então em meixões, pequenas enguias transparentes com 6 a 12 cm de comprimento. Permanecem nos estuários onde se alimentam de plâncton. Colonizam progressivamente os rios, lagos e albufeiras de planície onde se transformam em enguias-amarelas.

As suas larvas aí permanecem durante um a dois anos, sendo depois levadas pela corrente do Golfo até às costas dos países europeus onde chegam após uma viagem de 200 a 300 dias. O seu período de chegada estende-se do início do Inverno, no Sul da Europa, ao início do Verão seguinte, no Norte. Transformam-se então em meixões, pequenas enguias transparentes com 6 a 12 cm de comprimento. Permanecem nos estuários onde se alimentam de plâncton. Colonizam progressivamente os rios, lagos e albufeiras de planície onde se transformam em enguias-amarelas.

Alevinagem

As enguias juvenis são capturadas durante a fase de meixão nos estuários de Portugal, Espanha, França e Reino Unido. Esta captura está regulamentada pelo plano de recuperação europeu de 2007, nos termos do qual uma proporção significativa das capturas de meixões (60% a partir de 2013) deve ser consagrada a programas de repovoamento do ecossistema selvagem.

Quando chegam às explorações dos aquicultores, os meixões são colocados em quarentena durante algumas semanas e eventualmente sujeitos a tratamentos em caso de doença. São alimentados com alimentos naturais (por ex. ovas de peixe), passando depois a consumir progressivamente uma pasta à base de farinha e de óleo de peixe. Quando atingem 5g, são transferidos para tanques de criação de juvenis onde são alimentados com pequenos granulados de farinha de peixe e extractos vegetais.

Quando chegam às explorações dos aquicultores, os meixões são colocados em quarentena durante algumas semanas e eventualmente sujeitos a tratamentos em caso de doença. São alimentados com alimentos naturais (por ex. ovas de peixe), passando depois a consumir progressivamente uma pasta à base de farinha e de óleo de peixe. Quando atingem 5g, são transferidos para tanques de criação de juvenis onde são alimentados com pequenos granulados de farinha de peixe e extractos vegetais.

Engorda

Quando atingem um peso de 50 g, são transferidos para albufeiras de criação extensiva ou para grandes tanques de criação intensiva que funcionam com um sistema de recirculação. Em ambos os casos, são alimentados artificialmente com granulados secos de farinha de peixe e vegetais.

O índice de crescimento das enguias varia significativamente de espécime para espécime, o que constitui um inconveniente. É deste modo necessário proceder regularmente a uma categorização de modo a agrupar os indivíduos com o mesmo tamanho nos mesmos tanques. É necessário esperar dois a três anos para obter indivíduos com tamanho adulto prontos para serem comercializados... ou reintroduzidos no ecossistema. Importa com efeito assinalar que as explorações aquícolas desempenham actualmente um papel essencial no repovoamento dos cursos de água, sob a vigilância das instâncias científicas.

O índice de crescimento das enguias varia significativamente de espécime para espécime, o que constitui um inconveniente. É deste modo necessário proceder regularmente a uma categorização de modo a agrupar os indivíduos com o mesmo tamanho nos mesmos tanques. É necessário esperar dois a três anos para obter indivíduos com tamanho adulto prontos para serem comercializados... ou reintroduzidos no ecossistema. Importa com efeito assinalar que as explorações aquícolas desempenham actualmente um papel essencial no repovoamento dos cursos de água, sob a vigilância das instâncias científicas.

Consumo

Presente em todas as gastronomias europeias, a enguia é consumida de variadíssimas formas e existem inúmeras receitas para cozinhar este peixe. Depois do abate, as enguias são transferidas para unidades de transformação, muitas vezes na própria exploração aquícola, onde são limpas e cortadas, sendo em seguida vendidas frescas ou preparadas (fumadas, marinadas, cozinhadas, em pedaços, em filetes, em conserva ou congeladas).