IMPORTANT LEGAL NOTICE - The information on this site is subject todisclaimercopyright notice
Evaluation
  EUROPA > Comissão Européia > EuropeAid > Avaliação > Metodologia > Noções básicas > Quem
Last updated: 13/01/2006
EuropeAid

Bases metodológicas
Utilização de uma avaliação (porquê?)

EuropeAid
 

Tipos de utilização

 


Metodologia
• Directrizes para avaliação
• Bases metodológicas
• Ferramentas de avaliação
• Exemplos
• Glossário
• Mapa do site

Métodos
• O que
• Quando
• Por quê
• Quem
• Como

Por que
• Visão geral
• Utilizadores
• Tipos de utilização
• Divulgação

 
 

O que significa?

Uma avaliação pode ser utilizada:

  • Como uma ajuda na tomada de decisões.
  • Como uma ajuda na formulação das apreciações e na informação da opinião pública.
  • Para promover o conhecimento e a compreensão.

Estes três tipos de utilização não se excluem entre si: é necessário compreender para poder apreciar, e apreciar para decidir.



Qual é a finalidade?

Optimizar a utilidade de uma avaliação, isto é:

  • Escolher e redigir as perguntas em relação ao uso esperado.
  • Ajustar o calendário e a divulgação em relação ao uso esperado.


Ajudar na tomada de decisão

A avaliação pode ser conduzida em benefício daqueles que têm que decidir ou negociar um ajustamento ou reforma da intervenção avaliada. Nesse caso, usa-se para ajustar a implementação da intervenção, projectar o seu próximo ciclo ou redefinir as orientações políticas.

Para facilitar este tipo de utilização, também chamado feedback, as perguntas de avaliação devem ser feitas em relação às expectativas dos decisores e à sua agenda de tomada de decisões no momento da entrega do relatório.

A avaliação pode ajudar no processo de decisão de duas maneiras:

  • Formulando conclusões de maneira independente, e propondo recomendações. Este tipo de avaliação é chamado "sumativa"
  • Favorecendo o envolvimento dos decisores envolvidos, ou pelo menos dos seus colaboradores mais próximos, com vista a criar um fenómeno de apropriação ou de feedback directo. Este tipo de avaliação é denominado "formativa".

As avaliações podem ajudar no processo de tomada de decisão de diferentes maneiras, dependendo do contexto da decisão:

  • As recomendações podem ser feitas aos gestores e/ou designers da intervenção. As avaliações que favorecem a utilização deste tipo são chamadas "de gestão"
  • As recomendações podem ser feitas a todos os parceiros e co-financiadores da intervenção. As avaliações que favorecem a utilização deste tipo são chamadas "de parcerias"
  • Finalmente, uma avaliação pode ser concebida como uma ajuda à negociação e à resolução de problemas entre um grupo mais abrangente de detentores de interesse, incluindo grupos de interesse e actores não estatais. As avaliações usadas para este propósito são chamadas "pluralistas".

Ajudar na formulação de apreciações

A avaliação pode ajudar os destinatários a formar as suas próprias opiniões sobre os méritos da intervenção.

A formulação de uma avaliação global é particularmente útil para a prestação de contas. Neste caso, a avaliação examina os méritos da intervenção em relação a diversos pontos de vista (avaliação recapitulativa) e responde a perguntas que são importantes para as instituições financiadoras. O relatório está acessível ao público em geral. São destacadas a independência da avaliação e a transparência da apreciação.

Neste caso, dá-se particular atenção à definição dos critérios de apreciação (também chamados "critérios de avaliação fundamentada"). No entanto, a própria apreciação só é definida quando o relatório final é entregue e as conclusões são discutidas. A utilização de uma avaliação com a finalidade de prestação de contas supõe ter que esperar até ao final do processo.


Conhecer e compreender

Além de ajudar no processo de tomada de decisões e formulação de apreciações, que são as duas formas principais de utilização, a avaliação permite também que os utilizadores aprendam com a intervenção, entendam melhor o que funciona e o que não funciona, e acumulem conhecimento. Indirectamente, contribui para a transferência do conhecimento assim adquirido, para benefício das redes profissionais que podem não ter uma ligação directa com a intervenção avaliada.

Ao contrário do feedback, que diz directamente respeito aos responsáveis pela intervenção avaliada, a transferência de lições é um processo indirecto que passa pelas redes de peritos, tanto dentro como fora da Comissão Europeia.

A capitalização do conhecimento inicia-se com frequência durante o processo de avaliação, através dos peritos que pertencem à equipa de avaliação ou ao grupo de referência. No entanto, a transferência de lições aprendidas pode começar somente depois da entrega do relatório final. Nesta perspectiva, a apresentação da avaliação nas redes especializadas, na forma de seminários ou artigos técnicos, é um passo fundamental.


Top

Recomendações

Desde o início, o gestor da avaliação deve dar prioridade a um ou mais tipos de uso, e então optimizar o processo de avaliação para que seja o mais atractivo ("user friendly") possível, ajustando, por exemplo:

  • A composição dos membros do grupo de referência.
  • As perguntas de avaliação.
  • A estratégia de divulgação.

Top