IMPORTANT LEGAL NOTICE
 

 IQA-Inovar para a Qualidade Alimentar ascii version

Portugal

 
DP Managing organisation : EPRALIMA - Escola Profissional do Alto Lima, Cooperativa de Interesse Público e
Other national partners : ACIAB - Associação Comercial e Industrial de Arcos de Valdevez e Ponte da Barca
Escola Superior de Tecnologia e Gestão
GONÇALVES & PONTES LDA
PANIBARCA - PANIFICADORA DE PONTE DA BARCA LDA.
TORREFACAO ARCUENSE LDA
UNISELF GESTÃO E EXPLORAÇÃO RESTAURANTES EMPRESAS LDA
UNIÃO DOS SINDICATOS DE VIANA DO CASTELO
EQUAL theme :Adaptability - Adaptation to change and NIT 
Type of DP :Geographical - Other - NORTE 
DP Legal status :Association without legal form 
DP identification :PT-2004-274 
Application phase :Approved for action 2 
Selection date :29-09-2005 
Last update :11-03-2008 
Monitoring: 2005  2006   

Rationale

Text available in

- It was noticed that, through the accomplished interviews, the present organizational context in all of the companies is favourable to the accomplishment of changes in themes like HAS, per times considered secondary. The collected information shows that the companies are in a point of its evolution and that these subjects become priority, in growth terms. The typical context found was family companies in a phase of leadership change and having found these companies in a stable situation, can now be devoted to the development of these themes that before were considered less priority. This situation is an advantage, in the measure in that the behaviour changes as implicated in an improvement process in HAS, demand a strong motivation and pledge on the part of the involved entrepreneurs, and still because the conception of the training plan foresees an active participation of the entrepreneurs in the workers' training. It was verified among the employees the existence of two generations and different mentalities, one of them quite receptive to interventions of this type. There are still weak points that can be transformed in opportunities: the one that was considered the largest training need in strategic terms - leader and leadership - can become an opportunity. This need will be satisfied in the extent of the project, through training in coaching, transforming the need to an opportunity of supplying the entrepreneurs with training in leadership that will exist to support the conceiving training plan, eventually with special incidence in the aspect "personal manipulating foods", behaviour, dependent of a determined, motivated and effective leadership. A strong justness between women and men was verified in the involved people in this project. Although in the position of director’s there are more men than women, this difference is not substantial - 8 men and 6 women., - Through the analysis of the technical diagnosis, it is possible to verify that all of the involved companies present lacks, sometimes very serious, in the execution of norms and rules of HAS. In spite of the good will of the entrepreneurs' motivation and involved employees, some lacks - namely related with the physical space of the companies - demand large investments that difficultly will be done in the extent of this project. On the other hand, the level of conscience of the entrepreneurs faced to the situation of their own company still is found a little distant of the reality. This fact was verified through the comparison of the information collected in the exploratory interviews - where the entrepreneurs affirmed that they didn't accomplish completely, but that the gaps would be few - and the results collected through the technical auditing, where the detected lacks were surprising for the own entrepreneurs. It was still possible to verify, through the exploratory interviews that, among the employees, their exists more people with tendency for training than others, existing a deep break usually among older employees, and the more youths. Finally, relatively to detected training needs, the areas that stood out, among all of the organizations were: leaders and leadership, group dynamics, making decision and work group.

dot Top


Objective

Text available in

The aim of this project is constituted by the INOVATION of processes and practices in micro, small and medium enterprises of the Alimentary branch in regards to the implementation of the highest patterns of QUALITY to level of the Hygiene and ALIMENTARY Safety. In this conformity the project will intend to mobilize the entrepreneurs of the alimentary section, through personalized formative solutions, for the need of structural and organizational changes with view to the implementation of the Hygiene and Alimentary Safety. For the accomplishment of this aspect, DP will take forward the following activities: PREPARATION, of the future trainers and people who will conceive the products, through training in the following thematic domains: 1st: Undertake Training strategy in the extent of IQA Destinataries: Internal trainers of DP that will be responsible for the elaboration of a pedagogic kit and for the attendance of entrepreneurs when they apply the training in coaching. Objective: Acquire knowledge about the activities and the products to elaborate during the project. Name of the action: Training in Coaching Nº of hours: 40 Destinataries: Internal trainers; Entrepreneurs; DP Objectives: Prepare the intervenient to be able to be guiding and facilitators of training in coaching; concentrate on the importance of the guaranteed equal of opportunities between women and men. Name of the action: Pedagogic games in Training Nº of hours: 14 Destinataries: Internal Trainers; DP Objectives: Improve the destinataries competences on the dinamization of training in class. CONCEPTION of the IQA site, Pedagogic Kit and the strategic guide of the training development. EXECUTION of training, for: -Entrepreneurs, The pedagogic kit will be experimented through technical training as regards to alimentary safety and self control from trainers to entrepreneurs, in class regime. The training in work context will be accomplished by coaching and will consist in the entrepreneurs personal competences (leadership, decision making, Teamwork, communication). -Workers and intermediate leaderships, Through technical training in alimentary safety, in training on group dynamics and training in work context. It will be developed in coaching by entrepreneurs to their workers with the support of the trainers. This training consists of the development of personal and behaviour competences (verbal and writing communication, conflicts, cooperation, hierarchical relationships, and motivation). CERTIFICATION Through the attribution of the Stamp for the Alimentary Quality, which will be based by the execution of an action plan at the level of HAS. Therefore, we look forward that the final results give its effective incorporation to diversified institutions, potentiating the future sustainability of the project in the future.

dot Top


Innovation


Nature of the experimental activities to be implemented Rating
Training on work place ****
Training of teachers, trainers and staff **
Conception for training programs, certification ***
Awareness raising, information, publicity **

Type of innovation Rating
Process-oriented ****

dot Top


Budget Action 2

500 000 – 1 000 000 €

dot Top


Beneficiaries


Assistance to persons 
Unemployed  0.0%  0.0% 
Employed  54.3%  45.7% 
Others (without status, social beneficiaries...)  0.0%  0.0% 
  100.0% 
 
Migrants, ethnic minorities, …  0.0%  0.0% 
Asylum seekers  0.0%  0.0% 
Population not migrant and not asylum seeker  54.3%  45.7% 
  100.0%
 
Physical Impairment  0.0%  0.0% 
Mental Impairment  0.0%  0.0% 
Mental Illness  0.0%  0.0% 
Population not suffering from a disability  54.3%  45.7% 
  100.0% 
 
Substance abusers 0.0%  0.0% 
Homeless  0.0%  0.0% 
(Ex-)prisoners  0.0%  0.0% 
Other discriminated (religion, sexual orientation)  0.0%  0.0% 
Without such specific discriminations  54.3%  45.7% 
  100.0% 
 
< 25 year  22.9%  21.4% 
25 - 50 year  24.3%  21.4% 
> 50 year  7.1%  2.9% 
   100.0% 

Assistance to structures and systems and accompanying measures Rating
Gender discrimination **
Low qualification ***

dot Top


Empowerment

 

 With beneficiaries

Participation
Promoting individual empowerment
Developing collective responsibility and capacity for action
Participation in the project design
Participation in running and evaluating activities
Changing attitudes and behavior of key actors

 

 Between national partners

N.C.

dot Top


Transnationality

 

 Linguistic skills

  • português

 Percentage of the budget for transnational activities

  • 0.3%

 Transnational Co-operation Partnerships

Transnational Co-operation Agreement DPs involved
4021 NAIF- Network for the Agro-food sector’s Innovation Fostering local Development ES ES20040244
IT IT-G2-CAM-044
IT IT-G2-LOM-003
4839 Tarja Liljeroos FI 82
FR AUV-2004-43052

dot Top


Background

 

N.C.

dot Top


Networking

 Interest in networking

Text available in

Consoante a dimensão de aplicação dos produtos IQA, é possível identificar diversos tipos de utilizadores, relativamente a cada produto. No que diz respeito ao Kit pedagógico, os utilizadores identificados são os seguintes: - Dirigentes e quadros superiores de empresas – nomeadamente associações empresariais que pretendam incorporar o produto, tornando-se aptas para a sua implementação integral em empresas suas associadas. - Agentes de formação/coaches/consultores que colaborem com as associações supracitadas, nomeadamente responsáveis pela formação, coordenadores de formação, formadores/consultores, e, ainda, coaches; - Trabalhadores activos (PMEs, Micro empresas e empresas de grandes dimensões do sector agro-alimentar), enquanto destinatários finais do produto, que serão alvo da Formação Técnica em HSA para Manipuladores; - Empresários (PMEs, Micro empresas e empresas de grandes dimensões do sector agro-alimentar), enquanto representantes dos destinatários finais, que irão receber a Formação Técnica em HSA para Dirigentes/Responsáveis, bem como ser clientes do processo de coaching e consultoria especializada em HSA. Relativamente ao selo “Alimento Seguro”, identificamos os seguintes utilizadores: - Empresas do sector agro-alimentar, de qualquer dimensão, que pretendam ver reconhecido o cumprimento integral dos requisitos em HSA constantes no regulamento do selo “Alimento Seguro”. - Associações empresariais, que desejem implementar os produtos IQA em parte ou na globalidade. Nos casos em que o desejem fazer na globalidade, estas associações devem possuir acreditação na área da formação, indispensável para a aplicação do Kit Pedagógico. Por outro lado, associações que não disponham de acreditação, podem implementar o selo “Alimento Seguro” em empresas suas associadas, desde que estas cumpram todos os requisitos necessários. Consumidores finais - Os consumidores finais constituem um conjunto de utilizadores do produto na medida em que as empresas que o possuam devem torná-lo público, divulgando a importância da HSA, bem como os requisitos necessários que estão por detrás da atribuição do selo, envolvendo assim os seus clientes neste tema. Uma vez que os requisitos que envolvem a atribuição do selo são públicos, os consumidores podem, se assim o desejarem, participar activamente na sua manutenção, contribuindo para a criação de uma “pressão positiva” sobre as empresas que tenham implementado este produto. Desta forma, a implementação do selo “Alimento Seguro” contribui indubitavelmente para a consciencialização do público consumidor da importância da Higiene e Segurança Alimentar nas empresas do sector agro-alimentar.

 Events

Text available in

Consoante a dimensão de aplicação dos produtos IQA, é possível identificar diversos tipos de utilizadores, relativamente a cada produto. No que diz respeito ao Kit pedagógico, os utilizadores identificados são os seguintes: - Dirigentes e quadros superiores de empresas – nomeadamente associações empresariais que pretendam incorporar o produto, tornando-se aptas para a sua implementação integral em empresas suas associadas. - Agentes de formação/coaches/consultores que colaborem com as associações supracitadas, nomeadamente responsáveis pela formação, coordenadores de formação, formadores/consultores, e, ainda, coaches; - Trabalhadores activos (PMEs, Micro empresas e empresas de grandes dimensões do sector agro-alimentar), enquanto destinatários finais do produto, que serão alvo da Formação Técnica em HSA para Manipuladores; - Empresários (PMEs, Micro empresas e empresas de grandes dimensões do sector agro-alimentar), enquanto representantes dos destinatários finais, que irão receber a Formação Técnica em HSA para Dirigentes/Responsáveis, bem como ser clientes do processo de coaching e consultoria especializada em HSA. Relativamente ao selo “Alimento Seguro”, identificamos os seguintes utilizadores: - Empresas do sector agro-alimentar, de qualquer dimensão, que pretendam ver reconhecido o cumprimento integral dos requisitos em HSA constantes no regulamento do selo “Alimento Seguro”. - Associações empresariais, que desejem implementar os produtos IQA em parte ou na globalidade. Nos casos em que o desejem fazer na globalidade, estas associações devem possuir acreditação na área da formação, indispensável para a aplicação do Kit Pedagógico. Por outro lado, associações que não disponham de acreditação, podem implementar o selo “Alimento Seguro” em empresas suas associadas, desde que estas cumpram todos os requisitos necessários. Consumidores finais - Os consumidores finais constituem um conjunto de utilizadores do produto na medida em que as empresas que o possuam devem torná-lo público, divulgando a importância da HSA, bem como os requisitos necessários que estão por detrás da atribuição do selo, envolvendo assim os seus clientes neste tema. Uma vez que os requisitos que envolvem a atribuição do selo são públicos, os consumidores podem, se assim o desejarem, participar activamente na sua manutenção, contribuindo para a criação de uma “pressão positiva” sobre as empresas que tenham implementado este produto. Desta forma, a implementação do selo “Alimento Seguro” contribui indubitavelmente para a consciencialização do público consumidor da importância da Higiene e Segurança Alimentar nas empresas do sector agro-alimentar.

 Products

N.C.

Last update: 29-09-2005 dot Top


National Partners


Partner To be contacted for
EPRALIMA - Escola Profissional do Alto Lima, Cooperativa de Interesse Público e Co-ordination of experimental activities
Design of the project
DP managing organisation
Evaluation
Monitoring, data collection
Transnational partnership
ACIAB - Associação Comercial e Industrial de Arcos de Valdevez e Ponte da Barca
Escola Superior de Tecnologia e Gestão
GONÇALVES & PONTES LDA
PANIBARCA - PANIFICADORA DE PONTE DA BARCA LDA.
TORREFACAO ARCUENSE LDA
UNISELF GESTÃO E EXPLORAÇÃO RESTAURANTES EMPRESAS LDA
UNIÃO DOS SINDICATOS DE VIANA DO CASTELO

dot Top


Agreement Summary

Text available in

Resumo do Acordo de PD Os parceiros acordam: 1. Objectivos comuns 1.1 Desenvolver em conjunto o projecto acima referenciado, cujo diagnóstico, objectivos, actividades, resultados e processo de avaliação, e plano de financiamento se descrevem no formulário de candidatura à acção 2. 2. Estruturas e processo de funcionamento da Parceria 2.1 Criar à partida as seguintes estruturas de gestão e funcionamento: 1.Comité de Direcção: é constituído pelos responsáveis dos parceiros fundadores (ESTG, Epralima, ACIAB) e pelo coordenador geral do projecto. A função deste Comité será tomar decisões e funcionará sob a tutela do coordenador geral do projecto, e na falta da participação dos seus representantes máximos, terão que delegar a presença a um outro membro que tenha poderes para decidir. 2.Comité de Coordenação: composto por todos os coordenadores locais de cada PD, funciona sob a direcção do coordenador geral do projecto. Este grupo, terá como função a execução do plano de actividades do projecto no âmbito da entidade em que são parte integrante, e a consequente conjunção dos trabalhos para que os objectivos sejam executados. 3.Grupo Técnico: é decomposto pelas seguintes equipas de trabalho: Grupo Técnico de Formação PD Responsável: ESTG Colaboradores: Epralima Grupo Técnico de Informática PD Responsável: Epralima Colaboradores: ESTG Grupo Técnico Conceptor PD: ESTG Colaboradores: Epralima e ACIAB Grupo SQA: PD:ACIAB Colaboradores: Epralima, ESTG e Sindicato Os parceiros responsáveis de cada grupo de trabalho terão que velar pela implementação das actividades, tendo para isso que efectuar reuniões mensais para delinear as estratégias de intervenção, calendarizar e monitorizar as actividades. Comité Empresarial: integra os dirigentes das empresas e os coordenadores locais, um representante dos trabalhadores (podendo este fazer parte da figura do coordenador local), um representante da CGTP, pelo coordenador Geral e será presidido pela ACIAB. Para a prossecução das actividades transnacionais, estará uma pessoa afecta à entidade interlocutora a fim de articular as actividades nacionais com as transnacionais. Por fim, estará também um técnico responsável pela garantia e pela monitorização das actividades realizadas que tenham em vista a garantia da igualdade de oportunidades entre mulheres e homens. 2.2 Implementar o seguinte processo de tomada decisão (destacar nomeadamente processos de dos parceiros, mecanismos que promovam a igualdade de género, etc.): A Epralima será a Entidade Interlocutora do projecto, visto que, a sua experiência anterior derivada da coordenação do projecto Inforadapt, irá facilitar a gestão do IQA. O processo da tomada de decisão obedecerá ao seguinte organograma operacional: O Comité de Direcção reunir – se – á bimensalmente, e extraordinariamente sempre que convocado pelo coordenador geral, o qual irá organizar a agenda da reunião em função de um relatório das actividades desenvolvidas, a qual será previamente distribuída aos intervenientes. O coordenador, terá que estabelecer consensos de forma a que todos os membros possam participar. Será nesta reunião, que as decisões terão que ser tomadas, onde o coordenador constituirá o porta voz dos coordenadores locais da Parceria de Desenvolvimento através da comunicação de medidas que urgem serem tomadas principalmente para melhorar a funcionalidade e eficácia do projecto. As decisões serão aprovadas por maioria qualificada, sem que o coordenador geral tenha poder de voto. Quando as actividades transnacionais estiverem na ordem do dia, o Secretário transnacional terá que estar presente neste Comité, sem ter poder de voto. Comité de Coordenação: sob a responsabilidade do coordenador geral, este Comité é composto pelos coordenadores do projecto da ESTG, ACIAB e CGTP. Os coordenadores locais terão como responsabilidade a coordenação dos grupos técnicos afectos à sua instituição para o desenvolvimento do projecto, e, como tal, terão que se reunir mensalmente, no sentido de dar a conhecer o ponto de situação sobre as actividades do projecto. O coordenador geral, terá que, em diálogo com o Comité de Direcção, tomar todas as medidas necessárias para o desenvolvimento do projecto, e quando for necessário, remeter para o Comité de Direcção a tomada de decisões que exigem uma maior complexidade. Nesta reunião, o Coordenador terá que dar a assinar a Acta da reunião anterior, bem como, terá que elaborar memorandos para apoiar a elaboração dos relatórios para o Comité de Direcção. Será neste Comité que as actividades transnacionais serão planeadas, pelo que participará o Secretário Transnacional, no sentido de velar pela execução das actividades transnacionais, do ponto de vista da articulação das sinergias entre os vários intervenientes do projecto. Grupo Técnico: Será presidido pelo coordenador local de cada PDfundadora, se bem que detenha autonomia própria para o desempenho das suas funções. Para além disso, cada Grupo técnico será representado por um especialista da área de trabalho que desenvolve. Quer isto dizer, que o Grupo Técnico Conceptor e o Grupo Técnico de Formação, embora tenham uma equipa de formadores a trabalhar em conjunto, haverá uma pessoa que irá responder perante o coordenador local. O mesmo acontecerá com o Grupo SQA e o Grupo Técnico de Informática. Comité Empresarial: sob a égide da ACIAB, este Comité será composto pelos dirigentes máximos das empresas e pelos coordenadores do projecto de cada empresa, bem como por um representante dos trabalhadores de cada empresa eleito para o efeito. A CGTP também fará parte integrante deste Comité. O Comité reunir – se – á bimensalmente, podendo se reunir extraordinariamente sempre que convocado pela ACIAB, sendo, em qualquer um dos casos obrigatória a presença de todos os elementos. Quando forem realizadas as reuniões, o coordenador geral terá que comparecer no sentido de articular eficazmente os processos de decisão dos parceiros fundadores com as empresas. Quando estiver na ordem do dia as actividades transnacionais, o Secretário Transnacional também deverá estar presente. O resultado das reuniões do Comité Empresarial, terá que ser divulgado pelo coordenador geral ao Comité de Coordenação. Como já foi referido, o projecto contará com um Secretário Transnacional, o qual será a figura que integrará as actividades transnacionais na prática interna do projecto. Como tal, será a figura de referência entre a parceria transnacional, e terá autonomia própria na medida em que será o co – responsável para o cumprimento das actividades firmadas nos ACT. Nesta conformidade, actuará de perto com o coordenador geral do projecto, no sentido de garantir a plena execução das actividades. Para além disso, sempre que necessário o Secretário Transnacional convocará uma reunião com o Comité de Coordenação, principalmente quando se tratará de definir a equipa técnica para a concepção dos produtos transnacionais, ou para a monitorização das actividades. Haverá também um técnico responsável pela garantia da igualdade do género que actuará de perto com o coordenador geral, tendo que dar pareceres sobre a questão da igualdade, a partir das acções de monitorização que irá realizar periodicamente. Neste sentido, serão convocadas reuniões bimensais com os parceiros fundadores para o estabelecimento de directrizes para a garantia da igualdade de oportunidades entre mulheres e homens. 2.3 Assegurar a transparência da informação interna relativa ao projecto e à parceria, que será disponibilizada a todos os parceiros da seguinte forma ( ex. recurso às TIC...): A Epralima como entidade interlocutora do projecto, assegurará durante a Acção 2, os seguintes meios de divulgação interna do projecto, Realizar uma sessão de divulgação pública do projecto no início da execução da 2ª fase do projecto; Velar e assegurar o correcto funcionamento do organograma acima mencionado, te

Last update: 11-03-2008 dot Top


EPRALIMA - Escola Profissional do Alto Lima, Cooperativa de Interesse Público e

(EPRALIMA)
Rua Doutor Joaquim Carlos Cunha Cerqueira
-
P-4970-457-ARCOS DE VALDEVEZ Arcos de Valdevez

Tel:+351258520320
Fax:258520329
Email:jorge@epralima.pt

 
Responsibility in the DP: Co-ordination of experimental activities
Design of the project
DP managing organisation
Evaluation
Monitoring, data collection
Transnational partnership
Type of organisation:Education / training organisation
Legal status:Non-profit private organisation (including NGO...)
Size:Staff < 10
NUTS code:MINHO-LIMA
Date of joining / leaving:24-09-2004 /

Text available in

A EPRALIMA foi criada nos termos do Decreto-Lei 4/98 de 8 de Janeiro, como Cooperativa de Interesse Público e Responsabilidade Limitada. São cooperantes da EPRALIMA as Câmaras Municipais de Arcos de Valdevez e Ponte da Barca, Caixa de Crédito Agrícola Mútuo do Alto Minho, Centro Cultural Frei Agostinho da Cruz e Diogo Bernardes, a Associação Comercial e Ind. de Arcos de Valdevez e Ponte da Barca e o Grupo de Estudos do Património Arcuense. Por seu turno, a Escola Profissional do Alto Lima, no desempenho da sua actividade, está sujeita à tutela científica, pedagógica e funcional do Ministério da Educação. A cooperativa, consubstancia um projecto inter-municipal de desenvolvimento que persegue os seguintes objectivos: fixação da população jovem na área de influência da escola formação de quadros intermédios necessários ao desenvolvimento local diminuição das taxas de abandono e insucesso escolar valorização do potencial endógeno revitalização do tecido social à luz da igualdade de oportunidades Por sua vez, a Escola Profissional é pessoa colectiva de fim não lucrativo, de natureza privada e goza de autonomia administrativa, financeira e pedagógica. Segundo o Decreto – Lei nº 4/98, são objectivos da Escola: 1.Contribuir para a formação integral dos jovens, proporcionando, designadamente, a preparação adequada para um exercício profissional qualificado; 2.Desenvolver mecanismos de aproximação entre a escola e as instituições económicas, profissionais, associativas e culturais do respectivo tecido social; 3.Facultar aos formandos contactos com o mundo do trabalho e experiência profissional, preparando-os para uma adequada inserção sócio – profissional; 4.Promover, conjuntamente com outros agentes e instituições locais, a concretização de um projecto de formação de recursos humanos qualificados. Nesta conformidade, a Escola desenvolve as seguintes actividades: a)Cursos profissionais b)Cursos de Especialização Tecnológica ou Artística c)Cursos de ensino recorrente básico ou secundário com certificação profissional de nível II ou III d)Cursos de formação pós–laboral, destinados a activos que pretendam elevar o nível de qualificação profissional ou proceder a acções de reciclagem e reconversão profissional e)Programas de apoio à inserção no mercado de emprego de jovens diplomados do ensino básico e do ensino secundário regular ou profissional f)Outras acções de formação profissional, desde que contenham uma dimensão educativa adequada g)Cursos de natureza profissionalizante que conduzam à conclusão da escolaridade básica e à concessão do respectivo diploma, bem como à certificação profissional de nível II A Epralima foi designada como a Entidade Interlocutora do IQA, devido ao facto de deter capacidade técnica, financeira e humana que lhe permita gerir eficazmente o projecto, bem como, por ter sido coordenadora de todas as acções do projecto Inforadapt e acção 2-IQA, o que irá facilitar o desenvolvimento da acção 3 do projecto IQA



Contact person(s)

Name First name Phone E-mail Responsibility
Rui Manuel da Torre Vieito Rui +351258523112 ruivieito@epralima.pt Entity contact person responsable for this project

Last update: 11-03-2008 dot Top


ACIAB - Associação Comercial e Industrial de Arcos de Valdevez e Ponte da Barca

(ACIAB)
Rua General Norton de Matos, Nº10 - 1º
-
P-4970-460-ARCOS DE VALDEVEZ Arcos de Valdevez
-

Tel:+351258 521473
Fax:258 515455
Email:aciab@aciab.pt

 
Responsibility in the DP:
Type of organisation:Employers' organisation
Legal status:Non-profit private organisation (including NGO...)
Size:Staff < 10
NUTS code:MINHO-LIMA
Date of joining / leaving:28-11-2007 /

Text available in

A ACIAB – Associação Comercial e Industrial de Arcos de Valdevez e Ponte da Barca, abrange os dois concelhos de Arcos de Valdevez e Ponte da Barca, podendo o seu âmbito ser alargado a outros concelhos do mesmo distrito onde as actividades respectivas não estejam representadas por qualquer associação congénere. A ACIAB tem por missão a defesa dos legítimos interesses e direitos dos associados, seu prestígio e dignificação; Contribuir, em geral, para o harmónico desenvolvimento da economia regional e nacional e das actividades representadas em particular; Promover um espírito de solidariedade e apoio recíproco entre os seus associados, com vista à manutenção de um clima de progresso e de uma justa paz social. À ACIAB compete representar o conjunto de sócios junto das entidades publicas ou organizações profissionais dos sectores representados, nacionais ou estrangeiras, e junto das associações sindicais e da opinião publica; Colaborar com os organismos oficiais e outras entidades para a solução dos problemas económicos, sociais e fiscais dos sectores; Estudar e propor a definição de normas de acesso às actividades representadas e respectivas condições de trabalho e segurança; Propor o regular exercício das actividades representadas e protege-las contra as praticas de concorrência desleal lesivas dos seus interesses ou do seu bom nome; Estudar, em conjunto, por ramos de actividade, a constituição de cooperativas ou outras formas de associação que contribuam para a redução dos circuitos de distribuição; Integrar-se em uniões, federações e confederações com fins idênticos aos da ACIAB; Organizar todos os serviços indispensáveis à realização da sua finalidade; Apoiar os associados na criação de novas unidades empresariais, tendo em vista um correcto ordenamento económico e a defesa do ambiente; Informar correctamente os Associados sobre todas as matérias de interesse para as suas actividades empresariais, nomeadamente da evolução tecnológica e novas oportunidades de negócio no país e no estrangeiro.



Contact person(s)

Name First name Phone E-mail Responsibility
Francisco José Amaral Peixoto Araújo Francisco +351258521473 director@aciab.pt Entity contact person responsable for this project

Last update: 11-03-2008 dot Top


Escola Superior de Tecnologia e Gestão

(ESTG-IPVC)
Avenida do Atlântico - Apartado 574
-
P-4900-348-VIANA DO CASTELO Viana do Castelo
-

Tel:+351258819700
Fax:258827636
Email:geral@estg.ipvc.pt

 
Responsibility in the DP:
Type of organisation:University / Research organisation
Legal status:Public organisation
Size:Staff < 10
NUTS code:MINHO-LIMA
Date of joining / leaving:22-11-2007 /

Text available in

A ESTG, unidade orgânica do Instituto Politécnico de Viana do Castelo, existe desde 1985, tendo iniciado a sua actividade lectiva em 1989 e possuindo, de acordo com os seus estatutos, autonomia científica, pedagógica, administrativa e financeira. A organização interna da ESTG, rege-se por um modelo matricial, com a existência de quatro unidades de gestão de recursos humanos e materiais, que suportam os vários projectos da Escola (projectos de ensino, investigação e prestação de serviços), Departamento de Ciências Económicas e Empresariais, Departamento de Ciências da Engenharia e Tecnologia, Departamento de Ciências Sociais e Humanas e Departamento de Ciências Básicas e Computacionais. Existem na ESTG recursos físicos e científicos: -Laboratório de Processamento de Alimentos; -Laboratório de Tecnologias Ambientais; -Laboratório de Metalografia; -Laboratório de Ensaios Físicos; -Salas de Informática; -Salas de Multimédia; -Laboratório de Investigação em Materiais; -Laboratório de Biologia; -Laboratório de Microbiologia; -Laboratório de Química; -Laboratório de Física; -Laboratório de Análises Térmicas; -Laboratório de Electrónica; -Laboratório de Análise Sensorial; -Laboratório de Controlo da Qualidade; -Salas de CAD; -Salas de computador dos alunos e docentes; -Sala de formação recorrente; -Biblioteca. Actualmente a ESTG oferece os seguintes cursos: -Cerâmica Artística; -Design de Ambientes; -Design do Produto; -Engª Alimentar; -Engª Civil e do Ambiente; -Engª Electrónica e Redes de Computadores; -Engª Informática; -Gestão; -Gestão (nocturno); -Tecnologias de Computação Gráfica e Multimédia; -Turismo. Na área da prestação de serviços à comunidade a ESTG tem exercido uma intensa actividade, em particular na área Alimentar, possuindo em fase de Acreditação um laboratório, a Unidade de Microbiologia Aplicada, com uma carteira de clientes que abrange a indústria alimentar, consultadoria e Ministério da Saúde, tendo realizado já vários trabalhos relacionados com a segurança alimentar na restauração. A ESTG possui 2 centros de formação: Contínua e Permanente, tendo como estratégia de desenvolvimento responder às necessidades de formação profissional da administração pública e das empresas da região do Alto Minho nos diversos ramos de actividade. No âmbito da formação permanente e de actualização profissional para o sector alimentar, têm sido diversas as acções realizadas, nomeadamente: Pré-Requisitos de HACCP, Implementação do Sistema de Validação de HACCP, Auditorias de HACCP, Alimentos e Preservação, Cursos de Provas de Vinhos, Boas Práticas de Higiene Alimentar, Curso Geral de Cozinheiras. ISO 22000, NP EN ISO 17025:2005. A ESTG encontra-se ainda envolvida em vários projectos de investigação, nomeadamente na área Alimentar. Os Estatutos da ESTG conferem – lhe como missão a actividade de formação, e sendo uma entidade pública carece de ser acreditada pelo IQF para as actividades a desenvolver no projecto.



Contact person(s)

Name First name Phone E-mail Responsibility
Paulo Alexandre da Costa Fernandes Paulo +351258819700 paulof@estg.ipvc.pt Entity contact person responsable for this project

Last update: 11-03-2008 dot Top


GONÇALVES & PONTES LDA

(DNA)
Campo Transladário
-
P-4970-155-ARCOS DE VALDEVEZ Arcos de Valdevez

Tel:+351258523107
Fax:
Email:

 
Responsibility in the DP:
Type of organisation:Enterprise
Legal status:Private
Size:Staff < 10
NUTS code:MINHO-LIMA
Date of joining / leaving:30-09-2004 /

Text available in

O DNA é uma cafetaria sediada em Arcos de Valdevez. Fornece refeições ligeiras e bebidas. É uma empresa nova e tem uma localização priveligiada no concelho repartindo - se por duas cafetarias e um Bar e Discoteca.



Contact person(s)

Name First name Phone E-mail Responsibility
José Carlos Gomes Gonçalves José +351258523107 No mail submited Entity contact person responsable for this project

Last update: 11-03-2008 dot Top


PANIBARCA - PANIFICADORA DE PONTE DA BARCA LDA.

(PANIBARCA)
R.ANTÓNIO JOSÉ PEREIRA
-
P-4980-662-RUIVOS Ponte da Barca

Tel:+351258452217
Fax:
Email:

 
Responsibility in the DP:
Type of organisation:Enterprise
Legal status:Private
Size:Staff < 10
NUTS code:MINHO-LIMA
Date of joining / leaving:06-06-2005 /

Text available in

Esta empresa industrial manufactura produtos de panificação e de pastelaria. O sistema produtivo é iniciado pela preparação das matérias-primas necessárias para cumprir o plano de produção diário. Á selecção das farinhas e dos fermentos, segue-se o processo tradicional de preparação da massa que depois de passar pelo forno dá origem ao pão. O processo para o fabrico de pastelaria é idêntico, no entanto após a cozedura, existe ainda uma etapa de embelezamento e/ou acréscimo de produtos. É de referir ainda, que além da produção, existe uma pastelaria anexa, onde se realiza a venda dos produtos confeccionados, e uma rede de distribuição, constituída por três viaturas, que abrangem o concelho de Ponte da Barca e parte de Arcos de Valdevez



Contact person(s)

Name First name Phone E-mail Responsibility
Ana Cristina Soares Fernandes Bouças Ana +351258452217 anafernandesbouças@hotmail.com Entity contact person responsable for this project

Last update: 11-03-2008 dot Top


TORREFACAO ARCUENSE LDA

(BRICELTA)
Zona Industrial de Paçô, Lote 8-10
-
P-4970-249-ARCOS DE VALDEVEZ Arcos de Valdevez

Tel:+351258454659
Fax:258453944
Email:bricelta@mail.telepac.pt

 
Responsibility in the DP:
Type of organisation:Enterprise
Legal status:Private
Size:Staff < 10
NUTS code:MINHO-LIMA
Date of joining / leaving:30-09-2004 /

Text available in

A Torrefacção Arcuense é um empresa de empresa em franco crescimento a nível nacional e internacional. Esta empresa dedica - se ás seguintes actividades: a) Torrefacção e moagem de café; b) Importação e exportação de café; c) Venda directa dos produtos Bricelta; d) Transformação da matéria prima (café e Tamasco).



Contact person(s)

Name First name Phone E-mail Responsibility
António Manuel Luís Marques Campos António +351965633196 tata-tata39@hotmail.com Entity contact person responsable for this project

Last update: 11-03-2008 dot Top


UNISELF GESTÃO E EXPLORAÇÃO RESTAURANTES EMPRESAS LDA

(UNISELF)
Rua Prof. Francisco Gentil, 3
-
P-2620-097-PÓVOA DE SANTO ADRIÃO Odivelas

Tel:+351219381122
Fax:219381165
Email:geral@uniself.pt

 
Responsibility in the DP:
Type of organisation:Enterprise
Legal status:Private
Size:Staff < 10
NUTS code:GRANDE LISBOA
Date of joining / leaving:22-06-2005 /

Text available in

A Uniself é uma empresa de nivel nacional que tem como objecto social a Gesão de restaurantes públicos e privados e refeitórios de empresas e Catering. Esta empresa é certificada pelo HACCP.



Contact person(s)

Name First name Phone E-mail Responsibility
Drª Helena Margarida àvila Campos Marques Drª +351919090060 quailidadenorte@uniself.pt Entity contact person responsable for this project

Last update: 11-03-2008 dot Top


UNIÃO DOS SINDICATOS DE VIANA DO CASTELO

(-)
Rua de Aveiro, nº 211-1º - Viana do Castelo
-
P-4900-495-VIANA DO CASTELO Viana do Castelo

Tel:+351258823388
Fax:258821292
Email:USVC@NORTENET.PT

 
Responsibility in the DP:
Type of organisation:Trade Union
Legal status:Non-profit private organisation (including NGO...)
Size:Staff < 10
NUTS code:MINHO-LIMA
Date of joining / leaving:22-06-2005 /

Text available in

A CGTP-IN, organização de trabalhadores não tem outros objectivos que não sejam a defesa dos seus direitos e condições de vida e de trabalho, assumindo a defesa face a tudo o que os afecta como classe, trava as batalhas presentes com os olhos no futuro de Portugal, na construção de um país mais próspero, democrático e progressista. A CGTP-IN, reconhecendo o papel determinante da luta dos trabalhadores na prossecução dos seus objectivos programáticos, desenvolve a sua acção, visando, em especial: organizar os trabalhadores para a defesa dos seus direitos colectivos e individuais; promover, organizar e apoiar acções conducentes à satisfação das reivindicações dos trabalhadores, de acordo com a sua vontade democrática e inseridas na luta geral de todos os trabalhadores; alicerçar a solidariedade e a unidade entre todos os trabalhadores, desenvolvendo a sua consciência democrática, de classe, sindical e política; defender as liberdades democráticas, os direitos e conquistas dos trabalhadores e das suas organizações, combatendo o desfiguramento do regime democrático e reafirmando a sua fidelidade ao projecto de justiça social aberto com a revolução de Abril; desenvolver um sindicalismo de intervenção e transformação, com a participação dos trabalhadores, na luta pela sua emancipação e pela construção de uma sociedade mais justa e fraterna, sem exploração do homem pelo homem.



Contact person(s)

Name First name Phone E-mail Responsibility
Ângela Catarina Castro Cerqueira Alves Ângela +351258836898 usvc@nortenet.pt Entity contact person responsable for this project

Last update: 11-03-2008 dot Top



 
 
 
 

 
 
 
 

 
 
 
 
Warning! This section is not meant to be read directly, but rather be navigated through from the main page above.
 
 
 
 

IQA-INOVAR PARA A QUALIDADE ALIMENTAR

Rationale

Text available in

- Através das entrevistas realizadas, notou-se que o contexto organizacional presente em todas as empresas é propício à realização de mudanças em temas como a HSA, por vezes considerados secundário. A informação recolhida mostra que as empresas se encontram num ponto da sua evolução em que estas questões se tornam prioritárias, em termos de crescimento. O contexto típico encontrado foi o de empresas familiares em fase de mudança de liderança - de progenitores para descendentes - sendo que estes, tendo encontrado as empresas em situação estável, podem dedicar-se ao desenvolvimento destes temas que antes eram considerados menos prioritários. Esta situação é uma vantagem, na medida em que as mudanças comportamentais como as implicadas num processo de melhoria em HSA exigem uma forte motivação e empenho por parte dos empresários envolvidos, e ainda porque a concepção do plano de formação prevê uma participação activa destes na formação dos trabalhadores. Entre os funcionários verificou-se a existência de duas gerações e mentalidades distintas, uma delas bastante receptiva a intervenções deste tipo. Há ainda pontos fracos que podem ser transformados em oportunidades: aquela que foi considerada a maior necessidade formativa em termos estratégicos – chefia e liderança - pode tornar-se numa oportunidade, uma vez que esta necessidade será satisfeita no âmbito do projecto através da formação em coaching, transformando-se uma necessidade recorrente numa oportunidade de fornecer aos empresários uma formação em liderança que servirá para apoiar o plano de formação concebido, eventualmente com especial incidência no aspecto “pessoal manipulador de alimentos”, comportamental, dependente de uma chefia empenhada, motivada e eficaz. Verificou-se ainda uma forte equidade entre mulheres e homens envolvidos neste projecto. Embora nos cargos de direcção existam mais homens do que mulheres, esta diferença não é substancial - 8 homens e 6 mulheres. , - Através da análise do diagnóstico técnico, é possível verificar que todas as empresas envolvidas apresentam carências, por vezes graves, no cumprimento de normas e regras de HSA. Apesar da boa vontade e motivação dos empresários e funcionários envolvidos, algumas carências – nomeadamente as relacionadas com o espaço físico das empresas - exigem investimentos avultados que dificilmente serão feitos no âmbito deste projecto. Por outro lado, o nível de consciência dos empresários face à situação da sua própria empresa encontra-se ainda um pouco distante da realidade. Este dado foi constatado através da comparação das informações recolhidas nas entrevistas exploratórias - onde os empresários afirmavam que não cumpriam completamente, mas que as lacunas seriam poucas - e os resultados recolhidos através das auditorias técnicas, onde as carências detectadas foram surpreendentes para os próprios empresários. Ainda, através das entrevistas exploratórias foi possível constatar que, entre os funcionários, existem pessoas mais vocacionadas para a formação do que outras, existindo uma quebra geracional profunda entre empregados normalmente mais antigos, e os mais jovens, sendo que, entre os empregados mais antigos as mudanças poderão exigir um esforço maior por parte dos agentes do projecto e dos empresários. Por fim, relativamente a necessidades formativas detectadas, as áreas que sobressaíram, entre todas as organizações foram: chefia e liderança, dinâmica de grupos, tomada de decisão e trabalho de equipa.

dot Top


Objective

Text available in

INOVAR os processos e práticas nas micro e PME’s do ramo Alimentar em matéria da implementação dos mais altos padrões de QUALIDADE a nível da Higiene e Segurança ALIMENTAR, constituirá a bandeira deste projecto. Nesta conformidade, tendo em consideração o contributo de todos os intervenientes que compõem a PD e o respeito pela igualdade de oportunidades, o projecto pretenderá mobilizar os empresários do sector alimentar para a necessidade de alterações estruturais e organizacionais com vista à implementação da Higiene e Segurança Alimentar, através de soluções formativas personalizadas. Para a concretização desta premissa, a PD irá as seguintes actividades: PREPARAÇÃO, dos futuros formadores e conceptores dos produtos, através da formação nos seguintes domínios: 1º: Estratégia de formação a empreender no âmbito do IQA Destinatários: Formadores internos da PD que se irão responsabilizar pela elaboração do Kit pedagógico e pelo acompanhamento aos empresários quando aplicarem a formação em coaching Objectivo: Adquirir conhecimentos sobre as actividades e os produtos a elaborar durante o projecto. Nome da Acção: Formação em coaching Nº horas:40 Destinatários: Formadores internos; Empresários; PD Objectivos: Preparar os intervenientes para serem orientadores e facilitadores da formação em coaching; consciencializar sobre a importância da garantida da igualdade de oportunidades entre mulheres e homens. Nome da Acção: Formação em Jogos Pedagógicos Nº horas: 14 Destinatários: Formadores internos; PD. Objectivos: Melhorar as competências dos destinatários sobre a dinamização da formação em sala. CONCEPÇÃO, do site IQA, do Kit Pedagógico e do guião estratégico do desenvolvimento da formação. EXECUÇÃO da formação, para: Empresários, O kit pedagógico será experimentado através da formação técnica em matéria da segurança alimentar e auto controlo aos empresários, em regime presencial e em sala. A formação em contexto de trabalho será realizada em coaching e versará sobre as competências interpessoais do empresário (chefia e liderança, tomada de decisão, Teamwork, comunicação). Trabalhadores e chefias intermédias, Através formação técnica em segurança alimentar, da formação em dinâmicas de grupo e da formação em contexto de trabalho. Esta última será desenvolvida em coaching pelos empresários aos seus trabalhadores com o apoio dos formadores. Esta formação incidirá sobre o desenvolvimento de competências interpessoais e comportamentais (comunicação verbal e escrita, conflitos, cooperação, relacionamentos hierárquicos). CERTIFICAÇÃO Através da atribuição do Selo para a Qualidade Alimentar, o qual será baseado pelo cumprimento de um plano de acção ao nível da HSA.. Espera – se assim, que os resultados finais dêem lugar à sua efectiva incorporação por diversas instituições, potencializando a futura sustentabilidade do projecto para um futuro próximo.

dot Top



Logo EQUAL

Home page
DP Search
TCA Search
Help
Set Language Order
Statistics