Percurso de navegação

Outras ferramentas

  • Visualização pré-impressão
  • Reduzir texto
  • Ampliar texto

Siga-nos

Facebook

Usar a economia em favor de um futuro sustentável

A política económica deve incentivar um comportamento sustentável, que tenha em conta o valor dos sistemas naturais.

Se, ao tomarem decisões, as pessoas e as empresas pensassem automaticamente no respetivo impacto nos recursos, na saúde e no ambiente, evitar-se-iam muitos problemas. Uma forma possível de encorajar as pessoas a proteger a natureza, evitar a poluição, eliminar corretamente os resíduos e gerir os recursos naturais é introduzir incentivos financeiros. É por esta razão que a política ambiental recorre a incentivos económicos para promover alterações dos comportamentos.

Os modelos empresariais, de infraestruturas e de comportamento em vigor em grande parte da Europa preconizam uma utilização dos recursos que não tem suficientemente em conta o aspeto da eficiência. Mas o mundo está a mudar e as pessoas estão cada vez conscientes de que os recursos são limitados. Chegou o momento de passar a utilizar os recursos de forma eficiente em todos os setores da indústria.

Os impostos estão longe de ser populares, mas os responsáveis políticos podem utilizá-los para ajudar a alterar o rumo da evolução da sociedade. Aumentando os impostos sobre as atividades que danificam o ambiente e reduzindo os impostos sobre o trabalho, é possível melhorar o ambiente e criar emprego. Alguns países da UE já introduziram reformas neste sentido.

A política económica é um instrumento de mudança poderoso. Por que não temos preços que reflitam os custos reais da utilização dos recursos? Embora pareçam com frequência uma boa ideia a curto prazo, se não forem utilizados com cautela, os subsídiospodem prejudicar o ambiente.

É igualmente necessário melhorar a informação, alterar os métodos utilizados para medir os fatores económicos e perceber melhor o valor dos sistemas naturais e o custo real do impacto no ambiente da poluição atmosférica, das alterações climáticas e da perda de biodiversidade, bem como da forma como utilizamos os recursos naturais.

Conviria ainda mudar os métodos utilizados para medir o crescimento económico. São necessários outros indicadores para além do PIB, que pode, frequentemente, dar uma ideia falsa do nosso desempenho. Necessitamos de indicadores que mostrem também de que forma utilizamos os recursos.