IMPORTANT LEGAL NOTICE
 

 e-Change ascii version

Portugal

 
DP Managing organisation : INDE, Organização Cooperativa para a Intercooperação e o Desenvolvimento, CRL
Other national partners : AERLIS - Associação Empresarial da Região de Lisboa
DEPARTAMENTO DE ESTUDOS, ESTATÍSTICA E PLANEAMENTO
FUNDAÇÃO PORTUGAL TELECOM
GABINETE DE ESTRATÉGIA E PLANEAMENTO
JOCA - METALOMECANICA LDA
MODELO CONTINENTE HIPERMERCADOS, S.A.
EQUAL theme :Adaptability - Adaptation to change and NIT 
Type of DP :Sectoral - Specific discrimination and inequality problems 
DP Legal status :Association without legal form 
DP identification :PT-2004-255 
Application phase :Approved for action 2 
Selection date :26-10-2005 
Last update :11-03-2008 
Monitoring: 2005  2006   

Rationale

Text available in

- The potential of this project emerges exactly from its fragility: the need to awake citizen conscience, willing to build alternatives to growing unemployment as well as to a new work organisation paradigm. The two work formats that this project aims to experiment and develop - employers grouping and organisation of work associating paid labour, training and community activities - deserve a curious and interested attitude of both individuals and employers. This project defies social actors to gather around a reflection never before promoted in Portugal. The challenge and the questions posed by the project are echoed in the interest manifested by the institutions involved during Action 1 to participate in the project, based in a pro-active and voluntary decision. The european policy strategies as well as national policy lines are integrated in a perspective that is grounded in innovative approaches. The work developed with ten voluntaries that will test different models that articulate employment/activities will allow the identification of conclusions potentially multiplied and mainstreamed in national social policies. The employers group around shared human resources will be tested at a modest scale, as it aims to be a demonstration of its potential, afterwards multiplied by the organisations that carry the competencies to implement and develop it. The participation of State institutions, formally and informally, constitutes a strong dimension of this project. We also consider that experts’ support and follow-up throughout the development of the project will reinforce the innovative character of the project and ensure the comparative perspective on integration in reference to tested models in other countries. The participation and commitment of the enterprises involved in the national partnership constitute an added-value as the experiences that we aim to develop are naturally integrated by these actors. , - The diagnosis confirmed the hypothesis that supported the emergence of this project: the increase of the new employment formats particularly significant to people with low economic and educational capitals, thus higher vulnerability and precarity risks; the sudden changes in the labour market are not followed up by re-adjustments that enable individuals to benefit from new employment formats. The interviewees colective(around 100 individuals in different sectors - distribution, commerce, communication, etc.) and enterprises (27 enterprises) demonstrate resistances and doubts in relation to new employment formats and work organisation. The institutions with whom we meet confirmed the inexistence of adjusted frameworks that enable the articulation between sub-systems employment, training/education and community involvement. These readjustments suppose strong linkages between employment and training systems as well as the need to develop new legal frameworks that protect employees, allying flexibility and safety. Action 1 also allowed the confirmation that there is a poor reflection on workers - particularly the most vulnerable - participation and representation. These workers position contributes to introduce fragility in the structure as a collective and raises obstacles to the construction of their professional identity, a stepping stone in the secondary socialisation process. Workers unions raised reserves around the new models of work organisation, and demonstrated to face difficulty to anticipate innovative representation and mobilisation formats and structures. The mechanisms to mediate between supply and demand in the labour market - private or public - find themselves insufficiently prepared to face an evaluation and continue to propose a limited supply. Indeed today, there are no instruments or methodologies for adequate follow-up.

dot Top


Objective

Text available in

Employment for life is no longer a universal reference as far as contract formats and employment linkages are concerned.Other formats must emerge capable of reflecting the relationship between employment, training and public participation, in both social and cultural activities and conciliation between family and work responsibilities.Sharp and fast changes in the labour market are not yet followed by readjustments that enable individuals to take the positive advantages that may result from atypical employment formats.These readjustments suppose strong linkages between training and employment systems, the search for new legal solutions that protect workers from these new employment formats.These new employment formats are constituted by cycles that are experiences by the majority of workers as ruptures, which in turn contribute to their fragile positions.These readjustments suppose equally a societal reflection. Indeed, although the negative effects are particularly visible within the poorly qualified groups, with less economic and cultural capital, these new employment formats tend to become dominant.Finally, these readjustments suppose the individual capacity to anticipate, programme and manage complexity, but potentially a larger richness and possibility of contributing to make family, employment and social lives compatible.Enterprises are also confronted with a complex framework (globalisation,organisational changes), which ‘pushes’ them to reduce human resources costs. This project emerged from the double concern to react to enterprises and workers needs. Indeed, this project proposes to modestly test a methodology of employers’ organisation that enables enterprises to access to specialise workers within a flexible and entrepreneurial rationality frameworks. A path that facilitates the shift and consolidation of precarious employment into permanent employment and contribute to commit workers to an enterprise.The mediation mechanisms face difficulties in challenging the evolution of the labour market.These mechanisms propose limited offers and occasional activities. Without questioning the utility and the importance of this work, its potential impact will fall short if it is not followed by a reflection and articulation within a framework that integrates employment, training and other activities.The project aims to construct instruments that act as facilitators to this development and follow up process.The project has been widely supported by interviewed workers, enterprises and public/private institutions and proposes to explore new ways to exercise professional activities that ensure social protections, articulating them with individualised training and participation in citizen activities.Enterprises and entrepreneurs linked to sectors that demonstrate increasing importance of these new employment formats, public institutions, unions, and different civil society organisations reflect the wide range of partners gathered around the project.

dot Top


Innovation


Nature of the experimental activities to be implemented Rating
Guidance, counselling **
Training **
Training on work place *
Work placement **
Job rotation and job sharing ***
Integrated measures (pathway to integration) **
Improvement of employment services, Recruitment structures *
Conception for training programs, certification **
Anticipation of technical changes *
Work organisation, improvement of access to work places **
Guidance and social services **

Type of innovation Rating
Process-oriented ****
Goal-oriented ****
Context oriented ****

dot Top


Budget Action 2

250 000 – 500 000 €

dot Top


Beneficiaries


Assistance to persons 
Unemployed  0.0%  0.0% 
Employed  53.3%  46.7% 
Others (without status, social beneficiaries...)  0.0%  0.0% 
  100.0% 
 
Migrants, ethnic minorities, …  7.5%  4.4% 
Asylum seekers  0.0%  0.0% 
Population not migrant and not asylum seeker  45.9%  42.2% 
  100.0%
 
Physical Impairment  0.0%  0.0% 
Mental Impairment  0.0%  0.0% 
Mental Illness  0.0%  0.0% 
Population not suffering from a disability  53.3%  46.7% 
  100.0% 
 
Substance abusers 0.0%  0.0% 
Homeless  0.0%  0.0% 
(Ex-)prisoners  0.0%  0.0% 
Other discriminated (religion, sexual orientation)  0.0%  0.0% 
Without such specific discriminations  53.3%  46.7% 
  100.0% 
 
< 25 year  2.2%  1.5% 
25 - 50 year  40.0%  34.8% 
> 50 year  11.1%  10.4% 
   100.0% 

Assistance to structures and systems and accompanying measures Rating
Gender discrimination **
Age *
Low qualification **
Racial discrimination *
Unemployment **

dot Top


Empowerment

 

 With beneficiaries

Participation
Promoting individual empowerment
Developing collective responsibility and capacity for action
Participation in the project design
Participation in running and evaluating activities
Changing attitudes and behavior of key actors

 

 Between national partners

N.C.

dot Top


Transnationality

 

 Linguistic skills

  • português

 Percentage of the budget for transnational activities

  • 0.1%

 Transnational Co-operation Partnerships

Transnational Co-operation Agreement DPs involved
4095 Work Quality and CSR IT IT-S2-MDL-002
PL 70
4460 European Network for Empowering Human and Social Capital FR COR-2004-42207
IT IT-G2-PUG-029
SK 49

dot Top


Background

 

N.C.

dot Top


National Partners


Partner To be contacted for
INDE, Organização Cooperativa para a Intercooperação e o Desenvolvimento, CRL Co-ordination of experimental activities
Design of the project
DP managing organisation
Evaluation
Monitoring, data collection
Transnational partnership
AERLIS - Associação Empresarial da Região de Lisboa
DEPARTAMENTO DE ESTUDOS, ESTATÍSTICA E PLANEAMENTO
FUNDAÇÃO PORTUGAL TELECOM
GABINETE DE ESTRATÉGIA E PLANEAMENTO
JOCA - METALOMECANICA LDA
MODELO CONTINENTE HIPERMERCADOS, S.A.

dot Top


Agreement Summary

Text available in

Resumo do Acordo de PD Os parceiros acordam: 1. Objectivos comuns 1.1 Desenvolver em conjunto o projecto acima referenciado, cujo diagnóstico, objectivos, actividades, resultados e processo de avaliação, e plano de financiamento se descrevem no formulário de candidatura à acção 2. 2. Estruturas e processo de funcionamento da Parceria 2.1 Criar à partida as seguintes estruturas de gestão e funcionamento: O projecto compreenderá um núcleo de gestão e desenvolvimento que corresponde à PD, e que reflecte uma preocupação mais operacional de garantir a natureza dinâmica, integradora e reflexiva do projecto. Este colectivo assume a responsabilidade pela gestão financeira e técnica, acompanhamento, monitoria do percurso e dinâmica do projecto, profundamente articulado com as responsabilidades que cada parceiros assume em cada uma das actividades.Concebemos ainda, um Conselho de Acompanhamento que integrará actores relevantes, associados ao projecto informalmente nas questões suscitadas pelo projecto, tratam-se de estruturas com competências distintas que imprimirão amplitude ao debate para que este projecto procura contribuir e permitirão a articulação com os contornos do desenho das políticas sociais e educativas/formativas. Pretendemos que este espaço integre também colaboradores que se encontrem no mercado de trabalho, num formato de emprego atípico.O Conselho de Acompanhamento -de natureza e âmbito flexível, ajustada à reflexão e às intervenções - reúne periodicamente para reflectir sobre o percurso, monitorizar o projecto e, apresentar propostas para o aprofundamento das problemáticas e aperfeiçoamento dos instrumentos/metodologias desenvolvidas.A dinâmica e organização interna deste Conselho será definida pelo colectivo de dinamização, constituído pela PD e por cerca de quatro a cinco actores relevantes (um colaborador, uma empresa, CGTP, IEFP, DGFV são exemplos).Este processo será também claramente beneficiado pela associação de investigadores com provas demonstradas de contributos científicos nestes domínios, nacionais e estrangeiros.Procura-se com a participação destes investigadores garantir que o projecto e.Change beneficie das experiências e saberes acumulados, em torno das problemáticas centrais do projecto, em outros pontos da Europa.Com este espaço garante-se a participação dos diferentes actores, individuais e colectivos, que intervêm ao longo do projecto. 2.2 Implementar o seguinte processo de tomada decisão (destacar nomeadamente processos de dos parceiros, mecanismos que promovam a igualdade de género, etc.): A parceria do projecto e-Change concebeu o processo de tomada de decisão como fundado num processo de empowerment, reflexivo, dinâmico e capaz de estimular a qualificação das pessoas – técnicos, trabalhadores, empresários, responsáveis de estruturas e instituições – e das organizações envolvidas no projecto conferindo sentido às acções, intervenções e propostas que vão emergindo ao longo do projecto, bem como reconhecimento, legitimidade e poder nos processo de negociação e decisão. É neste quadro que se propõe a constituição de um Conselho de Acompanhamento do projecto, que permitirá uma capitalização das aprendizagens, confrontação, e questionamento dos actores/agentes e instituições envolvidos, perspectivados num processo de aprendizagem mútua que estimulará o desmembramento de uma problemática complexa, o seu posicionamento na reflexão mais lata da geografia das políticas sociais, educativas/formativas e, porque não, económicas. Envolvendo actores individuais e colectivos – trabalhadores, empresários, instituições públicas, etc. – este espaço de reflexão, multi-dimensional e participativo, contribuirá directamente para o percurso, propostas e desafios do projecto para além de permitir que testar metodologias de empowerment dos diferentes actores. Compreendemos este Conselho numa lógica de trabalho continuado com actores sectoriais, com trabalhadores e empresários, num quadro de diálogo e de aprendizagem mútua, em paralelo com um esforço de qualificação quer individual (num quadro de desafio das perspectivas mais tradicionais sobre a sequencialidade de percurso educacional e profissionais, de aprendizagem, de aquisição de novas competências de intervenção e relação, de reconhecimento de trajectórias profissionais construída a partir de modelos mais flexíveis e dinâmicos reflectindo as novas configurações do mercado de trabalho), quer colectivo (de apoio à estruturação dos serviços de mediação, de aquisição de novas competências nesta área, de apoio de novos formatos de organização e gestão de recursos humanos) procurando em parte, contribuir para a qualidade no trabalho, capaz de aumentar confiança, qualificação e auto-estima dos trabalhadores e configurando novas relações de trabalho fundadas na ética, no respeito e da parceria que garantam qualidade e produtividade na óptica dos empresários. No seio da PD e, do Conselho de Acompanhamento as decisões serão tomadas por maioria e, procurar-se-á mais do que garantir a participação das mulheres em paridade, contribuir para tornar visível as circunstâncias específicas das mulheres no mercado de trabalho e no quotidiano familiar, dando voz às suas preocupações e constrangimentos. Neste sentido, um parte importante do trabalho desenvolvido reflectirá não só a preocupação com a participação, mas também a construção de espaços e de momentos que permitam a participação ampla e continuada das mulheres no percurso do projecto O projecto está assente numa lógica de co-responsabilidade e co-produção assumida no seio da PD, pretende-se assim articular a dimensão das responsabilidades de cada um dos actores com as dimensões contínuas da partilha, de negociação e, de reflexão colectivos. Pretende-se não estabelecer uma fronteira fixa entre PD e Conselho, antes articular e garantir participação de todos os actores envolvidos no projecto no desenvolvimento do projecto e dos produtos, de uma forma contínua, dinâmica e reflexiva. Serão convidadas a integrar o Conselho de Acompanhamento entidades públicas e parceiros sociais que não estão representadas formalmente na PD do projecto E.Change, mas que consideramos serem importantes para o sua progressão e sustentabilidade, algumas delas tendo já exprimido o seu desejo de acompanharem o projecto como parceiros informais (DGFV). 2.3 Assegurar a transparência da informação interna relativa ao projecto e à parceria, que será disponibilizada a todos os parceiros da seguinte forma ( ex. recurso às TIC...): A preocupação com a transparência e a circulação de informação entre os parceiros foi evidente nesta parceria no decurso da Acção 1, reflexo em parte do envolvimento dos parceiros e da distância geográfica. A PD compreende a transparência como horizontal aos processos de gestão, funcionamento e desenvolvimento do projecto, pelo o que exige o desenvolvimento de suportes/instrumentos que permitam agilizar os processos de informação e comunicação, quer interna, quer externa. Para além da regularidade de encontro entre os parceiros, afigura-se como central um trabalho contínuo, reflexivo e participado, fundado em lógicas de empowerment e partilha com os trabalhadores, empresários, técnicos e instituições. Concebemos a produção dos materiais, os processos de reflexão, e as dinâmicas de desenvolvimento da intervenção fundada num princípio de co-acompanhamento. As TIC através principalmente via e-mail, com envio e troca de informações actualizadas e a produção de uma newsletter electrónica com uma edição regular serão instrumentos facilitadores da transparência e da partilha da informação. Os sites dos parceiros serão recursos importantes a utilizar pela PD para difundir informações relativas ao projecto, sensibilizar os actores-chave (quer individuais quer colectivos) e acolher os seus contributos, perspectivas, comentários. Os sites de cada um dos parceiros permitirão visualizar o projecto, permitindo simultan

Last update: 11-03-2008 dot Top


INDE, Organização Cooperativa para a Intercooperação e o Desenvolvimento, CRL

(INDE)
Av. Frei Miguel Contreiras, 54 - 3º
-
P-1700-213-LISBOA Lisboa

Tel:+351218435870
Fax:218435871
Email:inde@inde.pt

 
Responsibility in the DP: Co-ordination of experimental activities
Design of the project
DP managing organisation
Evaluation
Monitoring, data collection
Transnational partnership
Type of organisation:Other
Legal status:Non-profit private organisation (including NGO...)
Size:Staff < 10
NUTS code:GRANDE LISBOA
Date of joining / leaving:23-09-2004 /

Text available in

A INDE tem c/o objecto intervir c/ as pessoas, comunidades, instituições e/ou associações na erradicação da pobreza, da exclusão social, da injustiça, pela garantia de direitos fundamentais à democracia, à educação, ao trabalho, à cultura, à influência nas transformações sociais, i.e., à participação nas diferentes esferas de actividade e no exercício da cidadania activa. Para atingir objectivos, desenvolvemos uma estratégia articulada assente na realização de projectos de desenvolvimento local, urbano e rural, em Portugal, UE, em P.D., no combate à exclusão social e discriminação, na promoção da igualdade oportunidades, incentivo à participação, promoção direitos humanos, associativismo, incentivo ao diálogo institucional/civil, criação e animação de redes ( investigação, de DL), de estudos de viabilidade técnica, social e económica, de planeamento e gestão de projectos, concepção e de difusão de métodos de DL e na concepção de material informativo/ pedagógico.



Contact person(s)

Name First name Phone E-mail Responsibility
Cristina Cavaco Cristina +351218435870 ccavaco@inde.pt Entity contact person responsable for this project

Last update: 11-03-2008 dot Top


AERLIS - Associação Empresarial da Região de Lisboa

(AERLIS)
Rua S. Salvador da Baía, Ed. Aerlis, Pq Poetas
-
P-2780-017-OEIRAS Oeiras
-

Tel:+351210105000
Fax:210105001
Email:aerlisoeiras@aerlis.pt

 
Responsibility in the DP:
Type of organisation:Employers' organisation
Legal status:Non-profit private organisation (including NGO...)
Size:Staff < 10
NUTS code:GRANDE LISBOA
Date of joining / leaving:06-11-2007 /

Text available in

AERLIS é uma associação Empresarial sem fins lucrativos, de utilidade pública e com âmbito distrital. A Associação foi criada em 12 de Fevereiro de 1992. A AERLIS tem por fim promover o desenvolvimento das actividades económicas do Distrito de Lisboa nos domínios técnico, económico, comercial, associativo e outros e assegurar aos seus associados uma crescente participação nas decisões e nos programas que com essas actividades se relacionem. A Missão da AERLIS traduz-se desta forma na prestação de serviços de elevada qualidade às empresas de Lisboa, tornando-as mais competitivas nos mercados em que operam, para além da representação dos seus associados e defesa dos seus interesses.



Contact person(s)

Name First name Phone E-mail Responsibility
Ana Rita Ferreira Ana +351210105000 a.rita@aerlis.pt Entity contact person responsable for this project

Last update: 11-03-2008 dot Top


DEPARTAMENTO DE ESTUDOS, ESTATÍSTICA E PLANEAMENTO

(DGEEP)
RUA CASTILHO, Nº 24 - 2º
-
P-1250-069-LISBOA Lisboa

Tel:+351213114900
Fax:213114949
Email:depp@depp.msst.gov.pt

 
Responsibility in the DP:
Type of organisation:Other
Legal status:Public organisation
Size:Staff < 10
NUTS code:GRANDE LISBOA
Date of joining / leaving:06-06-2005 /

Text available in

O Gabinete de Estratégia e Planeamento (GEP) é um serviço central da administração directa do Estado integrado na estrutura organizativa do Ministério do Trabalho e da Solidariedade Social (MTSS), dotado de autonomia administrativa, que assumiu as atribuições, direitos e obrigações que legalmente se encontravam cometidas à Direcção-Geral de Estudos, Estatística e Planeamento (DGEEP), ao Gabinete para os Assuntos Europeus e Relações Internacionais (GAERI), ao Gabinete para a Cooperação (GC). Ao GEP compete garantir o apoio técnico ao planeamento estratégico e operacional e à formulação de políticas internas e internacionais do Ministério do Trabalho e da Solidariedade Social. O GEP tem por missão garantir o apoio técnico à formulação de políticas e ao planeamento estratégico e operacional, em articulação com a programação financeira, assegurar, directamente ou sob sua coordenação, as relações internacionais e a cooperação com países de língua oficial portuguesa, e acompanhar e avaliar a execução de políticas, dos instrumentos de planeamento e os resultados dos sistemas de organização e gestão, em articulação com os demais serviços do Ministério do Trabalho e da Solidariedade Social (MTSS). Podemos ainda destacar o papel do GEP em termos de coordenação da informação científica e técnica do MTSS, assim como em termos de difusão da documentação e informação científica e técnica e no exercício da respectiva função editorial.



Contact person(s)

Name First name Phone E-mail Responsibility
Antonieta Ministro Antonieta +35121310 87 antonieta.ministro@dgeep.mtss.gov.pt Entity contact person responsable for this project

Last update: 11-03-2008 dot Top


FUNDAÇÃO PORTUGAL TELECOM

(FUNDAÇÃO PT)
Av. Fontes Pereira de Melo, nº 40, 5º
-
P-1069-300-LISBOA Lisboa
-

Tel:+351215001150
Fax:215001055
Email:teresa.m.beirao@telecom.pt

 
Responsibility in the DP:
Type of organisation:Other
Legal status:Non-profit private organisation (including NGO...)
Size:Staff < 10
NUTS code:GRANDE LISBOA
Date of joining / leaving:09-11-2007 /

Text available in

A Fundação Portugal Telecom é uma instituição de direito privado, instituída sem qualquer fim lucrativo, que tem por objecto exprimir e concretizar o compromisso de intervenção social e apoio ao desenvolvimento por parte do Grupo Portugal Telecom, promovendo e apoiando, em Portugal e no resto do Mundo onde o Grupo opera, e em particular nos países de expressão portuguesa, programas de acção, iniciativas e actividades que visem ou favoreçam os avanços da Sociedade de Informação, os usos sociais dos meios e tecnologias de comunicação e informação, designadamente para a promoção da educação e formação tecnológica e cultural e do combate à info-exclusão nas suas diferentes vertentes, bem como as que promovam a inovação e o desenvolvimento na promoção da saúde, da cultura e do desporto, e outras, directamente ou em parceria com outras entidades que visem fins idênticos e, em particular, aquelas em que o Grupo detenha participações. Relativamente à promoção da Sociedade de Informação, os programas de acção da Fundação assumirão como eixos fundamentais a oferta de condições especiais de acesso aos respectivos meios e serviços, a promoção de acções estruturais para a modernização da interface entre os clientes e os serviços de utilidade pública, o estímulo do desenvolvimento de competências, aplicações e conteúdos, bem como o apoio directo ao cumprimento dos objectivos nacionais. Na prossecução do seu objecto, deve a gestão da Fundação ser orientada por critérios de equidade, racionalidade e de adequada aplicação e aproveitamento dos meios e bens pertença ou colocados à disposição da Fundação, atenta a natureza dos seus meios e fins.



Contact person(s)

Name First name Phone E-mail Responsibility
Clara Cidade Lains Clara +351213194964 clara.cidade.lains@telecom.pt Entity contact person responsable for this project

Last update: 11-03-2008 dot Top


GABINETE DE ESTRATÉGIA E PLANEAMENTO

(GEP)
RUA CASTILHO, Nº 24 - 2º
-
P-1250-069-LISBOA Lisboa
-

Tel:+351213114900
Fax:213114949
Email:gep@gep.mtss.gov.pt

 
Responsibility in the DP:
Type of organisation:Public authority (national, regional, local)
Legal status:Public organisation
Size:Staff < 10
NUTS code:GRANDE LISBOA
Date of joining / leaving:05-11-2007 /

Text available in

O Gabinete de Estratégia e Planeamento (GEP) é um serviço central da administração directa do Estado integrado na estrutura organizativa do Ministério do Trabalho e da Solidariedade Social (MTSS), dotado de autonomia administrativa, que assumiu as atribuições, direitos e obrigações que legalmente se encontravam cometidas à Direcção-Geral de Estudos, Estatística e Planeamento (DGEEP), ao Gabinete para os Assuntos Europeus e Relações Internacionais (GAERI), ao Gabinete para a Cooperação (GC). Ao GEP compete garantir o apoio técnico ao planeamento estratégico e operacional e à formulação de políticas internas e internacionais do Ministério do Trabalho e da Solidariedade Social. O GEP tem por missão garantir o apoio técnico à formulação de políticas e ao planeamento estratégico e operacional, em articulação com a programação financeira, assegurar, directamente ou sob sua coordenação, as relações internacionais e a cooperação com países de língua oficial portuguesa, e acompanhar e avaliar a execução de políticas, dos instrumentos de planeamento e os resultados dos sistemas de organização e gestão, em articulação com os demais serviços do Ministério do Trabalho e da Solidariedade Social (MTSS). Podemos ainda destacar o papel do GEP em termos de coordenação da informação científica e técnica do MTSS, assim como em termos de difusão da documentação e informação científica e técnica e no exercício da respectiva função editorial.



Contact person(s)

Name First name Phone E-mail Responsibility
Antonieta Ministro Antonieta +351213114981 Antonieta.Ministro@gep.mtss.gov.pt Entity contact person responsable for this project

Last update: 11-03-2008 dot Top


JOCA - METALOMECANICA LDA

(JOCA)
RUA FRANCISCO SOUSA TAVARES, EDIFICIO JOCA
-
P-2685-333-PRIOR VELHO Loures

Tel:+351219405360
Fax:219415964
Email:joca.lda@joca.pt

 
Responsibility in the DP:
Type of organisation:Enterprise
Legal status:Private
Size:Staff < 10
NUTS code:GRANDE LISBOA
Date of joining / leaving:23-09-2004 /

Text available in

A JOCA - metalomecânica, lda. fundada em Lisboa em 1953, é uma empresa com uma actividade intensa na metalomecânica vocacionada para a reparação, recuperação e manutenção de equipamentos e empresas, além do fabrico de equipamento para elevação de cargas e para energias alternativas. Como empresa de reparação, recuperação e manutenção de equipamentos industriais, ao longo de cinquenta anos, a JOCA conquistou uma grande projecção entre as empresas congéneres implementadas no país. As suas principais áreas de intervenção situam-se na: recuperação mecânica, recuperação de motores, soldaduras, tratamentos térmicos convencionais, têmpera por indução e equilibragem dinâmica, produção de máquinas e equipamentos seriados, carroçamento de viaturas especiais, fabrico e montagem. Com uma forte preocupação pela inovação e diversificação de serviços e produtos, a JOCA dispõe de um gabinete de técnicos e profissionais qualificados que garantem o desenvolvimento e execução de projectos especiais para médios e grandes eventos. Dispõe ainda de um Gabinete de Controlo de Qualidade e de técnicos devidamente qualificados para executar todos os trabalhos inerentes a esta área, designadamente para controlo dimensional, ensaios não destrutivos, alinhamentos e assentamentos de máquinas, recepção de equipamentos. Tendo como preocupação o desenvolvimento das competências técnicas dos profissionais, a JOCA dispõe de um Centro de Formação Profissional e através de protocolos especiais com entidades oficiais, colabora na formação profissional dos seus técnicos.



Contact person(s)

Name First name Phone E-mail Responsibility
António Ferreira de Carvalho António +351219405360 ant.fer.carvalho@joca.pt Entity contact person responsable for this project

Last update: 11-03-2008 dot Top


MODELO CONTINENTE HIPERMERCADOS, S.A.

(MCH)
RUA JOÃO MENDONÇA, 505
-
P-4450-000-(Desconhecida) Matosinhos
-

Tel:+351229561500
Fax:229561488
Email:

 
Responsibility in the DP:
Type of organisation:Enterprise
Legal status:Private
Size:Staff < 10
NUTS code:GRANDE PORTO
Date of joining / leaving:06-11-2007 /

Text available in

A Modelo Continente é a sub-holding do Grupo Sonae para a área do retalho. A 31 de Dezembro de 2006, para o conjunto de todas as suas insígnias a Modelo Continente detinha em funcionamento 480 lojas, apresentou um volume de vendas de 3.091 milhões de euros, contando com 25255 colaboradores. A Modelo Continente é o principal operador no mercado de retalho português, sendo líder no mercado de base alimentar e uma referência nos mercados de base não alimentar onde actua. Ao longo dos últimos anos, a empresa tem vindo a dar corpo a uma estratégia de geração de valor assente na conjugação de elevados ritmos de crescimento com um forte investimento na proposta de valor de cada uma das suas insígnias, suportando-se na motivação e qualidade dos seus colaboradores e no estabelecimento de parcerias sustentadas com os seus fornecedores. A Modelo Continente perfila-se assim como uma referência nos mercados em que actua, permitindo o acesso a uma oferta diversificada e de qualidade e assumindo-se como um importante pólo de desenvolvimento, competitividade e modernidade nas regiões onde está presente.



Contact person(s)

Name First name Phone E-mail Responsibility
Ana Cristina Dias Fonseca Ana +351220116226 acfonseca@modelocontinente.pt Entity contact person responsable for this project

Last update: 11-03-2008 dot Top



 
 
 
 

 
 
 
 

 
 
 
 
Warning! This section is not meant to be read directly, but rather be navigated through from the main page above.
 
 
 
 

E-CHANGE

Rationale

Text available in

- O E.Change pretende experimentar novos modelos de actividade e contractualização.A maior potencialidade do projecto reside precisamente na sua dificuldade: o despertar de uma consciência “cidadã” para alternativas a um desemprego crescente e os desafios que coloca um novo paradigma de organização do trabalho.As 2 figuras que o projecto pretende testar – a partilha do tempo de trabalho, associando uma actividade remunerada, formação profissional e o exercício de outras actividades e o agrupamento de empregadores mereceram uma atitude curiosa e interessada quer das pessoas individualmente, quer dos empresários face a uma reflexão que nunca tinha sido empreendida.Esta atitude encontra eco na abertura das instituições auscultadas, pelo desafio que coloca o projecto e as suas questões, tendo-se assumido da parte da maioria destas empresas e instituições do Estado uma atitude pró-activa e voluntária de participação.As orientações comunitárias e as linhas directrizes das políticas nacionais inscrevem-se também numa perspectiva que defende abordagens inovadoras.O trabalho desenvolvido com os voluntários que irão “testar“ diferentes modelos que articulam emprego/formação/actividade permitirá aferir pistas e conclusões que poderão ser desmultiplicadas, e inscritas no mainstreaming das políticas sociais.O modelo do AE testado a uma escala modesta pretende ser demonstrativo e assumido e desmultiplicado pelas entidades pertinentes para o desenvolverem.A participação de instituições do Estado formal e informalmente constitui um ponto forte do projecto.As perspectivas de apoio e acompanhamento de peritos nesta matéria trarão mais valias para o projecto e assegurarão a integração de uma perspectiva comparativa em relação a modelos experimentados noutros países europeus.A participação e o empenhamento das empresas integradas na parceria do projecto E.Change constituem outra mais valia fundamental dado que a experimentação encontra um espaço natural no quadro destas entidades. , - O diagnóstico veio confirmar as hipóteses de partida do projecto: o aumento do fenómeno de novas formas de emprego, associado, em populações com menores capitais económicos escolares, a maiores riscos de vulnerabilidade e precariedade; estas mudanças aceleradas dos mercados de trabalho não se acompanharam ainda de reajustamentos que permitam tirar vantagens positivas das novas formas de emprego. Quer o painel de entrevistados (cerca de 200 pessoas nos sectores da grande distribuição, comunicações, limpezas, pequeno comércio), quer o painel das empresas (27 empresas) apresentam reticências e dúvidas em relação a novos figurinos de emprego e organização do trabalho. As instituições com quem reunimos (IEFP, DGFV, MSTT) confirmam também a ausência de quadros ajustados que permitam uma articulação flexível e fluída entre sub-sistemas de formação, emprego e educação. Estes reajustamentos supõem ligações mais fortes entre sistemas de formação e emprego, bem como a procura de novas soluções jurídicas que protejam os trabalhadores, num quadro que alie flexibilidade e segurança. Confirma-se também a incipiente reflexão e propostas sobre formas de participação e representação dos trabalhadores mais vulneráveis, que contribuem para fragilizar a sua posição enquanto colectivo e dificultam a construção de uma identidade profissional, etapa fundamental num processo de socialização secundária. Identificou-se igualmente da parte dos sindicatos auscultados uma atitude de reserva em relação a novos modelos de organização do trabalho, bem como alguma dificuldade em perspectivar formas inovadoras de representação e de mobilização dos trabalhadores. Os dispositivos de mediação entre oferta e procura de emprego, quer públicos, quer privados, encontram-se ainda insuficientemente preparados para enfrentar esta evolução e continuam a propor uma oferta limitada e avulsa de actividades, não existindo actualmente nem instrumentos, nem metodologias de acompanhamento adaptados.

dot Top


Objective

Text available in

O emprego para a vida já não funciona como a referência universal de contratação e de vínculo laboral; outras formas de relação entre trabalho, formação, e participação na vida pública, em actividades sociais e culturais, bem como de conciliação com a vida familiar deverão ser reflectidas. As mudanças aceleradas dos mercados de trabalho não se acompanharam ainda de reajustamentos que permitam tirar vantagens positivas destas novas formas de emprego. Estes reajustamentos supõem ligações mais fortes entre sistemas de formação e emprego, a procura de novas soluções jurídicas que protejam os trabalhadores face a estes figurinos de emprego compostos por ciclos que são vividos maioritariamente como rupturas e que fragilizam as posições dos trabalhadores. Supõem igualmente uma reflexão da sociedade sobre si própria, porque embora os efeitos negativos se façam sentir entre os grupos menos qualificados e com menor capital económico e cultural, este novos modelos de emprego progressivamente poderão ser tendencialmente dominantes. Finalmente, supõem também a capacidade individual de antecipar, programar e gerir a complexidade, mas potencialmente uma maior riqueza e possibilidade de compatibilização entre vida familiar, actividade profissional e exercício de uma vida social activa. As empresas por outro lado também se encontram confrontadas com um quadro complexo (internacionalização, mudanças tecnológicas, organizacionais) e têm como objectivo entre outros reduzir os seus custos de pessoal. Com a dupla preocupação de responder às necessidades das empresas e dos trabalhadores, propomo-nos testar uma forma embrionária de agrupamentos de empregadores que permitirá o acesso das empresas a trabalhadores especializados num quadro de uma maior flexibilidade e racionalidade empresarial, mas permitindo simultaneamente transformar e consolidar empregos precários em empregos permanentes e favorecer a fidelização destes trabalhadores. Os dispositivos de mediação, encontram dificuldades em enfrentar esta evolução e tendem a propor uma oferta limitada e avulso de actividades. Não questionando a utilidade e a importância deste trabalho, o seu impacto será menor se não for acompanhado de uma reflexão, preparação e articulação num quadro de efectiva programação entre emprego, formação e exercício de outras actividades. O e.Change propõe-se construir instrumentos que facilitem este acompanhamento. Encontrando uma enorme abertura junto dos trabalhadores entrevistados, nas empresas e nas instituições públicas e privadas o projecto propõe-se explorar novas formas de exercício de actividade profissional, que garantam protecções sociais, articulando-as com formação à medida e com exercício de actividades cidadãs. São parceiros nacionais e transnacionais do projecto empresas e empresários de sectores onde estas novas formas de emprego têm uma importância crescente, instituições públicas, sindicatos e diferentes organizações da sociedade civil.

dot Top



Logo EQUAL

Home page
DP Search
TCA Search
Help
Set Language Order
Statistics