Percurso de navegação

Outras ferramentas

  • Visualização pré-impressão
  • Reduzir texto
  • Ampliar texto

Siga-nos

Facebook

Evitar e gerir os resíduos

O ideal seria evitar a produção de resíduos, mas reciclá-los e recuperá-los é muito melhor do que incinerá-los ou depositá-los em aterro, que são soluções insustentáveis.

Tradicionalmente, os resíduos são encarados como uma fonte de poluição. Mas, se forem bem geridos, podem ser uma valiosa fonte de materiais, especialmente quando muitos destes começam a escassear.

A economia europeia utiliza 16 toneladas de materiais por pessoa e por ano, das quais seis se transformam em resíduos, sendo metade destes depositados em aterro. Muitos países da UE continuam a gerir os seus resíduos depositando-os em aterros, apesar desta ser uma solução insustentável.

Os aterros podem contaminar os solos e poluir a água e o ar. A deposição não controlada de resíduos pode libertar produtos químicos perigosos e representar um risco para a saúde. Acima de tudo, perdem-se materiais valiosos presentes nos resíduos.

A melhor opção é deixar de produzir resíduos. Mas quando tal é não possível, a reutilização, a reciclagem e a valorização constituem boas alternativas.

Para além de poder dar um contributo importante para o crescimento económico e a criação de emprego, uma boa gestão dos resíduos permite poupar recursos valiosos, evita operações de limpeza dispendiosas e previne problemas de saúde.

De acordo com um estudo de 2012, se toda a legislação europeia em matéria de resíduos fosse devidamente aplicada, a Europa economizaria 72 mil milhões de euros por ano, o volume de negócios do setor da gestão e reciclagem de resíduos atingiria os 42 mil milhões de euros e seriam criados 400 000 postos de trabalho até 2020.

Por que motivo é que isto não se verifica? Muitas vezes, os preços não incluem o verdadeiro custo da eliminação dos produtos após a sua utilização. Se incluíssem, contribuiriam para evitar a produção de resíduos. As práticas ilegais são generalizadas, especialmente nos países onde os resíduos não são triados e onde os níveis de reciclagem, de recuperação e de cumprimento da legislação são reduzidos.

A UE procura melhorar a gestão dos resíduos nos Estados-Membros cujas políticas na matéria não são suficientemente sólidas, recomendando a adoção de determinados instrumentos económicos, como a aplicação de impostos sobre a deposição em aterro, obrigando os produtores a retomar os produtos em fim de vida e exigindo aos cidadãos que paguem pelo lixo que produzem.

A legislação europeia em matéria de eliminação dos resíduos de equipamento elétrico e de embalagens, de pilhas usadas e de automóveis para abate tem produzido melhorias claras na recolha e gestão de resíduos e na diminuição das substâncias perigosas presentes em muitos produtos. Mas ainda há muito para fazer...