IMPORTANT LEGAL NOTICE
 

 ser pme responsável ascii version

Portugal

 
DP Managing organisation : CENTRO TECNOLÓGICO CERÂMICA E VIDRO
Other national partners : APCER - Associação Portuguesa de Certificação
CENTRO DE ESTUDOS SOCIAIS
CERAGES INVESTIMENTOS - Produtos Utilitarios em Gres e Comercio de Bens Imobilia
CIVEC - Centro de Formação Profissional da Indústria de Vestuário e Confecção
EMPRESA DAS CALDAS DA SAUDE S.A.
GRASIL - CONFECÇÕES, S.A.
IEBA Centro de Iniciativas Empresariais Beira Aguieira
INSTITUTO DE APOIO ÀS PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS E AO INVESTIMENTO
MEDIA OBJECTS AND GADGETS SOLUÇÕES DE SOFTWARE E HARDWARE S A
MICROPLÁSTICOS, S.A.
PRIMUS MGV - Promoção e Desenvolvimento Regional, SA
Sandra Lopes - Consultoria, Unipessoal, Lda
EQUAL theme :Adaptability - Adaptation to change and NIT 
Type of DP :Sectoral - Industrial 
DP Legal status :Association without legal form 
DP identification :PT-2004-241 
Application phase :Approved for action 2 
Selection date :14-10-2005 
Last update :11-03-2008 
Monitoring: 2005  2006   

Rationale

Text available in

- The elaboration of the diagnosis of necessities, thus as the documentary analysis and the consultation the sites, had allowed to identify points forts and to put in perspective chances in the area of the social responsibility of the SME in Portugal. At the European level, verifies a movement in lathe of the thematic one that it allows a bigger sensitization, as well as more generalized and deeper knowledge of the social responsibility. In a general way, the SME already have implemented some practical of social responsibility, although not to recognize them as such. This situation allows harnessing the recognition and the formalization of the practical ones. Therefore, the formalization harnesses the adoption of a term of office culture responsible. The existence of a high number of certified SME in the areas of the quality, of the environment and the hygiene and security it denotes the opening of the companies to the innovation and the change. Such fact allows putting in perspective an opening of the SME for the adoption of practical of social responsibility conducive to the certification. Most of the SME already has incorporated practical environmentally responsible. To point out the fact of these exist in proportional number to the one of the dimension of the company. Relatively to the formation, the majority of the SME declares to make use of formation plans that contemplate all the workers, as well as the behavioural and technique areas. This situation is consequence of the legal impositions that are in force, but also it denotes already a change of mentality of the organization and the individuals that compose it. In generality, the SME recognize benefits of the constitution of partnerships, identifying concrete more values of the adoption of this new form of work. Thus being, the companies are motivated by integrating the development partnership, constituting this a basic factor for the good execution of scheme., - In a general way, the fact of the portuguese government not to have politics that stimulate the adoption of practical of social responsibility it leads to not the adoption of these on the part of the SME, in the measure where they do not exist state benefits nor rewards. At the level of the equality of opportunities, it is verified permanence of discriminatory attitudes based, essentially, in the sex and in nationality of the individuals. To relate that the discrimination based on the sex is not recognized as such for the SME (46,1%). Thus being, they declare not to adopt practical discriminatory and that the predominance of women in the ranks of work less qualified results to offers existing in the market to play definitive functions in definitive sectors of activity. Most of the PME does not provide to the workers a balance between the professional life and the familiar life (34,3%). Moreover, they do not identify to the necessity and the benefits of the adoption of practical in this substance (25,5%). In the SME, although exist communication structures, this is not established between all the collaborators, but between command. Then, formal processes of information exchange exist, of that the meeting is example, between commands of the organization. This rigid structure completely taken root in the culture of the company constitutes a threat, in the measure where the process of taking of decisions is made without tribute of all the collaborators. The majority of the SME declares not to dialogue with the local community (55%). To add that also they do not stimulate the workers to participate in the activities of the community (50%). Thus being, the SME limit its participation in the community to the sponsorship. Such situation constitutes a threat, therefore the SME are not moving for the benefits to participate actively in the development of the community where they are inserted.

dot Top


Objective

Text available in

“Ser PME Responsável” is a project which pretends to promote the adoption and increasing of Social Responsibility practices in PME’s. So, it pretends to increase and check, among a group of PMEs, a suitable intervention methodology which involving groups of people and organizations, will lead to a structured change concerning administration practices, reinforcing a Social Responsible Culture among PME’s. As such, we pretend to act in areas like local work, business market, community and environment, by motivating enterprises to so actual and sensitive subjects such as equality of opportunities, empowerment and innovation. As a result of the investigation/action witch we’ll be developed near PMEs it will be conceived a methodology guide which is aimed to instigate the interaction feeling and the skills complementarities among all supporters pretending the incorporation and spreading of social responsible practices. Concerning the project, we also pretend to improve a specific Social Responsibility tool for integration in the Portuguese Benchmarking Index – PBI. - consolidating in such a way the Social Responsibility as one of the most important areas concerning the comparing performance evaluation among enterprises. In the course of the project, it will be settled the Practices Community, pretending to deepen and disseminate Social Responsible concepts and competences through the sharing of experiences and interaction among all partners and other intervenients. So far we will contribute for the settling down of Social Responsibility practices in PME’s Culture, improving in such a way their competitive positioning in business market and society. It will also be conceived instruments and mass media products about Social Responsibility and its impact among PMEs by promoting the spreading of those enterprises, which will be distinguished by the implementation of social responsibility innovating practices.

dot Top


Innovation


Nature of the experimental activities to be implemented Rating
Guidance, counselling **
Training **
Training on work place **
Training of teachers, trainers and staff *
Conception for training programs, certification **
Work organisation, improvement of access to work places **
Guidance and social services *
Awareness raising, information, publicity **
Studies and analysis of discrimination features **

Type of innovation Rating
Process-oriented ****
Goal-oriented **
Context oriented **

dot Top


Budget Action 2

500 000 – 1 000 000 €

dot Top


Beneficiaries


Assistance to persons 
Unemployed  0.0%  0.0% 
Employed  66.9%  33.0% 
Others (without status, social beneficiaries...)  0.1%  0.0% 
  100.0% 
 
Migrants, ethnic minorities, …  0.0%  0.0% 
Asylum seekers  0.0%  0.0% 
Population not migrant and not asylum seeker  67.0%  33.0% 
  100.0%
 
Physical Impairment  0.5%  0.1% 
Mental Impairment  0.1%  0.0% 
Mental Illness  0.0%  0.0% 
Population not suffering from a disability  66.4%  32.9% 
  100.0% 
 
Substance abusers 0.0%  0.0% 
Homeless  0.0%  0.0% 
(Ex-)prisoners  0.0%  0.0% 
Other discriminated (religion, sexual orientation)  0.0%  0.0% 
Without such specific discriminations  67.0%  33.0% 
  100.0% 
 
< 25 year  6.9%  4.5% 
25 - 50 year  53.5%  24.1% 
> 50 year  6.6%  4.4% 
   100.0% 

Assistance to structures and systems and accompanying measures Rating
Sexual Orientation *
Gender discrimination **
Disabilities *
Age *
Low qualification **
Racial discrimination **
Religion or belief *

dot Top


Empowerment

 

 With beneficiaries

Participation
Promoting individual empowerment
Developing collective responsibility and capacity for action
Participation in running and evaluating activities
Changing attitudes and behavior of key actors

 

 Between national partners

N.C.

dot Top


Transnationality

 

 Linguistic skills

  • português

 Percentage of the budget for transnational activities

  • 0.2%

 Transnational Co-operation Partnerships

Transnational Co-operation Agreement DPs involved
4043 ADAPTARE ES ES20040487
IT IT-G2-PIE-020

dot Top


Background

 

N.C.

dot Top


National Partners


Partner To be contacted for
CENTRO TECNOLÓGICO CERÂMICA E VIDRO Co-ordination of experimental activities
Design of the project
DP managing organisation
Evaluation
Monitoring, data collection
Transnational partnership
APCER - Associação Portuguesa de Certificação
CENTRO DE ESTUDOS SOCIAIS
CERAGES INVESTIMENTOS - Produtos Utilitarios em Gres e Comercio de Bens Imobilia
CIVEC - Centro de Formação Profissional da Indústria de Vestuário e Confecção
EMPRESA DAS CALDAS DA SAUDE S.A.
GRASIL - CONFECÇÕES, S.A.
IEBA Centro de Iniciativas Empresariais Beira Aguieira
INSTITUTO DE APOIO ÀS PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS E AO INVESTIMENTO
MEDIA OBJECTS AND GADGETS SOLUÇÕES DE SOFTWARE E HARDWARE S A
MICROPLÁSTICOS, S.A.
PRIMUS MGV - Promoção e Desenvolvimento Regional, SA
Sandra Lopes - Consultoria, Unipessoal, Lda

dot Top


Agreement Summary

Text available in

Resumo do Acordo de PD Os parceiros acordam: 1. Objectivos comuns 1.1 Desenvolver em conjunto o projecto acima referenciado, cujo diagnóstico, objectivos, actividades, resultados e processo de avaliação, e plano de financiamento se descrevem no formulário de candidatura à acção 2. 2. Estruturas e processo de funcionamento da Parceria 2.1 Criar à partida as seguintes estruturas de gestão e funcionamento: Estrutura de gestão e funcionamento: As equipas técnicas são formadas pelos técnicos indigitados pelo representante da entidade, que irão desenvolver as actividades de acordo com o cronograma proposto e aprovado pela parceria. A coordenação das actividades e sub actividades do projecto será liderada pelo parceiro indicado para o efeito, sendo este responsável pela coordenação e acompanhamento do desenvolvimento das acções, cuja informação deverá ser remetida ao coordenador global do projecto, CTCV, entidade interlocutora. Circuitos Financeiros: 1.Os fluxos financeiros do projecto serão desenrolados à medida que as verbas forem disponibilizadas pela entidade financiadora, o que pressupõe que as entidades tenham autonomia financeira para desenvolver o projecto; as transferências bancárias serão feitas para os parceiros (para o NIB por estes indicado) de acordo com a despesa (paga) elegível para o projecto e cumprindo com os procedimentos fixados pela entidade interlocutora para a apresentação de despesas. 2.No caso de incumprimento no desenvolvimento das actividades e/ou dos procedimentos instituídos pela entidade interlocutora, o parceiro envolvido não poderá exigir a transferência de verbas para reembolso de despesas ao abrigo do projecto. 2.2 Implementar o seguinte processo de tomada decisão (destacar nomeadamente processos de dos parceiros, mecanismos que promovam a igualdade de género, etc.): Os parceiros abaixo assinados acordam: - Desenvolver em conjunto o Projecto referenciado, cujos objectivos, actividades, resultados e processo de avaliação se descrevem no formulário de candidatura; - Afectar ao projecto os recursos técnicos e humanos necessários ao bom desenvolvimento das actividades; - Participar nas reuniões de parceria e desenvolver esforços para o sucesso conjunto do projecto; - Participar no processo de acompanhamento e avaliação; - Enviar ao parceiro coordenador toda a informação que este julgue necessária para organizar o processo técnico-pedagógico e financeiro do projecto, de acordo com a legislação em vigor e de acordo com as recomendações das entidades gestoras (EQUAL e IGFSE); - Consultar e conhecer toda a informação e legislação em vigor sobre a iniciativa EQUAL e o FSE. Processo de tomada de decisão: Cada entidade parceira nomeia um coordenador interno do Projecto que será, por inerência, o representante da entidade na parceria, com direito a voto (1 entidade = 1 voto). O processo de tomada de decisão é acordado da seguinte forma: 1. Para questões de gestão corrente do Projecto, a decisão pode ser tomada pela entidade interlocutora/coordenadora global do projecto; 2. Para alterações ao proposto em candidatura, quer em relação às actividades, quer em relação às equipas, quer em relação à coordenação de actividades, as decisões serão tomadas em reunião de parceria. Nestes casos, as decisões serão tomadas por maioria, sendo que, no caso de empate, o representante da entidade interlocutora tem voto de qualidade. 3. As revisões ao APD - Acordo de Parceria de Desenvolvimento, serão sempre colocadas como “adenda” do APD e referenciadas pelo número de revisão (rev1, rev2, etc.). Qualquer parceiro pode propor revisões do APD, que deverão ser analisadas e votadas por maioria em reunião de Coordenação. Se as revisões a propor conduzirem ou puderem inviabilizar o projecto ou coloquem em causa os procedimentos instituídos pela legislação e guias de utilizador, o representante da entidade interlocutora poderá vetar essas propostas de revisão. 2.3 Assegurar a transparência da informação interna relativa ao projecto e à parceria, que será disponibilizada a todos os parceiros da seguinte forma ( ex. recurso às TIC...): O processo de informação e comunicação dentro da parceria será feito da seguinte forma: -Em reuniões de coordenação e/ou de equipa técnica; -Para assuntos correntes será utilizado preferencialmente o e-mail ou, em alternativa, o fax para informação recebida por escrito. 2.4 Assegurar que a difusão pública dos resultados do projecto, finais ou provisórios, só será efectuada após anuência do(s) parceiro(s) envolvido(s) na sua concepção. 3. Recursos técnicos 3.1 Assegurar estabilidade nos recursos técnicos afectos ao projecto. 4. Ajustamento da parceria 4.1 Proceder ao ajustamento da parceria, à saída ou entrada de novos parceiros, ou eventual revisão deste Acordo, nomeadamente se a avaliação do projecto o indicar como necessário.

Last update: 11-03-2008 dot Top


CENTRO TECNOLÓGICO CERÂMICA E VIDRO

(CTCV)
Rua Coronel Veiga Simão
-
P-3020-053-COIMBRA Coimbra

Tel:+351239499200
Fax:239499204
Email:-

 
Responsibility in the DP: Co-ordination of experimental activities
Design of the project
DP managing organisation
Evaluation
Monitoring, data collection
Transnational partnership
Type of organisation:Other
Legal status:Non-profit private organisation (including NGO...)
Size:Staff < 10
NUTS code:BAIXO MONDEGO
Date of joining / leaving:20-09-2004 /

Text available in

Identificação: O Centro Tecnológico da Cerâmica e do Vidro (CTCV) tem a sua sede em Coimbra, na Rua Coronel Júlio Veiga Simão, tendo iniciado a sua existência legal em 1987 após a publicação do seu Acordo Constitutivo no Diário da República n.º 48, II Série, 87.02.26. Os documentos legais que suportam a estrutura e funcionamento do Centro são o decreto-lei n.º 312/95 de 24 de Novembro e os seus Estatutos publicados no Diário da República n.º 101, II Série de 98.05.02, segundo os quais o CTCV é uma pessoa colectiva de utilidade pública, sem fins lucrativos, dispondo de personalidade jurídica e de autonomia técnica, administrativa e financeira, com património próprio. Historial: O CTCV é uma instituição criada para o apoio técnico e a promoção tecnológica das indústrias nacionais da cerâmica, vidro e sectores afins e complementares. Dotado de autonomia técnica, administrativa e financeira, dispõe de património próprio, de carácter associativo maioritariamente privado, constituído pelas Associações Industriais dos sectores, Empresas e Organismos dependentes do Ministério da Economia. O CTCV tem Protocolos de Cooperação com várias Universidades, Laboratórios Públicos e outras organizações nacionais e estrangeiras. Missão: Acompanhar a indústria na sua (r)evolução tecnológica, assumir um papel pro-activo na dinamização da tecnologia e inovação como alavanca da competitividade das empresas e na promoção de uma nova cultura empresarial, que permite, em última análise, valorizar a actividade de sectores tradicionais, sustentar um ambiente propício à modernização empresarial e desenvolvimento tecnológico, e promovendo, deste modo, condições de que permitam robustecer a capacidade da indústria nacional na perspectiva da sua competitividade internacional. Campos de Actividade do CTCV: Consideram-se de relevância as seguintes áreas de actividade: ensaios e análises a matérias primas, produtos em curso de fabricação, produtos finais e subprodutos; concepção e desenvolvimento de produtos informáticos inovadores no âmbito da engenharia industrial; investigação, desenvolvimento e inovação (I+D+i) industrialmente orientada para o progresso tecnológico das indústrias de minerais não metálicos; transferência de tecnologia; assistência técnica; formação técnica e tecnológica especializada de pessoal relacionado com os sectores abrangidos pelo CTCV e em áreas horizontais como sejam a ambiental, a saúde e segurança no trabalho, sistemas de informação e gestão do conhecimento; e auditoria, inspecção e avaliação. O CTCV está acreditado pelo INOFOR como entidade formadora, para os domínios de intervenção: Diagnóstico e Necessidades de Formação, Planeamento, Concepção (incluindo a validação específica para formação a distância), Organização/Promoção incluindo a validação específica para formação a distância), Desenvolvimento/Execução incluindo a validação específica para formação a distância), Acompanhamento e Avaliação.



Contact person(s)

Name First name Phone E-mail Responsibility
Regina Santos Regina +351239499200 regina@ctcv.pt Entity contact person responsable for this project

Last update: 11-03-2008 dot Top


APCER - Associação Portuguesa de Certificação

(APCER)
Rua Júlio Dinis, 67 - 4º
-
P-4050-320-PORTO Porto

Tel:+351226079980
Fax:226079989
Email:info@apcer.pt

 
Responsibility in the DP:
Type of organisation:Other
Legal status:Non-profit private organisation (including NGO...)
Size:Staff < 10
NUTS code:GRANDE PORTO
Date of joining / leaving:21-06-2005 /

Text available in

Fundada em Abril de 1996, a APCER continua a reforçar a liderança da actividade de certificação em Portugal, contando com 26 associados, entre os quais a AEP, a AIP e o IAPMEI. Desde o ano da sua constituição, a APCER já emitiu mais de 3000 certificados de sistemas de gestão. A missão da APCER é prestar aos seus clientes, quer sejam entidades públicas ou privadas, serviços de certificação que representem para estes, confiança e valor acrescentado, que se traduzem por uma efectiva vantagem competitiva. A credibilidade da APCER é reconhecida por vários organismos de acreditação. A APCER é Acreditada como Organismo de Certificação para Sistemas de Gestão da Qualidade, pelo IPAC (Instituto Português de Acreditação) e pela ENAC (Entidad Nacional de Acreditación). Na área do Ambiente a APCER encontra-se Acreditada como Organismo de Verificação Ambiental pelo IPAC e Acreditada para Sistemas de Gestão Ambiental, pelo IPAC e pela ENAC. A APCER é ainda, organismo notificado, pela Comissão Europeia, para a avaliação da conformidade segundo a “Directiva Elevadores” e a Directiva “Produtos de Construção”. A APCER é a única entidade nacional acreditada pelo IPAC e pela ENAC para a Certificação de Pessoas (Auditores Coordenadores da Qualidade e Auditores da Qualidade). Os certificados atribuídos pela APCER são reconhecidos internacionalmente, fruto da sua integração na IQNet – The International Certification Network, a maior rede internacional de organismos certificadores, com mais de 10 mil auditores e 38 parceiros em todo o mundo. A IQNet está acreditada por mais de 40 organismos de acreditação e já emitiu mais de 200 mil certificados em todo o mundo. Esta valiosa parceria internacional faz com que as empresas certificadas pela APCER obtenham, gratuitamente, um certificado adicional IQNet, que assegura o reconhecimento internacional da sua certificação. A APCER está habilitada a prestar uma gama variada de serviços, desde a certificação de Sistemas de Gestão da Qualidade e Gestão da Qualidade com Requisitos Específicos (sector automóvel, dispositivos médicos); Certificação de Sistemas de Gestão do Ambiente e Verificação EMAS; Certificação de Sistemas de Gestão da Segurança e Saúde no Trabalho (OHSAS 18001/NP 4397); Certificação HACCP (DS 3027E/Codex Alimentarius) – Segurança Alimentar; Certificação de Processos de Negócio Electrónico (QWeb); Auditorias SQAS – Safety and Quality Assessment, especialmente vocacionado para o sector de transportes; Marcação CE: elevadores e produtos da construção; Sistema de Avaliação IQNet 9004; Acções de formação em parceria com Associados APCER. Disponibiliza ainda, a Certificação de Sistemas de Gestão da Responsabilidade Social, Certificação de Sistemas de Gestão Florestal Sustentável e Certificação de Auditores da Qualidade, Ambiente e HACCP para os Graus Auditor Coordenador, Auditor e Auditor Interno e a Certificação de Auditores Internos OHSAS.



Contact person(s)

Name First name Phone E-mail Responsibility
Gabriela Maria Frade Rodrigues Lopes Gabriela +351229993600 gabriela.lopes@apcer.pt Entity contact person responsable for this project

Last update: 11-03-2008 dot Top


CENTRO DE ESTUDOS SOCIAIS

(CES)
Pr. D. Dinis - Colégio S. Jerónimo
-
P-3000-401-COIMBRA Coimbra

Tel:+351239855570
Fax:239855589
Email:ces@ces.uc.pt

 
Responsibility in the DP:
Type of organisation:University / Research organisation
Legal status:Non-profit private organisation (including NGO...)
Size:Staff < 10
NUTS code:BAIXO MONDEGO
Date of joining / leaving:15-06-2005 /

Text available in

O Centro de Estudos Sociais (CES) é uma instituição científica vocacionada para a investigação na área das ciências sociais. Fundado em 1978, por um grupo de professores da Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra. Entre o seu corpo de investigação encontram-se sociólogas/os, juristas, investigadoras/es da área da literatura e da cultura, economistas, antropólogas/os, geógrafas/os, assistentes sociais, investigadoras/es em educação e médicas/os. O CES tem conhecido uma assinalável expansão da sua actividade científica, o que é observável no alargamento do quadro de investigação, na sua progressão académica, na multiplicação dos projectos de investigação em que está envolvido, no alargamento das redes de cooperação internacional, nas actividades de cooperação com o meio exterior e na vitalidade dos seus principais instrumentos de divulgação científica. O CES viu, em 1997 e 1999, os seus méritos científicos reconhecidos ao ser classificado de Excelente por um júri internacional, no âmbito do Processo de Avaliação de Unidades de Investigação do Ministério da Ciência e da Tecnologia. Em 2002, foi-lhe atribuído o estatuto de Laboratório Associado do Ministério da Ciência e da Tecnologia. Em 2005, foi considerado um “centro modelo”, quer a nível científico quer organizacional, no âmbito do Processo de Acompanhamento dos Laboratórios Associados. O CES, que em 2005 duplicou as suas instalações, conta com salas de formação e com um centro de documentação e biblioteca com sala de leitura de acesso directo, dotado de mais de 7.000 monografias e 12.000 exemplares de 820 periódicos. Através da sua página na internet, também presta serviços de pesquisa bibliográfica à comunidade (http://www.ces.uc.pt). O envolvimento de investigadora/es em questões relacionadas com a iniciativa da sociedade civil organizada tem vindo a intensificar-se, estando algumas/ns activamente envolvidas/os na Pós-Graduação “Gerir Projectos em Parceria”, da Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra em convénio com o Gabinete de Gestão da EQUAL (coord. Virgínia Ferreira). O CES tem também participado em projectos da Iniciativa Comunitária Equal. Entre 2002 e 2004, foi responsável pela avaliação externa do “Agir para a Igualdade” (coord. Virgínia Ferreira) e membro da parceria alargada do “In Extremis” (coord. Pedro Hespanha)



Contact person(s)

Name First name Phone E-mail Responsibility
Virgínia do Carmo Ferreira Virgínia +351239855557 virginia@fe.uc.pt Entity contact person responsable for this project

Last update: 11-03-2008 dot Top


CERAGES INVESTIMENTOS - Produtos Utilitarios em Gres e Comercio de Bens Imobilia

(-)
Parque Industrial Manuel lourenço Ferreira - Mortágua
-
P-3450-232-MORTÁGUA Mortágua

Tel:+351231920173
Fax:231920180
Email:sistemas@cerages.com

 
Responsibility in the DP:
Type of organisation:Enterprise
Legal status:Private
Size:Staff < 10
NUTS code:DAO-LAFOES
Date of joining / leaving:06-12-2006 /

Text available in

A Cerages Investimentos, S.A., foi fundada em Novembro 2004, adquirindo em Março de 2005 a instalação fabril situada em Mortágua, na zona centro de Portugal. A Cerages Investimentos ocupa uma área coberta de cerca de 15.000m2, e em termos de recursos humanos, conta com a colaboração de aproximadamente 137 colaboradores. A empresa dedica-se à produção de louça de mesa e forno em grés, com capacidade de produção de 500.000 peças por mês, conseguida através de fornos contínuos. Os produtos Cerages são fundamentalmente destinados à exportação (95% da produção), tendo na sua carteira clientes prestigiantes, tais como, ARC International/Pyrex (França & UK), Asda (UK), Michael Fisher (Alemanha) e Matalan (UK). A Empresa possui um laboratório de qualidade, onde são efectuados ensaios de controlo na recepção, ao longo da produção e sobre o produto final, garantindo, deste modo, a qualidade do produto fabricado. A fidelização de clientes de relevânica no mercado internacional comprova o compromisso e determinação da empresa em manter níveis de excelência nas várias vertentes do negócio, integrando as preocupações com a qualidade do produto e serviço aos clientes, a protecção do meio ambiente, o desenvolvimento dos recursos humanos, e o salvaguarda do bem estar de todos os colaboradores da Cerages Investimentos.



Contact person(s)

Name First name Phone E-mail Responsibility
Natalina Maria Pinheiro de Almeida e Silva Natalina +351231920173 sistemas@cerages.com Entity contact person responsable for this project

Last update: 11-03-2008 dot Top


CIVEC - Centro de Formação Profissional da Indústria de Vestuário e Confecção

(CIVEC)
Rua Professor Reinaldo dos Santos, Lote 1510
-
P-1500-505-LISBOA Lisboa

Tel:+351217713100
Fax:217713120
Email:lisboa.sede@civec.pt

 
Responsibility in the DP:
Type of organisation:Education / training organisation
Legal status:Non-profit private organisation (including NGO...)
Size:Staff < 10
NUTS code:GRANDE LISBOA
Date of joining / leaving:23-09-2004 /

Text available in

Considerando a importância da indústria do vestuário para a economia nacional, foi criado o CIVEC em 1987, através de um protocolo entre o IEFP (Instituto do Emprego e Formação Profissional) e a APIV – (Associação Portuguesa dos Industriais do Vestuário) – Portaria nº 444/87 de 27 de Maio, na continuação das actividades desenvolvidas pelo Centro de Formação Profissional da indústria do Vestuário do Sul, criado em 1981. O CIVEC é um organismo dotado de personalidade jurídica de direito público, sem fins lucrativos, com autonomia administrativa e financeira e património próprio. Áreas de intervenção: Formação Inicial com certificação profissional e escolar; Qualificação Inicial; Formação Profissional Contínua (Formação de Activos); Formação Profissional para Desempregados; Formação de Formadores. O CIVEC, preocupado em garantir, cada vez mais, a qualidade dos seus serviços de formação, elemento crucial para o sucesso e desenvolvimento da sua actividade, implementou todas as funções decorrentes do Sistema de Gestão e Garantia da Qualidade, descrito na NORMA EN ISO 9001. A APCER – Associação Portuguesa de Certificação reconhece o CIVEC (Sede), em Agosto 2001, como entidade certificada no Sistema de Garantia da Qualidade, implementado em conformidade com a NORMA EN ISO 9001. MISSÃO Promover actividades de formação profissional para valorização dos recursos humanos, prestação de serviços e apoio técnico a entidades, no âmbito do sector do vestuário e confecção. Desenvolver paralelismo pedagógico nos seus cursos de qualificação. Criar novos serviços e oportunidades de formação numa perspectiva de antecipação de necessidades VISÃO O CIVEC visa proporcionar novas ofertas de formação e serviços, numa perspectiva de antecipação de necessidades, alargar os seus serviços a novos mercados e ser conhecido como uma entidade de referência na sua área de actividade.



Contact person(s)

Name First name Phone E-mail Responsibility
Aurélio José da Costa Cabral Amaral Aurélio +35127533079 aurelioamaral@mail.telepac.pt Entity contact person responsable for this project

Last update: 11-03-2008 dot Top


EMPRESA DAS CALDAS DA SAUDE S.A.

(TERMAS DAS CALDAS DA SAÚDE)
CALDAS DA SAÚDE
-
P-4780-000-(Desconhecida) Santo Tirso

Tel:+351252861763
Fax:252861764
Email:

 
Responsibility in the DP:
Type of organisation:Enterprise
Legal status:Private
Size:Staff < 10
NUTS code:AVE
Date of joining / leaving:15-06-2005 /

Text available in

A EMPRESA DAS CALDAS DA SAÚDE S.A. está ligada à concessão de um aquífero, mais propriamente de uma captação de água termal. As primeiras referências às suas águas são do séc. X. Contudo, o primeiro balneário digno desse nome, foi construído em 1891, e ampliado em 1905, pelo Dr. Arnaldo Baptista Coelho. Em 1915, a empresa foi adquirida por Albino Sousa Cruz, que providenciou uma remodelação do balneário, a construção do Hotel e outras infra estruturas típicas de uma estância termal. Nessas obras foram encontrados objectos romanos que demonstraram uma ocupação anterior à até aí conhecida. As crises pós anos 30 e a degradação do balneário culminou com o seu encerramento em 1987. Iniciou a empresa, que entretanto estava já na posse da Província Portuguesa da Companhia de Jesus, esforços com vista a uma remodelação que viria a concluir-se em 1994. Em Maio de 1994, as Termas das Caldas da Saúde reabriram, remodeladas com padrões de qualidade ao nível do melhor da Europa, colocando à disposição dos aquistas produtos e conceitos inovadores em matéria de termalismo. Designadamente a associação num mesmo espaço de produtos destinados ao termalismo clássico e outros voltados para quem procura a manutenção e o lazer como garante de um boa estado de saúde, o funcionamento durante todo o ano, o regime de horários alargados e a própria atenção dada à formação e fixação dos recursos humanos. Termas e Manutenção todo o ano... Tem dois produtos fundamentais: As termas que representam 70% da actividade, graças às indicações terapêuticas das águas: Doenças das Vias Respiratórias: Infecções crónicas ou recidivantes das vias respiratórias: anginas, otites, sinusites, rinofaringites, bronquites, asmas, bronquites crónicas. Doenças Músculo-Esqueléticas. Artrose. Nevralgias. Tendinites,. Reumatismos inflamatórios, sequelas de traumatismos (fracturas.) E a manutenção, num conceito designado por Clube de Saúde, com uma procura complementar da actividade termal propriamente dita, destinada a quem dá privilégio ao exercício físico como mais valia e não apenas uma necessidade, feito regularmente e sob supervisão de profissionais especializados, incluindo médicos. A oferta é diversificada, e os sócios do clube de saúde têm à sua disposição serviços como: Piscina, Jacuzzi, Emanatório, Banho Turco, Sauna, Cardio Fitness, Musculação, Ginástica de Manutenção, Circuito de Manutenção Exterior, Ténis, Aerolocal, Pump, Ginástica Localizada, Ginásio, Gimno Desportivo, entre outros. 10 anos depois da última remodelação a actividade amadureceu e consolidou-se num patamar de qualidade que continua de referência. Isso o atestam também os milhares que renovadamente nos procuram quer para a cura das suas maleitas quer para a manutenção do seu bom estado físico.



Contact person(s)

Name First name Phone E-mail Responsibility
Fernando Adosindo Loureiro Ferreira Fernando +351252861763 termas@caldas-da-saude.pt Entity contact person responsable for this project

Last update: 11-03-2008 dot Top


GRASIL - CONFECÇÕES, S.A.

(GRASIL)
CRUZAMENTO DE MAÇAINHAS
-
P-6250-076-BELMONTE Belmonte

Tel:+351275910120
Fax:275910129
Email:

 
Responsibility in the DP:
Type of organisation:Enterprise
Legal status:Private
Size:Staff < 10
NUTS code:COVA DA BEIRA
Date of joining / leaving:14-06-2005 /

Text available in

A Grasil é uma empresa privada sob a forma júridica de Sociedade Anónima. Em Fevereiro de 1989 foi adquirida por três sócios tendo na altura o Capital Social de 29.927.87€. No decorrer de 1995, já apenas com 2 sócios, a empresa foi transformada em Sociedade Anónima, sendo o seu capital social assim distribuído: Dr. Silvestre Alves Pinto – 114.723,51€ Dr. Manuel Antunes Ferreira – 114.723,51€ Outros – 19 951,91€ Historial: À data da sua aquisição o parque de máquinas encontrava-se obsoleto, as instalações fabris degradadas e os índices de produtividade da empresa eram muito baixos. A história dos primeiros anos resume-se a uma reestruturação global apoiada essencialmente em investimentos de substituição, numa primeira fase, e de aquisição de equipamentos de maior automatismo e melhoria de instalações numa fase posterior. Até meados de 1992 a Grasil tende a vocacionar-se exclusivamente para produtos em forma de prestação de serviços, sendo o Mercado Externo o principal destino de vendas. Após 1992, a Grasil começou gradualmente a confeccionar e comercializar produtos de colecção própria sendo estes a actual estratégia da empresa. Desde o inicio de laboração, para além dos referidos investimentos a empresa procedeu a uma alteração profunda do lay-out, melhoria das condições de trabalho, fornecendo sempre que possível, formação aos seus trabalhadores. Missão: A Grasil reparte a sua actividade entre o desenvolvimento, confecção e comercialização da sua colecção própria e a prestação de serviços de confecção para marcas de renome internacional. Durante os últimos 6 anos a Grasil tem vindo a implantar-se e a ocupar um lugar de destaque no Mercado Europeu. Este facto, deve-se essencialmente à qualidade dos materiais utilizados na confecção das peças, à alta tecnologia utilizada e aos rigorosos controlos de qualidade implantados durante todo o processo produtivo. A colecção própria caracteriza-se pelo desenvolvimento constante de novos modelos quer a nível clássico quer a nível mais jovem, visando um segmento de mercado de qualidade médio/alto. Esta, divide-se em três grupos de produtos: fatos, casacos e calças, que são comercializados através das marcas: Montini Uomo, Marco Vanetto, Grasil Uomo, Jaques Moret e Belmont. Na Grasil a qualidade é entendida como uma ferramenta estratégica no reforço da sua estrutura organizacional e consequentemente na melhoria da sua própria competitividade. A estratégia de crescimento comercial e de desenvolvimento coincide com a comercialização de produtos de marca própria com venda directa ao retalho, visando o controlo dos canais de distribuição. Nesse sentido, tem vindo a reforçar as suas redes de distribuição aumentando o número de vendedores, tanto no Mercado Nacional, como no Mercado Espanhol. Estratégia comercial semelhante, está a ser prosseguida noutros mercados, como forma de aumentar as vendas de produtos de marca própria.



Contact person(s)

Name First name Phone E-mail Responsibility
Silvestre Alves Pinto Silvestre +351275910120 administracao@grasil-confeccoes.com Entity contact person responsable for this project

Last update: 11-03-2008 dot Top


IEBA Centro de Iniciativas Empresariais Beira Aguieira

(IEBA)
Parque Industrial Manuel Lourenço Ferreira, Lote 12 - Apartado 38
-
P-3450-232-MORTÁGUA Mortágua
-

Tel:+351231927470
Fax:231927472
Email:ieba@ieba.org.pt

 
Responsibility in the DP:
Type of organisation:Other
Legal status:Non-profit private organisation (including NGO...)
Size:Staff < 10
NUTS code:DAO-LAFOES
Date of joining / leaving:04-12-2007 /

Text available in

Missão O IEBA visa contribuir para o desenvolvimento do seu território de intervenção (prioritariamente o concelho de Mortágua e todo território interior entre Aveiro, Coimbra e Viseu), através de apoio e serviços técnicos para a promoção das actividades económicas, culturais e sociais, dos recursos humanos, do ensino e formação profissional, das empresas e outras organizações. Gabinete de Formação e Emprego: realiza intervenções formativas e promove o emprego Actividades em Curso • Acreditado pelo INOFOR para realizar intervenções formativas nos seguintes domínios: concepção, organização e promoção, desenvolvimento e execução • Acompanhamento e avaliação de intervenções formativa • Animação de uma bolsa de emprego regional • Aconselhamento, orientação profissional e procura activa de emprego • Plano Anual de Formação – POEFDS (Entidade Formadora) Gabinete de Programas e Desenvolvimento: concebe, coordena, executa e participa em projectos de desenvolvimento local e de formação no âmbito de programas nacionais e europeus Últimos projectos mais relevantes • C3 Consultoria para o 3º Sector/Acção 3 – IC EQUAL (entidade interlocutora) • EDP Entrepeneurship for Disadvantaged People – Programa Leonardo da Vinci (parceiro) • SLIDE eLearning et Dévelopment: Initiatives Locales Solides – Iniciativa eLEARNING (entidade contratante) • SER OU NÃO SER IGUAL (Eis a Questão!) Igualdade de Oportunidades entre Homens e Mulheres no Concelho de Mortágua - POEFDS Medida 4431 (Promotor) • ECOTURISM Places and Tradition – IC INTERREG III C (Consultor) • ADMNITRON Administração Electrónica i e II – IC INTERREG III B Sudoe (Parceiro) • Rede Social do Concelho de Mortágua • NYMPHEA – Aisbl • Ser PME Responsável/Acção 2 - IC EQUAL (Parceiro) • D3 Digitalizar o 3º Sector/Acção 2 - IC EQUAL (Parceiro) Gabinete de Serviços a Empresas: presta serviços técnicos especializados ao tecido empresarial e a outras organizações Principais Actividades: • Programa Formação PME: intervenção em 22 empresas em 2006 • Informação e elaboração de candidaturas a apoios ao investimento, à criação de emprego e apoio à contratação • Estudos de viabilidade de investimentos, análise de balanços, de quotas sociais e de imóveis • Estudos e análises de mercado; estudos para saneamento, com prospecção de investidores • Apoio e aconselhamento ao investimento externo • Internacionalização de empresas, missões comerciais e de parcerias empresariais • NÚCLEO EMPREENDEDOR DO IEBA - Leader +/Adices



Contact person(s)

Name First name Phone E-mail Responsibility
Carla Alexandra Pereira Duarte Carla +351231927470 gpd@ieba.org.pt Entity contact person responsable for this project

Last update: 11-03-2008 dot Top


INSTITUTO DE APOIO ÀS PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS E AO INVESTIMENTO

(IAPMEI)
RUA RODRIGO DA FONSECA, Nº 73
-
P-1200-063-LISBOA Lisboa
-

Tel:+351213836000
Fax:213836214
Email:

 
Responsibility in the DP:
Type of organisation:Public authority (national, regional, local)
Legal status:Public organisation
Size:Staff < 10
NUTS code:GRANDE LISBOA
Date of joining / leaving:28-11-2007 /

Text available in

Instituto público dotado de autonomia administrativa e financeira e de património próprio, sujeito à tutela e superintendência do Ministério da Economia e Inovação há 30 anos ao serviço das empresas nacionais, assumindo o papel de agente de políticas públicas, responsável por os domínios de actuação relativos aos segmentos das micro, pequenas e médias empresas, promovendo e executando políticas de apoio ao desenvolvimento empresarial e contribuindo para a modernização e inovação dos sectores da indústria, comércio e serviços, com excepção do turismo. Áreas de intervenção: No âmbito da realização do seu objecto estatutário cabe-nos: - Colaborar no estudo, definição e promoção da execução de medidas de política e medidas de apoio para as pequenas e médias empresas; - Assegurar o funcionamento dos sistemas de incentivos, nos termos da legislação em vigor; - Assegurar a análise, tramitação e acompanhamento dos projectos de investimento que não sejam da competência da API; - Prestar apoio técnico e financeiro às micro, pequenas e médias empresas, com excepção das do sector do turismo; - Cooperar com outras entidades, públicas ou privadas, bem como participar em institutos, sociedades, associações ou outras entidades que possam contribuir para o desenvolvimento económico; - Apoiar a criação de novas empresas, o fortalecimento, modernização e aumento da competitividade das existentes e a cooperação entre elas; - Colaborar no estudo e definição de medidas de natureza financeira e de apoio às estruturas empresariais. - Prestar os apoios financeiros nas condições e para os fins fixados em lei ou em despacho do Ministério das Actividades Económicas e Inovação, podendo estes assumir, designadamente, uma ou mais das seguintes formas: - Comparticipações financeiras directas; - Empréstimos, nomeadamente em regime de co-financiamento com entidades do sector financeiro; - Subscrição de obrigações e de fundos consignados; - Bonificação de juros



Contact person(s)

Name First name Phone E-mail Responsibility
Helena Duarte Helena +351213836015 Helena Duarte@iapmei.pt Entity contact person responsable for this project

Last update: 11-03-2008 dot Top


MEDIA OBJECTS AND GADGETS SOLUÇÕES DE SOFTWARE E HARDWARE S A

(-)
RUA ENGº FREDERICO ULRICH, Nº 2650
-
P-4470-605-MAIA Maia

Tel:+35122 9408224
Fax:22 9408201
Email:

 
Responsibility in the DP:
Type of organisation:Enterprise
Legal status:Private
Size:Staff < 10
NUTS code:GRANDE PORTO
Date of joining / leaving:06-12-2006 /

Text available in

A empresa foi constituída em 17 de Dezembro de 2002 sob a forma de sociedade anónima e com a designação de Media Objects and Gadgets – Soluções de Software e Hardware, S.A:. O seu CAE é o 72200 consistindo o seu objecto social no desenvolvimento, produção e comercialização de software; e consultoria e gestão tecnológica, nomeadamente na área de informática e área da difusão. Apesar da sua constituição ter ocorrido em 2002 a empresa só iniciou a sua actividade em 7 de Janeiro de 2003. O seu capital social é de cinquenta mil euros, dividido em acções distribuídas pelos 4 promotores do projecto. A sede social da empresa está localizada na zona do Grande Porto, no Tecmaia – Parque de Ciência e Tecnologia da Maia, freguesia de Moreira da Maia,concelho da Maia, ocupando as suas instalações uma área arrendada de 100 m2. O modelo de negócios baseia-se na oferta de tecnologia para manipulação de conteúdos multimédia e equipamentos associados, nas áreas de pós-produção, arquivo multimédia e gestão do ciclo de vida dos conteúdos, dirigido às indústrias de produção, difusão e gestão de conteúdos, segundo dois ramos de actuação complementares: prestação de serviços e venda de produtos (software). Os clientes são, preferencialmente, os fabricantes de equipamentos e integradores, com algumas excepções identificadas como no caso da formação e da prestação de serviços. Ao nível da prestação de serviços, a empresa actua em três vertentes: −desenvolvimento de software à medida, dirigido aos organismos de normalização e entidades de suporte e desenvolvimento tecnológico; −consultoria, dirigida aos operadores de televisão, produtoras e aos fabricantes de equipamento; −formação. Os produtos dividem-se em três linhas: a)Material eXchange Format (MXF) b)Gestão Integrada de Conteúdos c)Controlo de dispositivos



Contact person(s)

Name First name Phone E-mail Responsibility
Ernesto Santos Ernesto +351229408224 ernesto.santos@mog-solutions.com Entity contact person responsable for this project

Last update: 11-03-2008 dot Top


MICROPLÁSTICOS, S.A.

(MICROPLÁSTICOS)
COVA DA SERPE
-
P-3080-512-FIGUEIRA DA FOZ Figueira da Foz

Tel:+351233917220
Fax:233910610
Email:microplasticos@microplasticos.pt

 
Responsibility in the DP:
Type of organisation:Enterprise
Legal status:Private
Size:Staff < 10
NUTS code:BAIXO MONDEGO
Date of joining / leaving:14-06-2005 /

Text available in

A MICROplásticos exerce uma actividade industrial no fabrico de peças plásticas de alta precisão e elevado rigor dimensional e de componentes funcionais para mercados onde o nível de exigência e o rigor qualitativo é um dado de partida – indústria electrónica, eléctrica e automóvel. A natureza dos clientes – empresas transnacionais – e a exigência dos mercados em que as grandes indústrias actuam – bens de consumo de ciclo curto ou relativamente curto e elevado grau de inovação – tem imposto à MICROplásticos um processo de modernização que privilegia os domínios da organização e da tecnologia. Nesse sentido, o esforço tem sido dirigido para o contínuo acréscimo de competências de forma a manter níveis de competitividade adequados. O que só é possível com: fortalecimento da capacidade de concepção e inovação; oferta de soluções técnicas adequadas; um sistema de qualidade credível; flexibilidade e rapidez na satisfação das encomendas; um serviço ao cliente. A MICROplásticos tem procurado manter-se bem posicionada junto de grandes fabricantes apostando numa óptica que ultrapassa o conceito business to business. Com efeito, a empresa distingue-se hoje pela notoriedade do seu know-how tecnológico, procurando estabelecer com estes clientes soluções técnicas para as peças plásticas e oferecendo a possibilidade de lhes acrescentar outras funcionalidades, de forma a obtermos uma componente mais complexa e funcional que se integrará na linha de produção do cliente. O posicionamento que reivindicamos é hoje mais abrangente obriga a uma maior ligação com as áreas chave dos clientes, mas também determina uma maior exposição competitiva, porque o cliente submete o seu produto à cotação numa lógica transnacional. O universo concorrencial alargou-se, logo a manutenção da capacidade competitiva da empresa e do seu posicionamento implica a aferição permanente com competidores internacionais e a afirmação permanente dos factores diferenciadores. Neste contexto de maior concorrência a MICROplásticos pretende estimular e reforçar os laços de parceria com as indústrias clientes de componentes plásticas de alta precisão e rigor dimensional, para a criação e desenvolvimento de soluções adequadas às necessidades técnicas e funcionais do produto final. Os factores que considera de diferenciação e basilares para a concretização da afirmação da empresa são: o conhecimento, o know-how tecnológico e as pessoas. Para a persecução da missão e cumprimento dos objectivos estratégicos a MICROplásticos considera fundamental focalizar a performance em três áreas de acção: (reforçar) capacidade e competência técnica e tecnológica; (reforçar) cadeia de valor entre a concepção, a produção e o serviço ao cliente; afirmação da empresa no contexto europeu como uma referência de capacidade de realização. A manutenção de eficiência dos Sistemas de Gestão Integrados – Qualidade, Ambiente e Segurança e Saúde – e a consolidação de uma cultura de responsabilidade Social.



Contact person(s)

Name First name Phone E-mail Responsibility
José Manuel da Silva Couto José +351233917220 jose.couto@microplasticos.pt Entity contact person responsable for this project

Last update: 11-03-2008 dot Top


PRIMUS MGV - Promoção e Desenvolvimento Regional, SA

(PRIMUS)
Parque de Ciência e Tecnologia da Maia Rua Eng. Frederico Ulrich, 2650
-
P-4470-605-MAIA Maia
-

Tel:+351229408240
Fax:229411740
Email:carmo.tovar@primus-dr.pt

 
Responsibility in the DP:
Type of organisation:Other
Legal status:Private
Size:Staff < 10
NUTS code:GRANDE PORTO
Date of joining / leaving:06-12-2007 /

Text available in

É a Agência de Desenvolvimento Regional da Área Metropolitana do Porto (AMP). A empresa foi criada em 1998 como uma sociedade anónima, sem fins lucrativos. O leque de accionistas da PRIMUS é muito diversificado, contando com mais de trinta instituições e empresas de referência à escala regional e nacional. A maioria do seu capital encontra-se detido pelas nove autarquias que constituem a Área Metropolitana do Porto. Do conjunto dos seus accionistas, destacam-se ainda a própria Junta Metropolitana e outras instituições prestigiadas como a Universidade do Porto, a AEP e a ANJE, a UGT, e ainda diversas empresas e instituições financeiras. A Primus elegeu como Missão primordial intervir activamente sobre os factores de competitividade da Área Metropolitana do Porto, embora não restrinja necessariamente a sua esfera de actuação a este espaço regional. Para tanto, conta com uma equipa de técnicos especializados, a qual delineia acções de valorização e promoção regional, que se consubstanciam em: elaboração e/ou execução de projectos de desenvolvimento regional; concepção de modelos de gestão; constituição de parcerias, quer com os actores-chave da região, quer com entidades estrangeiras; prestação de serviços de consultoria multidisciplinar às organizações; realização de acções de formação (entidade certificada pelo ex-IQF); consultoria para a certificação de qualidade. Alguns Projectos co-financiados por fundos comunitários em que esteve/está envolvida: Projecto n.º 39-REVITA – Estratégia Atlântica de Revitalização em áreas industriais, Programa IC INTERREG III B “Espaço Atlântico”. Parceiros: Sevilha Global – Espanha; Câmara Municipal de Lisboa; Parque Expo SA – Lisboa; Comunnaute Urbaine de Brest – França; Câmara Municipal de Cardiff – Reino Unido; Câmara Municipal de Gijón – Espanha; Câmara Municipal de Avilés – Espanha; Bordeaux Techowest – França; Câmara Municipal de Dublin – Irlanda. Parceiros Associados: Conferência de Cidades do Arco Atlântico (CCAA) através da Conferência das Regiões Periféricas Marítimas (CRPM). Projecto SO/2.2/F21: Convivência: Passerelles Latines, Programa da IC INTERREG III B “SUDOESTE EUROPEU”. Parceiros: Associação A Bord du Chèvrefeuille (Toulose); Fundação Societat i Cultura – Barcelona; Ayuntamento de Aguimes (Canárias) e Ayuntamiento de Huelva (Espanha). “Programa FORAL” (Medida 1.5 Operação Norte (FSE)) – Formação e formação-acção aos funcionários das autarquias (várias candidaturas desde 2000). Projecto “Programa Metropolitano de Leitura para desfavorecidos”, Medida 1.4 do Programa Operacional Norte (Financiamento FEDER), projecto desenvolvido em parceria com as nove autarquias da Área Metropolitana do Porto. Projecto 20-CRC-2002, CRC (Centro de Recursos em Conhecimento) na área da Inovação e Desenvolvimento Organizacional. Projectos de formação POSC - “Certificação de Competências Básicas em TIC’s”. Acção 1 e acção 2 do Projecto “SER PME RESPONSÁVEL”, financiado pela IC Equal



Contact person(s)

Name First name Phone E-mail Responsibility
Maria do Carmo Osório de Castro Barata de Tovar Maria +351229408240 carmo.tovar@primus-dr.pt Entity contact person responsable for this project

Last update: 11-03-2008 dot Top


Sandra Lopes - Consultoria, Unipessoal, Lda

(SANDRA LOPES)
Avª Sousa Cruz, 376 - 3º Esq.
-
P-4780-365-SANTO TIRSO Santo Tirso

Tel:+351914023163
Fax:252858724
Email:geral@slconsulting.com.pt

 
Responsibility in the DP:
Type of organisation:Enterprise
Legal status:Private
Size:Staff < 10
NUTS code:AVE
Date of joining / leaving:23-09-2004 /

Text available in

É missão da empresa prestar serviços de apoio às organizações que visem a introdução de novas práticas e de novas competências, permitindo uma melhor gestão e consolidação dos seus negócios. Constituída em 2002, dedica-se à consultoria e formação em pequenas e médias empresas. Realiza intervenções integradas que partem de um diagnóstico participado, para numa fase posterior, propor, discutir e validar um plano de desenvolvimento organizacional. Pauta-se pelo respeito e pela valorização das pessoas no seio das organizações - privilegia os saberes existentes, incentiva a participação, a comunicação, trabalho em equipa e a polivalência como forma de aumentar a produtividade e a empregabilidade. Actua na Região Norte, tendo realizado trabalhos de consultoria em empresas dos concelhos de Santo Tirso, Porto, Braga, Vila Verde, Gondomar e Guimarães. Presta os seguintes serviços de consultoria: 1-Diagnóstico Participado (através da Metodologia de Gestão de Projectos por Objectivos – Utilização da Árvore de Problemas) 2-Definição de Planos de Desenvolvimento 3-Definição de Planos Estratégicos contemplando acções de Médio e Longo Prazo. A sua equipa é constituída por consultores nas áreas: •Comercial / Marketing; •Gestão de Recursos Humanos; •Novas Tecnologias •Produção, Planeamento e Qualidade; •Higiene e Segurança •Ambiente •Comunicação e Imagem. Desde 2002 participa no Programa de Formação PME (financiado pelo FSE).



Contact person(s)

Name First name Phone E-mail Responsibility
Sandra Maria Sousa Lopes Sandra +351252858724 geral@slconsulting.com.pt Entity contact person responsable for this project

Last update: 11-03-2008 dot Top



 
 
 
 

 
 
 
 

 
 
 
 
Warning! This section is not meant to be read directly, but rather be navigated through from the main page above.
 
 
 
 

SER PME RESPONSAVEL

Rationale

Text available in

- A elaboração do diagnóstico de necessidades, assim como a análise documental e a consulta a sites, permitiram identificar pontos fortes e perspectivar oportunidades na área da responsabilidade social das PME em Portugal. A nível europeu, verifica-se uma movimentação em torno da temática que permite uma maior sensibilização, bem como um conhecimento mais profundo e mais generalizado da responsabilidade social. De um modo geral, as PME já têm implementadas algumas práticas de responsabilidade social, apesar de não as reconhecerem como tal. Esta situação permite potenciar o reconhecimento e a formalização das práticas. Consequentemente, a formalização potencia a adopção de uma cultura de gestão socialmente responsável. A existência de um número elevado de PME certificadas nas áreas da qualidade, do ambiente e da higiene e segurança denota a abertura das empresas à inovação e à mudança. Tal facto permite perspectivar uma abertura das PME para a adopção de práticas de responsabilidade social conducentes à certificação. A maior parte das PME já tem incorporadas práticas ambientalmente responsáveis. De salientar o facto de estas existirem em número proporcional ao da dimensão da empresa. Relativamente à formação, a maioria das PME declara dispor de planos de formação que contemplam todos os trabalhadores, bem como as áreas de formação técnica e comportamental. Esta situação não é só uma consequência das imposições legais em vigor, mas também denota já uma mudança de mentalidade da organização e dos indivíduos que a compõem. Na generalidade, as PME reconhecem benefícios da constituição de parcerias, identificando mais valias concretas da adopção desta nova forma de trabalho. Assim sendo, as empresas estão motivadas por integrarem a parceria de desenvolvimento, constituindo este um factor fundamental para a boa execução do projecto., - De um modo geral, o facto de o governo português não ter políticas que incentivem a adopção de práticas de RS leva à não adopção destas por parte das PME, na medida em que não existem benefícios estatais nem apoios. Ao nível da igualdade de oportunidades, verifica-se a permanência de atitudes discriminatórias baseadas, essencialmente, no sexo e na nacionalidade dos indivíduos. De referir que a discriminação baseada no sexo não é reconhecida como tal pelas PME (46,1%). Assim sendo, declaram não adoptar práticas discriminatórias e que a predominância de mulheres nos postos de trabalho menos qualificados se deve à oferta existente no mercado para desempenhar determinadas funções em determinados sectores de actividade. A maior parte das PME não proporcionam aos trabalhadores um equilíbrio entre a vida profissional e a vida familiar (34,3%). Além disso, não identificam a necessidade e os benefícios da adopção de práticas nesta matéria (25,5%). Nas PME, apesar de existirem estruturas de comunicação, esta não é estabelecida entre todos os colaboradores, mas sim entre as chefias. Então, existem processos formais de troca de informação, de que é exemplo a reunião, entre as chefias da organização. Esta estrutura rígida completamente enraizada na cultura da empresa constitui uma ameaça, na medida em que o processo de tomada de decisões é feito sem o contributo de todos os colaboradores. A maioria das PME declara não dialogar com a comunidade local (55%). De acrescentar que também não incentivam os trabalhadores a participar nas actividades da comunidade (50%). Assim sendo, as PME limitam a sua participação na comunidade ao patrocínio. Tal situação constitui uma ameaça, pois as PME não estão sensibilizadas para os benefícios de participarem activamente no desenvolvimento da comunidade onde estão inseridas.

dot Top


Objective

Text available in

O SER PME Responsável é um projecto que visa promover a adopção e valorização de práticas de responsabilidade social nas PME. Neste sentido, propõe-se desenvolver e testar junto de um conjunto de PME uma metodologia de intervenção, que envolvendo um conjunto de pessoas e organizações, conduzirá a uma mudança estruturada ao nível das práticas de gestão consolidando uma cultura de responsabilidade social dentro das PME. Para tal, pretende-se intervir em áreas como local de trabalho, mercado, comunidade e ambiente, sensibilizando as organizações para temáticas tão actuais e sensíveis como a igualdade de oportunidades, empowerment e inovação. Como resultado da investigação-acção que se desenvolverá junto das PME será concebido um guia metodológico, que se pretende venha a fomentar o espírito de interacção e a complementaridade de competências entre todos os intervenientes, com vista à incorporação e disseminação de práticas socialmente responsáveis. No âmbito do projecto pretende-se ainda desenvolver uma ferramenta específica para a área da Responsabilidade Social para integração no Índice de Benchmarking Português - IBP, consolidando-se, desta forma, a responsabilidade social como uma das áreas importantes para avaliação comparada do desempenho entre empresas. No decorrer do projecto, será criada uma Comunidade de Práticas com vista a aprofundar e disseminar conceitos e competências socialmente responsáveis, através da partilha de experiências e interacção entre todos os parceiros e demais intervenientes. Assim se contribuirá para o enraizamento de práticas de responsabilidade social na cultura das PME, melhorando, deste modo, o seu posicionamento competitivo no mercado e na sociedade. Serão ainda concebidos instrumentos, meios de informação e de divulgação sobre a responsabilidade social e o seu impacto nas PME, promovendo a divulgação das empresas que se distingam pela implementação de práticas inovadoras de responsabilidade social.

dot Top



Logo EQUAL

Home page
DP Search
TCA Search
Help
Set Language Order
Statistics