IMPORTANT LEGAL NOTICE
 

 Bolina ascii version

Portugal

 
DP Managing organisation : SEIES - Sociedade de Estudos e Intervenção em Engenharia Social, CRL
Other national partners : Associação Fernão Mendes Pinto
ICE - Instituto das Comunidades Educativas
Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro
EQUAL theme :Adaptability - Adaptation to change and NIT 
Type of DP :Sectoral - Services 
DP Legal status :Association without legal form 
DP identification :PT-2004-240 
Application phase :Approved for action 2 
Selection date :06-09-2005 
Last update :11-03-2008 
Monitoring: 2005  2006   

Rationale

Text available in

- Complementary of abilities of the Founding Partners in the conduction of empowerment processes, Gender Equality and collaborative practises, including the capacity to offer support in ICT area without a technological skew. In the DP, a profit of abilities in ICT of support to the CoPs, isomorphic of the predicted for the addressees, which it will facilitate its appropriation/ dissemination. Possibility to approach, through some groups, differentiated phases of the process of emergency of CoPs: - Trainers connected to the projects of territorial development with non regular habits of reflection that feel the need of joint reflection of support to their practises. - Groups that have habits of allotment of face to face information, and to explicit the resultant enrichment. They constitute embryonic CoPs, interested in its reinforcement and consolidation. In two of them, a core nucleus functions with regularity and one of them uses the electronic way, even so still not involving all of the members of the group. Initiatives directed to the group, animators and collaborative training will be strategies of transformation of these groups in real CoPs. - a Net of electronic communication, between 5 hundreds of subscribers who intervene in the local development, emergent development of a movement of 250 organizations and initiatives for the Local Development in Portugal, where it is opportune to study forms of systemize and formalize knowledge and to generate sub-communities. - an informal net of technicians of several institutions in a territory with practises very close to a CoP and that has been knowing in a long way of 9 years to find its institutional directions and balances. It has will to learn with its experience, to transform its abilities into appropriated knowledge for others, and to become related with other communities. , - The institutions of the training system, IQF(Institute for Quality in Learning Process),IEFP(Institute of Employment and Professional Training)and Centres of Professional Training,feel great difficulty in the adhesion of trainers to initiatives of collaborative learning face to face or electronically mediated.Trainers contacted in the scope of diagnostic of the A1,and previously,relate a lack of long life learning that integrate their experience in the learning process.This paradigm is remained in the case of e-learning.Institutional practises rarely breach this lack of reflectivity habits and learning from the experience and don’t equate the promotion of informal nets between the ex-trainees through the exchange of experiences.The majority of the studied groups have a deficit in the domain of ICT and don’t communicate electronically.This point feeds the risk of technological skew.It has groups where it doesn’t exist a systematic relationship oriented for a continued allotment of knowledge.In all of the groups the exchanges are favoured by congregate initiatives,but only in some it’s a spontaneous action.The inexistence of endogenous animators in the majority of the groups difficult it’s transformation in consolidated CoPs-which is confirmed,in contrast, for the ones that possess challenging core nucleus.In the exchanges there's a tension between priorities:the value of reflective practises,even if seen as a potential in term, collides with objectives of immediate work required by the organizations.The written form of reflection and knowledge is an obstacle.However, being a cultural question it over all constitutes a risk and a constraint to surpass methodologically.The organic and communitarian organization,that the project implements transfer the power of decision for the system,in detriment of the agencies,with consequent reduction of the control of the processes.All things considered it’s an inherent risk to the objectives of the project that must be minimized.

dot Top


Objective

Text available in

The current social and technological developments impose that innovation processes in a rhythm superior than generational substitution, imposing the continuous development of abilities during life. The habitual methods of training don’t fit anymore, essentially conceived for a social and stable world-wide context and therefore strong located in time. What it is learned becomes obsolete, demanding update, and new things appear quickly. Changing profession and organization is common nowadays (see R. Sennet- "The Corrosion of Character- the personal consequences of work in the new capitalism", W.W. Norton & Company, New York, 1999).In this context, namely institutional and political, the current emphasis in continuous long life learning has been reinforced. On the other hand, authors who approach the professional training have reinforced the perspective of the acquisition of abilities auto-mobilizable in differentiated contexts and in an integrated way, acquisition that is only possible in real professional contexts. In another perspective, all the learning is not only situated socially as this fact concurs in a decisive form for the process of learning (E. Wenger- "Communities of Practice- Learning, Meaning and Identity", Cambridge University Press, 1998). These developments have been confirmed by the diagnosis work of Action 1 and by the knowledge, theoretician and empiricist, that the DP withholds in the scope of the training and management of the professional knowledge: the training that is practised usually does not answer to the necessity of autonomy and empowerment currently required and does not take advantage of the most efficient processes and longer collaborative learning, nor provides acquisition of abilities for the promotion of those processes. Thus, the project intends to answer mainly to the question: how to support the forms of collaborative learning? And, inevitably, what paper could/should the ICT play in the process? The general strategy of the project is to try and to observe a varied set of groups, including the own partnership, in different stadiums of maturation, to establish which conditions, processes and abilities determine the possibility of these groups if to constitute in effective instruments of allotment of knowledge, namely under the form of communities of practise. This strategy lead to the definition of the two specific central objectives of the project: systemize the abilities, and its development, necessary to the functioning of communities of practise, and to conceive processes and training devices that promote of the collaborative learning. The specific activities foreseen reflect the segmentation of the groups to observe and also the products to reach: through the study of three sets of groups, to elaborate a training program, to elaborate access guide to ICT instruments, to compile narratives of animation and use of the ICT and to elaborate profile of consultation to the institutions.

dot Top


Innovation


Nature of the experimental activities to be implemented Rating
Training ***
Training of teachers, trainers and staff **
Conception for training programs, certification **
Anticipation of technical changes ***
Work organisation, improvement of access to work places **

Type of innovation Rating
Process-oriented ***
Goal-oriented **
Context oriented **

dot Top


Budget Action 2

500 000 – 1 000 000 €

dot Top


Beneficiaries


Assistance to persons 
Unemployed  0.0%  0.0% 
Employed  73.0%  27.0% 
Others (without status, social beneficiaries...)  0.0%  0.0% 
  100.0% 
 
Migrants, ethnic minorities, …  0.0%  0.0% 
Asylum seekers  0.0%  0.0% 
Population not migrant and not asylum seeker  73.0%  27.0% 
  100.0%
 
Physical Impairment  0.0%  0.0% 
Mental Impairment  0.0%  0.0% 
Mental Illness  0.0%  0.0% 
Population not suffering from a disability  73.0%  27.0% 
  100.0% 
 
Substance abusers 0.0%  0.0% 
Homeless  0.0%  0.0% 
(Ex-)prisoners  0.0%  0.0% 
Other discriminated (religion, sexual orientation)  0.0%  0.0% 
Without such specific discriminations  73.0%  27.0% 
  100.0% 
 
< 25 year  12.7%  5.6% 
25 - 50 year  55.2%  19.1% 
> 50 year  5.1%  2.3% 
   100.0% 

Assistance to structures and systems and accompanying measures Rating
Gender discrimination ***
Low qualification **
Unemployment **

dot Top


Empowerment

 

 With beneficiaries

Participation
Promoting individual empowerment
Developing collective responsibility and capacity for action
Participation in the project design
Participation in running and evaluating activities
Changing attitudes and behavior of key actors

 

 Between national partners

N.C.

dot Top


Transnationality

 

 Linguistic skills

  • português

 Percentage of the budget for transnational activities

  • 0.1%

 Transnational Co-operation Partnerships

Transnational Co-operation Agreement DPs involved
4160 Collaborative Learning PL 78
SK 4
UKgb 173

dot Top


Background

 

N.C.

dot Top


National Partners


Partner To be contacted for
SEIES - Sociedade de Estudos e Intervenção em Engenharia Social, CRL Co-ordination of experimental activities
Design of the project
DP managing organisation
Evaluation
Monitoring, data collection
Transnational partnership
Associação Fernão Mendes Pinto
ICE - Instituto das Comunidades Educativas
Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro

dot Top


Agreement Summary

Text available in

Resumo do Acordo de PD Os parceiros acordam: 1. Objectivos comuns 1.1 Desenvolver em conjunto o projecto acima referenciado, cujo diagnóstico, objectivos, actividades, resultados e processo de avaliação, e plano de financiamento se descrevem no formulário de candidatura à acção 2. 2. Estruturas e processo de funcionamento da Parceria 2.1 Criar à partida as seguintes estruturas de gestão e funcionamento: Comité de Pilotagem É composto por um representante de cada parceiro, e pela coordenadora do projecto. Reúne presencialmente cada trimestre, e funciona em reuniões on-line sempre que necessário, por iniciativa da coordenadora do projecto, ou sob proposta de qualquer dos seus membros. Tem as responsabilidades definidas no ponto anterior. Grupos de Actividade Cada actividade é assegurada por um grupo de trabalho com a função de promover a sua implementação, envolvendo parceiros diversificados e é coordenado por um dos parceiros para o qual designa um/a coordenador/a. As suas responsabilidades e funções estão definidas no ponto anterior. Coordenadora Geral Garante o funcionamento geral do projecto e anima a articulação entre Parceiros, CP e GA, tendo em conta os objectivos estabelecidos e os resultados e produtos. Para além do definido no ponto anterior: Anima o processo interno de circulação da informação / CoP da equipa Bolina. Acompanha a articulação entre GA para a elaboração dos produtos, e a progressiva concretização de estratégias e planos de disseminação Assegura a animação da implementação da análise de género transversal a todo o projecto. Estimula a divulgação do projecto e a relação com o exterior. Grupo de Gestão Técnico Financeira Esta função é assegurada por um grupo de actividade composto pelo/a responsável da gestão técnico-financeira de cada parceiro e coordenado pela responsável técnico-financeira do parceiro interlocutor. Funciona em comunidade de acção presencial e on-line. Colectivo de Coordenadores/as de Actividades Define objectivos e actividades a realizar por trimestre. Balanço mensal e articulação entre actividades. Analisa a situação financeira de 3 em 3 meses (balanço dos custos de cada actividade). Analisa e reflecte sobre os avanços e recuos do projecto e gere a agenda global do projecto constituindo-se numa comunidade colaborativa presencial e on-line de coordenadores/as. 2.2 Implementar o seguinte processo de tomada decisão (destacar nomeadamente processos de dos parceiros, mecanismos que promovam a igualdade de género, etc.): Existem centros de decisão diversificados, com funções, campos de autonomia e responsabilidades diferentes, que se articulam e reforçam para a implementação dos objectivos do projecto. Sabendo que cada parceiro, em última análise responde, individualmente, pela gestão do seu orçamento e pela execução das suas responsabilidades no projecto, a articulação e sinergia na concepção, formas de execução, análise do realizado, elaboração de produtos e sua disseminação é indispensável para a concretização das actividades e essencial para que o proposto no projecto se concretize. No Comité de Pilotagem (CP) articulam-se os níveis de tomada de decisão dos parceiros, sendo este o órgão de orientação do projecto. É composto por um representante de cada parceiro, e pela coordenadora do projecto. Reúne, presencialmente, em cada trimestre e funciona em reuniões on-line sempre que necessário, por iniciativa da coordenadora do projecto, ou sob proposta de qualquer dos seus membros. Tem por responsabilidade: A gestão Geral do projecto; definir estratégias globais; acompanhar a evolução do projecto; articular os orçamentos dos parceiros e aprovar orçamentos gerais; reflectir e emitir parecer / orientação sobre a implementação, impactos e os resultados; procede a alterações estratégicas, metodológicas e de actividades que se verificarem necessárias face ao desenvolvimento do projecto e implicações financeiras que daí advêm; acompanhar e participar na reflexão conducente à elaboração dos produtos finais, e concepção dos processos de disseminação; aprovar relatórios técnicos e financeiros. O CP tem por instrumentos de suporte à decisão os objectivos definidos para o projecto e para cada actividade, o planeamento geral e por actividades, relatórios de execução trimestrais, os relatórios de gestão, os documentos produzidos e disponibilizados pelos grupos de actividade e coordenação, os relatórios de avaliação. A coordenadora do projecto procurará animar um processo de decisão de tipo ganhador-ganhador, em que os conflitos de estratégias ao nível da implementação do projecto sejam resolvidos dando oportunidade a cada parceiro de implementar as soluções em que “aposta”. Em caso de impossibilidade opta-se pela decisão por maioria, não podendo no entanto, em caso algum, um parceiro ser “forçado” a desenvolver/participar numa acção a que se oponha. Cada actividade é assegurada por um Grupo de Actividade (GA) com a função de promover a sua implementação, envolvendo parceiros diversificados e coordenado por um dos parceiros para o qual designa um/a coordenador/a. Tendo por linhas orientadoras os objectivos definidos para a sua actividade e as linhas estratégicas e planeamento geral aprovado em CP, tem a autonomia e responsabilidade na concepção das formas de acção, sua implementação e análise. Cada GA tem por instrumentos de suporte à decisão, os objectivos definidos para a sua actividade e sua articulação com os objectivos das restantes actividades e gerais do projecto, planeamento geral do projecto, o orçamento disponível para a actividade, e a análise que faz da sua intervenção em articulação com os/as beneficiários. Elabora e disponibiliza aos restantes órgãos do projecto, o planeamento trimestral da sua actividade, relatórios mensais de análise da implementação da actividade, previsão e análise orçamental e participa na comunidade colaborativa da equipa do projecto disponibilizando os registos da actividade, produtos intermédios, documentos de reflexão, interrogações, descobertas. A coordenadora geral (CG) garante o funcionamento geral do projecto, e a articulação entre os campos de decisão dos Parceiros, do CP, dos GA, tendo em conta os objectivos estabelecidos e os resultados e produtos que se pretendem obter. Tem uma função de animação do funcionamento de projecto e de regulação da sua execução, pelo que em caso de considerar existir disfuncionamento, nomeadamente, resultante da articulação entre os campos de decisão anteriores, cabe-lhe a autonomia e responsabilidade de tomar as decisões que considerar necessárias para o funcionamento do projecto. Tem por instrumentos de suporte à decisão os objectivos definidos para o projecto e para cada actividade, bem como, a sua articulação, o orçamento disponível, o planeamento global e os planeamentos trimestrais por actividade, os relatórios mensais, a analise resultante da sua participação na comunidade colaborativa da equipa do projecto, e de reuniões presenciais ou on-line com os/as coordenadores de actividades e elementos da PD. Elabora e disponibiliza aos restantes órgãos do projecto, o planeamento geral trimestral do projecto e sua articulação com os planeamentos por actividade, análise dos relatórios mensais de implementação das actividades e da actividade de coordenação, previsão e análise orçamental. 2.3 Assegurar a transparência da informação interna relativa ao projecto e à parceria, que será disponibilizada a todos os parceiros da seguinte forma ( ex. recurso às TIC...): O projecto utilizará, na experimentação das comunidades de prática, instrumentos TIC acessíveis e de uso geral. Como a própria equipa do projecto e os grupos funcionam na modalidade de comunidade de prática, serão utilizados essencialmente os mesmos instrumentos para fazer circular a informação interna relativa ao projecto, o que servirá alias de mais uma forma de experimentação e avaliação dos instr

Last update: 11-03-2008 dot Top


SEIES - Sociedade de Estudos e Intervenção em Engenharia Social, CRL

(SEIES)
Rua da Vitória 38 3º andar
-
P-1100-619-LISBOA Lisboa

Tel:+351213240890
Fax:213240899
Email:seies@clix.pt

 
Responsibility in the DP: Co-ordination of experimental activities
Design of the project
DP managing organisation
Evaluation
Monitoring, data collection
Transnational partnership
Type of organisation:Social economy enterprise
Legal status:Non-profit private organisation (including NGO...)
Size:Staff < 10
NUTS code:GRANDE LISBOA
Date of joining / leaving:16-09-2004 /

Text available in

A SEIES é uma cooperativa especialista na criação de dinâmicas locais fomentando o exercício da cidadania das pessoas e das organizações. Implementando estratégias de desenvolvimento e métodos de intervenção no território, a SEIES visa o envolvimento das pessoas e a mobilização dos recursos locais na resolução dos seus próprios problemas considerando e valorizando a diversidade e a especificidade de cada grupo, das pessoas que o compõem e do meio envolvente (institucional, profissional e social). A SEIES organiza as suas intervenções segundo os seguintes princípios: - trabalhar numa perspectiva de investigação-acção e de transdisciplinaridade; - criar condições para o surgimento de iniciativas e de dinâmicas de desenvolvimento local centradas nos recursos e potencialidades das pessoas e dos territórios, através de redes formais e informais; - promover a realização de acções de formação utilizando estratégias participativas destinadas a melhorar a capacidade de intervenção dos cidadãos(ãs); - contribuir para a autonomia progressiva das populações em situação de pobreza e de exclusão social na resolução dos seus problemas, nomeadamente através da melhoria da sua auto-estima e valorização profissional; - promover a igualdade de oportunidades entre mulheres e homens numa abordagem transversal a todas as áreas de intervenção; - fomentar a difusão de "boas práticas" e troca de experiências inovadoras no domínio da promoção social. As áreas de intervenção da SEIES situam-se ao nível da consultoria e da intervenção no quadro de : - Concepção de planos, programas e métodos de formação que promovam e valorizem a pessoa, a interculturalidade, a solidariedade e a cidadania activa; - Animação de redes de parceria territorial, em dinâmicas de auto-formação; - Concepção e realização de acções de formação para públicos desfavorecidos, nomeadamente: - mulheres DLD's - beneficiários do RMG - minorias étnicas - populações desfavorecidas em geral Concepção e realização de acções de formação para formadores e técnicos que intervêm junto desses públicos, com abordagem da Igualdade de oportunidades e desenvolvimento estratégico de empoderamento; Projectos de desenvolvimento local, organizacional e de intervenção social; Percursos integrados de orientação-formação-inserção de públicos com maiores dificuldades de acesso ao mercado de trabalho; Aconselhamento e apoio técnico na criação e consolidação de micro empresas e estudo de formas alternativas de financiamento para a sua criação. A SEIES é uma entidade formadora que tem sido acreditada pelo IQF desde 1998 em todos os domínios de Intervenção do Ciclo Formativo, estando actualmente em fase de renovação da acreditação: - Diagnóstico de necessidades de formação; - Planeamento; - Concepção; - Organização e promoção; - Desenvolvimento / execução; - Acompanhamento e avaliação; - Outras formas de intervenção.



Contact person(s)

Name First name Phone E-mail Responsibility
Isabel Maria Ramos Maia Rebelo Isabel +351265547450 isabelmaiarebelo@mail.telepac.pt Entity contact person responsable for this project

Last update: 11-03-2008 dot Top


Associação Fernão Mendes Pinto

(AFMP)
Rua Dr. José Galvão, 211
-
P-3140-853-MONTEMOR-O-VELHO Montemor-o-Velho
-

Tel:+351239687170
Fax:239687175
Email:geral@afmp.pt

 
Responsibility in the DP:
Type of organisation:Social economy enterprise
Legal status:Non-profit private organisation (including NGO...)
Size:Staff < 10
NUTS code:BAIXO MONDEGO
Date of joining / leaving:22-10-2007 /

Text available in

Instituição Particular de Solidariedade Social e Organização Não Governamental para o Desenvolvimento que visa contribuir para o desenvolvimento sociocultural e económico das pessoas singulares e colectivas dos territórios abrangidos, nomeadamente através da promoção do empowerment e do espírito de empreendedorismo, e bem assim, da criação de centros e estruturas de proximidade que apoiem e disponibilizem condições de carácter educativo, social, formativo e recreativo, e assegurem a igualdade de oportunidades e a equidade entre sexos, cidadãos e regiões. A AFMP é uma Instituição Particular de Solidariedade Social com sede em Montemor-o-Velho. Com a alteração de estatutos publicada em 1998 adquire também, o título de Organização Não-Governamental para a Cooperação e o Desenvolvimento. Objectivos Tem por objectivos principais a prestação de serviços de segurança e solidariedade social, podendo igualmente desenvolver outras actividades de natureza educativa, formativa, recreativa, cultural ou desportiva que visem a promoção do bem-estar e da qualidade de vida dos cidadãos. Área Geográfica de Acção Actua preferencialmente nos concelhos de Montemor-o-Velho, Figueira da Foz, Coimbra e Vila Nova de Cerveira, sem prejuízo de intervenções e contactos em outras regiões nacionais e transnacionais. Actualmente, desenvolve em colaboração com instituições locais uma intervenção (mais ou menos permanente) localizada nos concelhos de Pampilhosa da Serra, Leiria, Castelo de Vide, Portalegre e Nisa. Actividades A sua principal actividade é a Acção Social para 1ª e 2ª Infância sem alojamento (CAE:853/21) – Creche, Jardim-de-infância e Actividades de Tempos Livres. Para realização dos seus objectivos mantém, entre outras, as seguintes actividades e ou intervém nos seguintes domínios: - Inserção e Reinserção Social - Educação, Formação e Promoção do Emprego - Desporto de Rendimento, Manutenção e Recreação - Cooperação com os PALOP’s - Promoção da Divulgação do Artesanato e da Cultura Popular - Promoção dos Direitos e das Igualdades - Trabalho com Minorias Étnicas - Defesa e Protecção do Meio Ambiente - Interculturalidade e Dimensão Europeia - Juventude - Saúde e Cuidados Sociais - Economia Social



Contact person(s)

Name First name Phone E-mail Responsibility
Maria da Conceição Bento Carvalho Maria +351239687550 afmp.gatoes@mail.telepac.pt Entity contact person responsable for this project

Last update: 11-03-2008 dot Top


ICE - Instituto das Comunidades Educativas

(ICE)
Rua Nossa Senhora da Arrábida, 3 - 5 R/C
-
P-2900-142-SETÚBAL Setúbal
-

Tel:+351265542430
Fax:265542439
Email:-

 
Responsibility in the DP:
Type of organisation:Social economy enterprise
Legal status:Non-profit private organisation (including NGO...)
Size:Staff < 10
NUTS code:PENINSULA DE SETUBAL
Date of joining / leaving:23-10-2007 /

Text available in

O ICE – Instituto das Comunidades Educativas – é uma associação de âmbito nacional, de utilidade pública sem fins lucrativos, com o estatuto de ONGD e sede em Setúbal. Tem como finalidades a organização, gestão, animação e apoio a projectos de intervenção, investigação e desenvolvimento, no âmbito educativo, cultural, social e económico. Constituído a 15 de Julho de 1992, é o resultado da confluência de projectos de intervenção e do envolvimento e articulação de autarquias, instituições académicas, personalidades ligadas à cultura e educação e diferentes ONG’s Estrutura da sociedade civil, o ICE define como principal objectivo e razão de ser o combate contra a exclusão social, promove a cultura educativa e o desenvolvimento integrado local em Portugal – combate a que se associa a solidariedade de princípio com as problemáticas do desenvolvimento e educação dos países de língua oficial portuguesa, bem como o intercâmbio e a articulação com projectos e instituições de desenvolvimento local e educativo da Europa. Elege, como objecto privilegiado de intervenção, a comunidade local, na perspectiva da sua afirmação e desenvolvimento. Trabalha a dimensão educativa, enquanto vertente de um desenvolvimento que só pode ser integrado e sistémico. Entende como dimensão educativa os níveis de educação formal, não formal e informal, considerados na sua interdependência mas também na sua autonomia relativa. Assume como seu quarto princípio e traço de especificidade, o reconhecimento e a recuperação da diferença que a diversidade implica. Ao longo da sua existência tem desenvolvido projectos apoiados por programas de financiamento europeus (GRUNDVIG, SOCRATES, EQUAL, POEFDS) e nacionais (LUTA CONTRA A POBREZA, SER CRIANÇA, SIQE) a maior dos quais como entidade interlocutora/promotora. As investigações que conduz e conduziu traduziram-se já num significativo número de publicações com contributos no domínio da formação, da educação, do desenvolvimento local e da animação comunitária. Anima várias redes de parceria onde se acham implicadas autarquias, colectividades, associações, escolas, universidades e serviços públicos. Cerca de 60% do seu volume de trabalho é assegurado em regime de voluntariado.



Contact person(s)

Name First name Phone E-mail Responsibility
Rui Manuel Pires Carvalho d' Espiney Rui +351265542430 ice@netvisao.pt Entity contact person responsable for this project

Last update: 11-03-2008 dot Top


Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro

(UTAD)
Quinta de Prados
-
P-5000-520-VILA REAL Vila Real

Tel:+351259350230
Fax:259350480
Email:fontain@utad.pt

 
Responsibility in the DP:
Type of organisation:University / Research organisation
Legal status:Public organisation
Size:Staff < 10
NUTS code:DOURO
Date of joining / leaving:02-05-2005 /

Text available in

A UTAD tem como missão o ensino superior, a investigação, e a extensão e apoio à comunidade. As principais áreas em que exerce aquela missão são as Ciências, as Ciências Exactas, Naturais e Tecnológicas, e as Ciências Humanas e Sociais. Desenvolve actualmente os seguintes cursos: Licenciatura em Arquitectura Paisagista, Licenciatura em Ciência Alimentar, Licenciatura em Engenharia Agrícola, Licenciatura em Engenharia Florestal, Licenciatura em Engenharia Zootécnica, Licenciatura em Enologia, Licenciatura em Medicina Veterinária; Licenciatura em Biologia, Licenciatura em Biologia/Geologia, Licenciatura em Comunicação e Multimédia, Licenciatura em Ecologia Aplicada, Licenciatura em Engenharia Ambiental e dos Recursos Naturais, Licenciatura em Engenharia Civil, Licenciatura em Engenharia Electrotécnica, Licenciatura em Engenharia Mecânica, Licenciatura em Física/Química, Licenciatura em Genética e Biotecnologia, Licenciatura em Informática, Licenciatura em Química, Licenciatura em Matemática, Licenciatura em Matemática, ramo de Matemáticas Financeiras, Licenciatura em Tecnologias da Informação e Comunicação, Licenciatura em Animação Sociocultural, Licenciatura em Ciências da Comunicação, Lic. em Economia, Lic. em Educação de Infância, Lic. em Educação Física e Desporto, Lic. em Ensino Básico - 1º Ciclo, Lic. Inglês e Alemão, Lic. Português e Francês, Lic. Português e Inglês, Lic. em Gestão, Lic. em Línguas Estrangeiras Aplicadas, Lic. em Recreação Lazer e Turismo, Lic. em Antropologia Aplicada ao Desenvolvimento, Lic. em Teatro e Artes Performativas, Lic. em Trabalho Social; Pós-Graduações e Mestrados em Agricultura Biológica, Avaliação nas Actividades Físicas e Desportivas, Biologia e Geologia para o Ensino, Ciências Educação – Organização e Avaliação do Ensino, Ciências Educação – História e Prob. Actuais da Educação em Portugal, Climatização de Edifícios, Cultura e Literatura Inglesas, Cultura Portuguesa, Desenvolvimento Local, território, sociedade e cidadania, Economia das Organizações, Educação Física e Desporto esp. Observação e Análise de Movimento, Engenharia Electrotécnica e de Computadores, Engenharia e Planeamento Municipal, Engenharia de Recursos Florestais, Ensino da Língua e Literatura Portuguesas, Ensino da Matemática, Física e Química para o Ensino, Fitotecnia - Viticultura, Genética Molecular Comparativa e Tecnológica, Gestão / Gestão Pública e Autárquica, Gestão Fauna Selvagem e Conservação dos seus Recursos Genéticos, Informática, Internacional em Gestão do Desenvolvimento Rural, Literatura Portuguesa - Especialização em Literatura Infanto-Juvenil, Matemática e Ciências da Natureza, Pós-graduação em Tradução, Psicologia do Desporto e do Exercício, Recursos Genéticos e Melhoramento de Espécies Agrícolas e Florestais, Recursos Geológicos, Tecnologia Ambiental, Tecnologia das Engenharias; Programas de Doutoramentos em Engenharia Electrotécnica e de Computadores, em Genética Molecular Comparativa e Tecnológica e em Informática.



Contact person(s)

Name First name Phone E-mail Responsibility
Pedro de Castro Caiado Ferrão Pedro +351933261140 pferrao@utad.pt Entity contact person responsable for this project

Last update: 11-03-2008 dot Top



 
 
 
 

 
 
 
 

 
 
 
 
Warning! This section is not meant to be read directly, but rather be navigated through from the main page above.
 
 
 
 

BOLINA

Rationale

Text available in

- Complementaridade de competências dos Parceiros Fundadores na condução de processos de empoderamento, Igualdade de Género e práticas colaborativas, incluindo a capacidade de oferecer apoio na área TIC sem um enviesamento tecnológico. Na PD, um ganho de competências em TIC de suporte às CoPs, isomórfico do previsto para os destinatários, o que facilitará a sua apropriação/disseminação. Possibilidade de abordar, através de vários grupos, fases diferenciadas do processo de emergência de CoPs: - Formadores/as ligados/as a projectos de desenvolvimento territorial com hábitos não regulares de reflexão que sentem necessidade de reflexão conjunta de apoio às suas práticas. - Grupos que têm hábitos de partilha de informação presencial, explicitando o enriquecimento resultante. Constituem CoPs embrionárias, interessadas no seu reforço e consolidação. Em dois deles, um núcleo duro funciona com regularidade e um deles utiliza a via electrónica, embora ainda não envolvendo o conjunto dos membros do grupo. Iniciativas dirigidas ao grupo, animadores e formação colaborativa, serão estratégias de transformação destes grupos em verdadeiras CoPs. - Uma Rede de comunicação electrónica, entre 5 centenas de subscritores que intervêm no desenvolvimento local, emergente de um movimento de 250 organizações e iniciativas para o Desenvolvimento Local em Portugal, onde é oportuno estudar formas de sistematizar e formalizar saberes e gerar sub-comunidades. - Uma rede informal de técnicos/as de diversas instituições num território com práticas muito próximas de uma CoP e que tem sabido num longo percurso de 9 anos encontrar os seus sentidos e equilíbrios institucionais. Tem vontade de aprender com a sua experiência, transformar as suas competências em conhecimentos apropriáveis por outros, e relacionar-se com outras comunidades. , - As instituições do sistema de formação, IQF, IEFP e centros de formação, experimentam grande dificuldade na adesão de formadores/as a iniciativas de aprendizagem colaborativa presencial e mediada electronicamente. Os formadores/as contactados no âmbito dos diagnósticos da A1, e anteriores, referem uma carência de processos de formação contínua que integre a sua experiência no processo de aprendizagem. Este paradigma mantém-se no caso do e-learning. As práticas institucionais raramente rompem esta falta de hábitos de reflexividade e aprendizagem a partir da experiência não equacionando a promoção de redes informais entre os ex-formandos para aprendizagem continua através da troca de experiências. Na maioria dos grupos estudados há um défice no domínio das TIC. A maioria desses grupos não comunica electronicamente. Este ponto alimenta o risco de enviesamento tecnológico. Há grupos onde não há um relacionamento sistemático orientado para uma partilha continuada de conhecimento. Se em todos eles as trocas são favorecidas por iniciativas congregadoras só em alguns é uma acção espontânea. A inexistência de animadores endógenos na maioria dos grupos dificulta a sua transformação em CoPs consolidadas – o que é confirmado, ao contrário, pelos que possuem um núcleo duro dinamizador. Nas trocas há uma tensão entre prioridades: o valor das práticas reflexivas, visto embora como um potencial a prazo, colide com objectivos de trabalho imediato e requerido pelas organizações que enquadram os indivíduos. A explicitação da reflexão e do conhecimento na forma escrita é um obstáculo. Todavia, sendo uma questão cultural constitui sobretudo um risco e um constrangimento a superar metodologicamente. A organização comunitária e orgânica, que o projecto implementa, transfere poder de decisão para o sistema, em detrimento dos órgãos, com consequente diminuição do controlo dos processos. Trata-se de um risco inerente aos objectivos do projecto que deve ser minimizado.

dot Top


Objective

Text available in

Os desenvolvimentos sociais e tecnológicos actuais impõem que a inovação se processe a um ritmo superior ao da substituição geracional, impondo o desenvolvimento contínuo de competências ao longo da vida. Já não servem os métodos de formação habituais, essencialmente concebidos para um contexto social e mundial estável e por isso fortemente localizados no tempo. O que se aprende torna-se obsoleto, exigindo actualização, e coisas novas surgem rapidamente. Mudar de profissão e de organização é hoje comum (ver R. Sennet – “The Corrosion of Character – the personal consequences of work in the new capitalism”, W.W. Norton & Company, New York, 1999). Neste contexto, nomeadamente político e institucional, vem-se reforçando a actual ênfase na formação contínua ao longo da vida. Por outro lado, autores que abordam a formação profissional têm reforçado a perspectiva da aquisição de competências auto-mobilizáveis em contextos diferenciados e de maneira integrada, aquisição só possível em contextos profissionais reais. Numa outra perspectiva, toda a aprendizagem não só é situada socialmente como esse facto concorre de forma decisiva para o processo de aprendizagem (E. Wenger – “Communities of Practice – Learning, Meaning and Identity”, Cambridge University Press, 1998). Estes desenvolvimentos foram confirmados pelo trabalho de diagnóstico da Acção 1 e pelo conhecimento, teórico e empírico, que a PD detém no âmbito da formação e da gestão do conhecimento profissional: a formação que é praticada não responde geralmente à necessidade de autonomia e empoderamento actualmente requeridos e não tira partido dos processos mais eficientes e também mais longos da aprendizagem colaborativa, nem proporciona aquisição de competências para a promoção daqueles processos. Assim, o projecto pretende responder principalmente à questão: como potenciar as formas de aprendizagem colaborativa? E, inevitavelmente, que papel as TIC podem/devem desempenhar no processo? A estratégia geral do projecto é o de experimentar e observar um conjunto variado de grupos, incluindo a própria parceria, em diferentes estádios de maturação, por forma a estabelecer que condições, processos e competências determinam a possibilidade de esses grupos se constituírem em efectivos instrumentos de partilha de conhecimento, nomeadamente sob a forma de comunidades de prática. Esta estratégia conduziu à definição dos dois objectivos centrais específicos do projecto: sistematizar as competências, e seu desenvolvimento, necessárias ao funcionamento de comunidades de prática, e conceber processos e dispositivos de formação promotores de aprendizagem colaborativa. As actividades específicas previstas reflectem a segmentação dos grupos a observar e também os produtos a alcançar: através do estudo de três conjuntos de grupos, elaborar referenciais de formação, elaborar guia de acesso a instrumentos TIC, compilar narrativas de animação e de uso das TIC e elaborar perfil de consultoria às instituições.

dot Top



Logo EQUAL

Home page
DP Search
TCA Search
Help
Set Language Order
Statistics