Novas lâmpadas e embalagens

Desde 1 de Setembro de 2009, as lâmpadas para uso doméstico produzidas para o mercado europeu têm de satisfazer determinados requisitos mínimos de eficiência energética. As lâmpadas incandescentes e halogéneas tradicionais que não satisfazem esses requisitos serão progressivamente retiradas do mercado até ao final de 2012.

 

Maior eficiência energética

Desde Setembro de 2009, todas as lâmpadas foscas devem cumprir os requisitos da classe A de acordo com o rótulo energético europeu. As lâmpadas fluorescentes compactas e as lâmpadas LED são as únicas que atingem um grau de eficiência tão elevado. Todos os outros tipos de lâmpadas foscas pouco eficientes terão de desaparecer.

Por sua vez, as lâmpadas transparentes pouco eficientes também começaram a ser gradualmente retiradas do mercado. O processo teve início em Setembro de 2009, com o desaparecimento das lâmpadas incandescentes claras de 100W ou mais que não cumpriam os requisitos da classe C. Este limite será reduzido progressivamente até 2012 (75W em 2010, 60W em 2011, 40W e menos em 2012).

Calendário da retirada do mercado das lâmpadas de alto consumo

 

Lâmpada fluorescente compacta em forma de chama

Melhores alternativas

Mesmo depois de certos tipos de lâmpadas pouco eficientes terem desaparecido do mercado, os consumidores europeus continuarão a ter muito por onde escolher. A legislação exige que as lâmpadas alternativas tenham um bom desempenho e proporcionem o mesmo nível de satisfação que as lâmpadas incandescentes, ou mesmo mais, uma vez que também podem emitir luz fria, se necessário. Conheça as alternativas existentes no mercado.

 

Indicação da temperatura cromática (luz quente ou fria) da lâmpada na embalagem

Informações mais completas

A fim de ajudar os consumidores a fazer uma escolha acertada, a legislação obriga à indicação na embalagem de determinadas informações sobre o produto. Os fabricantes terão assim de indicar o tempo de vida das lâmpadas (em horas), o número de ciclos de ligar/desligar das lâmpadas, a temperatura cromática, o tempo de aquecimento das lâmpadas e se é compatível com a utilização de um regulador da intensidade da luz.

Mais informações sobre como escolher uma lâmpada de baixo consumo.

Maior poupança de energia e de dinheiro

Este gráfico mostra o consumo e a poupança de energia de vários tipos de lâmpadas. A coluna 1 representa as lâmpadas incandescentes tradicionais, as colunas 2 e 3 as lâmpadas de incandescência melhorada das classes C e B (com cápsulas halogéneas integradas), a coluna 4 as lâmpadas fluorescentes compactas (LFC) e a coluna 5 as lâmpadas LED (díodos emissores de luz).

Comparação entre os níveis potenciais de poupança energética dos vários tipos de lâmpadas

Graças à utilização de lâmpadas de baixo consumo, uma família média poderá diminuir em 15% a sua factura da electricidade, o que equivale a uma poupança líquida de 25 a 50 euros por ano, dependendo da dimensão do agregado familiar e do número e tipo de lâmpadas utilizado.

Os novos requisitos de eficiência energética para as lâmpadas resultarão numa poupança superior a 40 mil milhões de quilowatts/hora até 2020, o que equivale ao consumo de electricidade de 11 milhões de famílias europeias no mesmo período. E, acima de tudo, permitirão diminuir as emissões de CO2 em até 15 milhões de toneladas por ano.