IMPORTANT LEGAL NOTICE
 

 e-qu@lificação - capacitar para inovar ascii version

Portugal

 
DP Managing organisation : ANIMAR - Associação Portuguesa para o Desenvolvimento Local
Other national partners : AKSEN SOLUÇÕES INFORMATICAS E DE GESTÃO LDA
Caritas Diocesana de Portalegre e Castelo Branco
Caritas Portuguesa
Ideia Alentejo - Associação para Inovação e Desenvolvimento Integrado do Alentej
PROACT - Unidade de Investigação e Apoio Técnico ao Desenvolvimento Local, à Val
EQUAL theme :Adaptability - Adaptation to change and NIT 
Type of DP :Sectoral - Services 
DP Legal status :Association without legal form 
DP identification :PT-2004-216 
Application phase :Approved for action 2 
Selection date :19-09-2005 
Last update :11-03-2008 
Monitoring: 2005  2006   

Rationale

Text available in

- - The overall qualification level of 3rd system technicians may facilitate the experimentation of innovative tools, methodologies and approaches in general. - The importance of developing training and qualifications in this particular universe is strategic if we have in account the positive externalities which come to be levered: 3rd system is a sub-system in the core of a broader system constituted by both public and private services and organisations working on research, local and communitary intervention and development. Namely, 3rd system is a universe where short-term graduated technicians starting a career seek to develop their skills regarding intervention, planning, managing and developing projects. To improve learning and training tools for 3rd system technicians will mean contributing in the same way to organisational learning and upgrading out of the 3rd system limits. - Finally, horizontal managing models are dominant in the sector, where internal communication, participation in decision taking, information/role/responsability sharing are usual. Examples of the open minded attitude dominant in this sector as regards organisational change are the ability for adaptation, cultural assimilation and adoption of innovative concepts, guidelines and methodologies, namely those intrinsic to EU ESF programs, and also the receptivity to practices, principles and managing models imported from other sectors., - - The scarce familiarity of most technicians and association leaders/managers with the use of the most innovative ICT in day-to-day Professional activity seems to be, following the conclusions of the preparatory diagnosis, the fundamental problem/challenge to overcome. - The absence of such innovative practices dealing with ICT tools as regards real time communication and the participation on virtual forums. - Being self-learning a central issue in the project, the planning and development of an e-learning program will require an extraordinary attention to the best strategy as regards motivation and animation of the trainees work and participation, namely as regards the design and animation of virtual working tools, and the planning of really important training subjects, closely adequate to the learning needs of the targeted publics. - Nevertheless, the main challenge will be to create a training model closer to the notion of "training system", following the changeable characteristic of the 3rd system itself, with regard to it's organic composition, it's human resources, intervention areas, publics, and also the existing financing programs. That is to say that, if the learning needs are not constant, the training system must be in the same way diverse and adaptable.

dot Top


Objective

Text available in

More than achieve tangible goods, the "excellence" organisations in order to be more efficient on the intervention territory, has to practice an investigation-action strategy, using non tangible goods, such as training, information, know-how and new working methodologies and instruments. This is a project of empowerment of third sector agents (leaders and technicians), using strategies of distance learning – e-learning – as a new inherent methodology that combine blended learning with study visits, essentially with a practical sense that will complement the learning process. Not believing on e-learning only by itself, the project will develop a new innovative training methodology that increases value and efficacy. The third sector is set up by critical, qualified and young people that are more favourable to this learning model, on information society context. Entities and agents have already assumed that the project has strategically potential to improve strong qualifications on the present and future work of the organisations. The 10 distance training modules, complemented with transversal contents about Men and Woman Equal Opportunities, will developed more direct skills to the beneficiaries of the training process; access to new organisation/management methodologies that will be tested on the platform as instruments of e-collaboration and flexible complementary training. The project aims to fight on the first hand the project intervention territories and on the future enlarged to the two national networks territories, the access discrimination to knowledge, instruments and innovative methodologies, several times non accessible to presential displacement that are more necessary on major dimension urban centres. E-learning is for certain a flexible methodology of training "by measure" of trainees, none obliging great displacements and adapting the rhythms of each one, contributing on a very intensive way to the beneficiary empowerment. The learning contents can be adapted to concrete examples of the intervention territories. The e-learning has innovative advantages: is used on multiple contexts and learning times; individualized management of acquisition processes of knowledge and is a less onerous solution. The presential diagnostic sessions had anticipated some barriers: unavailability to consider this type of learning as a main investment; lack of organizational change strategy and mentality resistance, are some of the most challenging and amply focused obstruction. To fight these obstacles the project has to contemplate a marketing and promotion strategy, leaded by the national entities of the partnership, in order to give some credit to the contents and inherent methodology, presenting 3-learning as an extra value to the entities and agents.

dot Top


Innovation


Nature of the experimental activities to be implemented Rating
Guidance, counselling **
Training **
Training on work place **
Employment aids (+ for self-employment) *
Employment creation and support *
Training of teachers, trainers and staff ***
Improvement of employment services, Recruitment structures *
Conception for training programs, certification **
Anticipation of technical changes **
Work organisation, improvement of access to work places **
Awareness raising, information, publicity *
Studies and analysis of discrimination features **

Type of innovation Rating
Process-oriented ****
Goal-oriented ****
Context oriented ****

dot Top


Budget Action 2

500 000 – 1 000 000 €

dot Top


Beneficiaries


Assistance to persons 
Unemployed  6.0%  2.0% 
Employed  54.0%  36.0% 
Others (without status, social beneficiaries...)  2.0%  0.0% 
  100.0% 
 
Migrants, ethnic minorities, …  0.0%  0.0% 
Asylum seekers  0.0%  0.0% 
Population not migrant and not asylum seeker  62.0%  38.0% 
  100.0%
 
Physical Impairment  0.0%  2.0% 
Mental Impairment  0.0%  0.0% 
Mental Illness  0.0%  0.0% 
Population not suffering from a disability  62.0%  36.0% 
  100.0% 
 
Substance abusers 0.0%  0.0% 
Homeless  0.0%  0.0% 
(Ex-)prisoners  0.0%  0.0% 
Other discriminated (religion, sexual orientation)  0.0%  0.0% 
Without such specific discriminations  62.0%  38.0% 
  100.0% 
 
< 25 year  14.0%  8.0% 
25 - 50 year  42.0%  26.0% 
> 50 year  6.0%  4.0% 
   100.0% 

Assistance to structures and systems and accompanying measures Rating
Gender discrimination **
Support to entrepreneurship *
Low qualification **
Unemployment **

dot Top


Empowerment

 

 With beneficiaries

Participation
Promoting individual empowerment
Developing collective responsibility and capacity for action
Participation in the project design
Participation in running and evaluating activities
Changing attitudes and behavior of key actors

 

 Between national partners

N.C.

dot Top


Transnationality

 

 Linguistic skills

  • português

 Percentage of the budget for transnational activities

  • 0.1%

 Transnational Co-operation Partnerships

Transnational Co-operation Agreement DPs involved
4501 DEVADICT-Development and ICT FR MAR-2004-43720
SK 1

dot Top


Background

 

N.C.

dot Top


Networking

 Interest in networking

Text available in

O produto destina-se a entidades formadoras do Terceiro Sector, nomeadamente as que constituem as redes Cáritas e Animar, podendo ser transferível para diferentes contextos dos quais se destacam autarquias, empresas com responsabilidade social ou entidades públicas e privadas com a mesma tipologia de beneficiários/as finais das entidades do Terceiro Sector. Este produto poderá ser apropriado por entidades com uma forte componente de formação nos seus objectivos ou na sua estratégia organizacional ou de crescimento. As entidades incorporadoras, nomeadamente as duas organizações que não fizeram parte da Acção2, ISS e INSCOOP, foram envolvidas antecipadamente, participando no acompanhamento das etapas finais da acção 2, com o objectivo de garantir um maior envolvimento e melhor conhecimento dos produtos resultantes deste projecto. Este trabalho em rede, anterior ao convite formal de parceria na Acção 3, permitiu analisar o grau de utilidade dos produtos e a sua adequabilidade mediante a realidade de intervenção e especificidades de cada organização. De referir entre as mais valias identificadas aos seguintes aspectos: - Beneficio de conteúdos estruturados e moldados segundo estratégias pedagogicamente ajustadas ao ensino-aprendizagem a distância; - Os conteúdos, pela sua composição modular autónoma, permitem criar e combinar itinerários pedagógicos ajustados e adaptados a necessidades específicas; - A orientação dos conteúdos para matérias de Gestão; - Adequação dos conteúdos às necessidades de formação sentidas pelo sector cooperativo (gestão, marketing, etc.) O papel de cada um dos parceiros incorporadores (ISS, Inscoop e CIG) passará pela inserção nos seus futuros planos de formação de alguns dos cursos e/ou módulos do produto que respondam às necessidades de formação de cada entidade.

 Events

Text available in

O produto destina-se a entidades formadoras do Terceiro Sector, nomeadamente as que constituem as redes Cáritas e Animar, podendo ser transferível para diferentes contextos dos quais se destacam autarquias, empresas com responsabilidade social ou entidades públicas e privadas com a mesma tipologia de beneficiários/as finais das entidades do Terceiro Sector. Este produto poderá ser apropriado por entidades com uma forte componente de formação nos seus objectivos ou na sua estratégia organizacional ou de crescimento. As entidades incorporadoras, nomeadamente as duas organizações que não fizeram parte da Acção2, ISS e INSCOOP, foram envolvidas antecipadamente, participando no acompanhamento das etapas finais da acção 2, com o objectivo de garantir um maior envolvimento e melhor conhecimento dos produtos resultantes deste projecto. Este trabalho em rede, anterior ao convite formal de parceria na Acção 3, permitiu analisar o grau de utilidade dos produtos e a sua adequabilidade mediante a realidade de intervenção e especificidades de cada organização. De referir entre as mais valias identificadas aos seguintes aspectos: - Beneficio de conteúdos estruturados e moldados segundo estratégias pedagogicamente ajustadas ao ensino-aprendizagem a distância; - Os conteúdos, pela sua composição modular autónoma, permitem criar e combinar itinerários pedagógicos ajustados e adaptados a necessidades específicas; - A orientação dos conteúdos para matérias de Gestão; - Adequação dos conteúdos às necessidades de formação sentidas pelo sector cooperativo (gestão, marketing, etc.) O papel de cada um dos parceiros incorporadores (ISS, Inscoop e CIG) passará pela inserção nos seus futuros planos de formação de alguns dos cursos e/ou módulos do produto que respondam às necessidades de formação de cada entidade.

 Products

N.C.

Last update: 19-09-2005 dot Top


National Partners


Partner To be contacted for
ANIMAR - Associação Portuguesa para o Desenvolvimento Local Co-ordination of experimental activities
Design of the project
DP managing organisation
Evaluation
Monitoring, data collection
Transnational partnership
AKSEN SOLUÇÕES INFORMATICAS E DE GESTÃO LDA
Caritas Diocesana de Portalegre e Castelo Branco
Caritas Portuguesa
Ideia Alentejo - Associação para Inovação e Desenvolvimento Integrado do Alentej
PROACT - Unidade de Investigação e Apoio Técnico ao Desenvolvimento Local, à Val

dot Top


Agreement Summary

Text available in

Resumo do Acordo de PD Os parceiros acordam: 1. Objectivos comuns 1.1 Desenvolver em conjunto o projecto acima referenciado, cujo diagnóstico, objectivos, actividades, resultados e processo de avaliação, e plano de financiamento se descrevem no formulário de candidatura à acção 2. 2. Estruturas e processo de funcionamento da Parceria 2.1 Criar à partida as seguintes estruturas de gestão e funcionamento: Comissão Directiva A gestão e coordenação serão feitas em reuniões trimestrais por uma Comissão Directiva constituída pelos dirigentes de todos os parceiros, não obstante as reuniões directivas de carácter mais assíduo dentro de cada membro da PD. Comissão Consultiva Constituída por representantes de todos os parceiros e por vários consultores especialistas ligados a universidades ou entidades especialistas nas áreas da formação. Esta comissão fará a monitorização do projecto, validação de produtos e apoio ao seu reajustamento, estando já definida a participação da CIDM e Universidade de Évora. Esta comissão reunirá com uma periodicidade trimestral, podendo em momentos chave de avaliação, reunir coincidentemente com a Comissão Directiva. Comissão Técnica (equipa permanente, controlo administrativo, controlo financeiro e contabilidade) A Comissão Técnica reunirá mensalmente de forma a tomar decisões técnicas e preparar materiais susceptíveis de decisão política para a Comissão Directiva e Comissão Consultiva. É constituída pelos técnicos de todos os parceiros e fará o planeamento e monitorização do projecto. A equipa permanente é constituída por todos os técnicos e dois directores executivos (Animar e Cáritas) que garantirão o trabalho em parceria, animando a comunicação entre a PD e elaborando o planeamento, monitorização e desenvolvimento das actividades. Haverá ainda a constituição de uma equipa administrativa que fará um controlo de todos os elementos administrativos do projecto. Integrarão a estrutura financeira contabilistas avençadas, garantindo o cumprimento das obrigações legais da parceria. O parceiro interlocutor terá a responsabilidade acrescida da execução das tarefas de controlo financeiro, afectando um responsável financeiro e um ROC. A entidade interlocutora providenciará mecanismos de formação inicial e contactos regulares, dinamizando relatórios participados exigidos pela UG EQUAL, bem como os instrumentos de controlo acordados em CD. 2.2 Implementar o seguinte processo de tomada decisão (destacar nomeadamente processos de dos parceiros, mecanismos que promovam a igualdade de género, etc.): O funcionamento da parceria e o seu processo de tomada de decisão ocorrerá à semelhança das actividades, numa lógica colaborativa, cooperativa e solidariamente responsável. Assim sendo, e apesar de dois dos parceiros se encontrarem mais distantes geograficamente e com responsabilidades mais ligadas com a dinamização da formação ao nível territorial, todas as decisões deverão ser tomadas, mesmo que de forma não presencial, mediante o seu contributo e aprovação. A PD reunirá bimensalmente ao nível da Comissão Directiva e trimestralmente ao nível da Comissão Consultiva. A Comissão Consultiva terá também um papel fundamental ao nível da decisão, sendo constituída por consultores e especialistas As reuniões das diferentes Comissão, deverão ser agendadas pela entidade interlocutora atempadamente e com uma ordem de trabalhos com um mínimo de 5 dias de antecedência. Nem todas as decisões deverão ser tomadas presencialmente, podendo recorrer-se às novas tecnologias da informação que permitem poupar tempo e recursos para uma parceria com alguma dispersão geográfica, utilizando preferencialmente a plataforma colaborativa do projecto. Comissão Directiva A gestão e coordenação serão feitas em reuniões trimestrais por uma Comissão Directiva constituída pelos dirigentes de todos os parceiros, não obstante as reuniões directivas de carácter mais assíduo dentro de cada membro da PD. Comissão Consultiva Constituída por representantes de todos os parceiros e por vários consultores especialistas ligados a universidades ou entidades especialistas nas áreas da formação. Esta comissão fará o controlo, validação e apoio ao reajustamento de todos os produtos do projecto, estando já definida a participação da CIDM e Universidade de Évora, reunindo trimestralmente. Comissão Técnica (equipa permanente, controlo administrativo, controlo financeiro e contabilidade) A Comissão Técnica reunirá mensalmente de forma a tomar decisões técnicas e preparar materiais susceptíveis de decisão política para a Comissão Directiva e Comissão Consultiva. É constituída pelos representantes de todo os parceiros e fará o acompanhamento permanente e supervisão dos trabalhos. Equipa Permanente - constituída por todos os técnicos e dois directores executivos que criarão uma dinâmica entre os vários parceiros, animando a comunicação entre a parceria e elaborando o planeamento, monitorização e desenvolvimento das actividades. Controlo Administrativo – Constituição de uma equipa administrativa, fazendo um controlo de todos os elementos administrativos do projecto. Controlo Financeiro e Contabilidade - Integrarão a estrutura financeira contabilistas avençadas, garantindo o cumprimento das obrigações legais da parceria. O parceiro interlocutor terá a responsabilidade acrescida da execução das tarefas de controlo financeiro, afectando um responsável financeiro e um ROC. A entidade interlocutora providenciará mecanismos de formação inicial e contactos regulares, dinamizando relatórios participados exigidos pela UG EQUAL, bem como os instrumentos de controle acordados com a Comissão Directiva. As responsabilidades definidas especificamente para cada parceiro e o plano orçamental deverão ser encarados pela parceria como orientadores dos objectivos a alcançar e das actividades a realizar, se prejuízo de uma lógica de cooperação em parceria, para que todas as actividades se realizem, física e cronologicamente, da melhor forma. As transferências financeiras a efectuar pela entidade interlocutora, relativa ao reembolso de despesas de qualquer parceiro serão condicionadas pelo fluxo de transferências efectuado pela Unidade de Gestão EQUAL, sendo que a entidade interlocutora apresentará regularmente aos parceiros toda a informação relativa à execução orçamental e às transferências efectuadas pelo Gabinete de Gestão EQUAL, sendo que mediante qualquer problema apresentado por um dos parceiros, a Animar comunicará formalmente ao Gabinete de Gestão. Depois da aprovação do projecto, em eventuais recomendações do Gabinete de Gestão EQUAL, será necessário redefinir metas, objectivos, metodologias e afectação de recursos. Caso algum parceiro não possa, por motivo justificado, realizar algumas das acções inerentes às actividades, cabe à parceria resolver colectivamente este tipo de situações, para que seja assegurada a execução de actividades e orçamento. 2.3 Assegurar a transparência da informação interna relativa ao projecto e à parceria, que será disponibilizada a todos os parceiros da seguinte forma ( ex. recurso às TIC...): As estruturas de gestão e funcionamento previstas e o seu contacto regular ao longo do projecto, permitirão a transparência da informação interna relativa ao projecto, contudo terão de se apoiar estas reuniões em relatórios de trabalho claros e pontos de situação precisos sobre cada assunto. A preocupação, de consolidar instrumentos concretos de gestão e funcionamento, foi já uma preocupação na Acção1, partilhando os mesmos com toda a PD, sendo que foram utilizados nas as reuniões da equipa técnica/comissão directiva, reuniões de dinamização do diagnóstico, reuniões transnacionais e reuniões de consolidação da PD. Até ao momento foram consolidados os seguintes instrumentos de trabalho: - Modelo de acta: ordem de trabalhos, objectivos e principais sínteses das reuniões; - Registo da de actas da PD; - Cronograma

Last update: 11-03-2008 dot Top


ANIMAR - Associação Portuguesa para o Desenvolvimento Local

(ANIMAR)
Rua do Engenho, 10
-
P-7600-337-MESSEJANA Aljustrel

Tel:+351219526012
Fax:219521322
Email:animar@animar-dl.pt

 
Responsibility in the DP: Co-ordination of experimental activities
Design of the project
DP managing organisation
Evaluation
Monitoring, data collection
Transnational partnership
Type of organisation:Other
Legal status:Non-profit private organisation (including NGO...)
Size:Staff < 10
NUTS code:BAIXO ALENTEJO
Date of joining / leaving:16-09-2004 /

Text available in

A Animar – Associação Portuguesa para o Desenvolvimento Local em Meio Rural, foi constituída em Setembro de 1993 como Rede para o Desenvolvimento Local em Meio Rural, após um participado processo de preparação em todo o país, o que, desde logo, lhe conferiu dimensão nacional, confirmada pela composição actual do seu corpo societário e pela sua actuação no terreno. Do conjunto dos objectivos da Animar, devido aos seus próprios estatutos salientamos: - A promoção da igualdade de oportunidades no acesso ao desenvolvimento da qualidade de vida e na redução das assimetrias; - A congregação de esforços e apoios à actuação em prol do Desenvolvimento Local, em rede, e numa lógica territorial, de organizações, grupos e indivíduos. Ao longo dos anos, a intervenção da Animar tem incidido especialmente sobre as seguintes áreas: - Análise do impacto das políticas nacionais e comunitárias e apresentação e defesa de propostas que promovam o desenvolvimento local/rural; - Produção, edição e difusão de documentos e realização de seminários, colóquios, conferências, feiras e outras iniciativas, sobre questões relativas ao desenvolvimento local/rural; - Promoção de acções de formação e apoio à concepção de candidaturas a projectos e/ou programas relevantes. - Representação do movimento de desenvolvimento local junto de diversas entidades e instituições, nomeadamente das suas potencialidades e reivindicações. Na área da animação da rede, destacamos que, para além do contacto regular com os seus associados, da realização de reuniões de trabalho e das respostas dadas às solicitações recebidas, a Animar tem promovido acções específicas de animação, sendo de realçar que todas elas foram concretizadas em parceria ou com a contribuição de associações, sendo de destacar a realização da MANIFesta - Assembleia, Feira e Festa do Desenvolvimento Local, que conta já com cinco edições.



Contact person(s)

Name First name Phone E-mail Responsibility
Miguel Torres Bruno Miguel +351219526012 animar@animar-dl.pt Entity contact person responsable for this project

Last update: 11-03-2008 dot Top


AKSEN SOLUÇÕES INFORMATICAS E DE GESTÃO LDA

(AKSEN)
Avenida Rovisco Pais nº 6 - A
-
P-1000-268-LISBOA Lisboa

Tel:+351218480703
Fax:218480703
Email:geral@aksen.pt

 
Responsibility in the DP:
Type of organisation:Enterprise
Legal status:Private
Size:Staff < 10
NUTS code:GRANDE LISBOA
Date of joining / leaving:29-09-2004 /

Text available in

A Aksen - Soluções Informáticas e de Gestão é uma empresa de Novas Tecnologias fundada em 2003 que nasceu da partilha de concepções e competências de 3 sócios licenciados em Informática e Gestão de Empresas pelo ISCTE. Com formação integrada e ambivalente nos domínios das Ciências de Gestão e das Tecnologias Avançadas da Informação e das Comunicações, a equipa da Aksen pretende intervir ao nível da sua oferta de serviços em áreas chave do desenvolvimento da sociedade (desenvolvimento organizacional, ensino e formação, ambiente, bem-estar, desenvolvimento sustentável, desenvolvimento do 3º sector) através da aplicação e concepção de novas tecnologias. As principais áreas de intervenção da empresa são: - E-Learning - Internet e Aplicações Web - Software e Sistemas de Informação - Redes de Computadores e Sistemas Distribuídos - Design Gráfico e Multimédia - Auditoria / Consultoria



Contact person(s)

Name First name Phone E-mail Responsibility
Rodrigo José Soares e Castro Rodrigo +351933203865 rodrigo.castro@aksen.pt Entity contact person responsable for this project

Last update: 11-03-2008 dot Top


Caritas Diocesana de Portalegre e Castelo Branco

(-)
Rua 15 de Maio, 11
-
P-7300-206-PORTALEGRE Portalegre

Tel:+351245202772
Fax:245202730
Email:caritas.ptg@iol.pt

 
Responsibility in the DP:
Type of organisation:Organisation providing support and guidance for disadvantaged groups
Legal status:Non-profit private organisation (including NGO...)
Size:Staff < 10
NUTS code:ALTO ALENTEJO
Date of joining / leaving:13-05-2005 /

Text available in

A Cáritas Diocesana de Portalegre e Castelo Branco é um serviço da Igreja Diocesana destinado à promoção e exercício da sua acção social. Foi canonicamente erecta pelo Ordinário Diocesano em 22-11-1976, mediante aprovação dos seus estatutos. É também uma Instituição Particular de Solidariedade Social, reconhecida como pessoa colectiva de utilidade pública, cujo registo foi lavrado em 06/01/2004 no termos do n.º 2 do art.º 3.º do Regulamento aprovado pela portaria n.º 778/83, através da inscrição n.º 07/2004, fls. 113 verso do livro n.º 6 das Fundações de Solidariedade Social. O âmbito da acção da Cáritas Diocesana abrange toda a área geográfica da Diocese de Portalegre e Castelo Branco (Concelhos da zona norte do Distrito de Portalegre, Distrito de Castelo Branco e concelhos da zona norte do Distrito de Santarém), estando sedeada na cidade de Portalegre. Tem como orientações fundamentais a doutrina social da Igreja, as definidas pelo plano pastoral diocesano, os imperativos da solidariedade e a legislação civil e canónica, atribuindo as seguintes prioridades: - A assistência em situações de dependência e emergência; - A promoção social, visando a superação e prevenção da dependência ou emergência e o reforço da autonomia pessoal; - O desenvolvimento solidário, integral e personalizado; - A transformação social em profundidade, especialmente nos domínios das relações sociais, dos valores e do ambiente. Tem como objectivos principais: - O conhecimento dos problemas sociais no território da diocese e dos meios de solução; - A partilha de bens; - O apoio aos grupos paroquiais de acção social, e às instituições; - O fomento do voluntariado; - A congregação de esforços tendentes à prevenção e solução de problemas sociais, com prioridade para os mais graves; - A intervenção e mediação junto de entidades públicas ou privadas, visando idêntico objectivo; - A cooperação com outras entidades e a participação em órgãos, iniciativas ou actuações que possam contribuir para o mesmo objectivo.



Contact person(s)

Name First name Phone E-mail Responsibility
Elicídio Dinis Pereira Bilé Elicídio +351245202722 caritas.ptg@iol.pt Entity contact person responsable for this project

Last update: 11-03-2008 dot Top


Caritas Portuguesa

(-)
Praça Pasteur, nº 11, 2º esq.
-
P-1750-238-LISBOA Lisboa
-

Tel:+351218454220
Fax:218454221
Email:-

 
Responsibility in the DP:
Type of organisation:Organisation providing support and guidance for disadvantaged groups
Legal status:Non-profit private organisation (including NGO...)
Size:Staff < 10
NUTS code:GRANDE LISBOA
Date of joining / leaving:17-09-2007 /

Text available in

A Cáritas Portuguesa é a federação nacional das 20 Cáritas Diocesanas distribuídas pelo território continental e regiões autónomas dos Açores e da Madeira. Em conjunto, regem-se pela doutrina social da Igreja e orientam a sua acção de acordo com os imperativos da solidariedade, dando resposta às situações mais graves de pobreza, exclusão social e situações de emergência em resultado de catástrofes naturais ou calamidade pública. A Cáritas tem como objectivos a assistência em situações de emergência ou dependência, a promoção da autonomia e do desenvolvimento integral de cada ser humano e a transformação nos domínios sociais e ambientais de acordo com os valores da ética cristã. Intervém na implementação de programas de apoio materno-infantil, infanto-juvenil, terceira idade, mulheres vítimas de violência doméstica bem como na luta contra a exclusão social, em especial no apoio às minorias étnicas, comunidades de imigrantes e suas famílias, toxicodependentes, seropositivos e alcoólicos. Promove a reflexão sobre os problemas sociais, vias de solução e fomento da solidariedade, difundindo os resultados. Fomenta o voluntariado, a cooperação e o intercâmbio entre as instituições filiadas; intervenção junto das entidades públicas e privadas com o mesmo objectivo. Tem representação em várias entidades nacionais e internacionais, nomeadamente a Cáritas Europa e a Cáritas Internacional.



Contact person(s)

Name First name Phone E-mail Responsibility
Rita Valadas Marques Rita +351218454220 caritas.int.social@mail.telepac.pt Entity contact person responsable for this project

Last update: 11-03-2008 dot Top


Ideia Alentejo - Associação para Inovação e Desenvolvimento Integrado do Alentej

(IDEIA ALENTEJO)
Rua Rossio do Pinheiro
-
P-7090-049-ALCÁÇOVAS Viana do Alentejo

Tel:+351266948070
Fax:266706199
Email:ideialentejo@iol.pt

 
Responsibility in the DP:
Type of organisation:Other
Legal status:Non-profit private organisation (including NGO...)
Size:Staff < 10
NUTS code:ALENTEJO CENTRAL
Date of joining / leaving:13-05-2005 /

Text available in

Associação de Desenvolvimento Local/Regional cujos sócios são diversas ADL radicadas no Alentejo. Tem como objectivos a promoção e apoio do desenvolvimento local no Alentejo numa perspectiva de cooperação e representação do seus associados, desenvolvendo as seguintes actividades: - Produção e divulgação de informação e documentação relevante para o desenvolvimento local; - Dinamização, apoio e participação em fóruns de reflexão e discussão de estratégias de desenvolvimento para o Alentejo; - Concepção, execução e apoio a acções de animação para o desenvolvimento local; - Promoção de actividades e projectos com vista à qualificação das organizações de desenvolvimento local do Alentejo; - Representação dos associados junto de instâncias públicas e privadas a nível local e regional, nacional e internacional;



Contact person(s)

Name First name Phone E-mail Responsibility
Francisco Fragoso Francisco +351266948070 folfragoso1@sapo.pt Entity contact person responsable for this project

Last update: 11-03-2008 dot Top


PROACT - Unidade de Investigação e Apoio Técnico ao Desenvolvimento Local, à Val

(PROACT)
Edifício ISCTE, Av. das Forças Armadas, Lisboa
-
P-1649-026-LISBOA Lisboa

Tel:+351217903008
Fax:217903008
Email:rogerio.amaro@iscte.pt

 
Responsibility in the DP:
Type of organisation:Other
Legal status:Non-profit private organisation (including NGO...)
Size:Staff < 10
NUTS code:GRANDE LISBOA
Date of joining / leaving:13-05-2005 /

Text available in

A “PROACT” é uma Unidade de Investigação e Apoio Técnico, constituída por escritura notarial em 17 de Outubro de 1997, que procura situar-se na continuidade da maioria das actividades de investigação desenvolvidas no âmbito formal da Secção Autónoma de Economia (S.A.E.) do I.S.C.T.E., nos 10 anos anteriores àquela. Nos últimos anos, a PROACT tem estado envolvida em vários Projectos, entre os quais:: •Estudo dos serviços de proximidade em Portugal – análise da procura e da oferta e das suas perspectivas de evolução; •Projecto “ PRÍNCIPES DO NADA” de apoio à Freguesia de Carnide (Lisboa), no âmbito do Programa Nacional da Luta Contra a Pobreza; •Projecto de investigação sobre Formas de inserção sócio-económica da população com incapacidades em Portugal – estudo exploratório II; •Criação e apoio a uma empresa de inserção, no âmbito do Mercado Social de Emprego; •Apoio à implementação de um Projecto de Luta Contra a Pobreza no concelho de Pinhel – PODEPI; •Projecto STEP – O Programa Nacional de Luta Contra a Pobreza em Portugal - análise de uma experiência e das suas sugestões e perspectivas; •Apoio técnico e consultoria ao Projecto de Apoio à Família e à Criança, no âmbito do Programa SER CRIANÇA; •Apoio à constituição e gestão de uma Cooperativa de Baby-sitting; •Concepção, organização e monitoragem do módulo de reciclagem para os formadores do IEFP sobre As estratégias de formação junto dos públicos desfavorecidos; •Participação no Projecto IES—Inovar na Economia Social, no âmbito do Programa EQUAL; •Participação no Projecto Convergências, no âmbito da EQUAL; •Concepção, organização e monitoragem da formação (120h x 4 locais) para todos os técnicos de intervenção do Instituto de Acção Social da Região Autónoma dos Açores, sobre A intervenção social numa perspectiva de Projecto de Desenvolvimento Local; •Estudo sobre A Economia Solidária nos Açores-Elementos de caracterização e Avaliação—o caso da CRESAÇOR; •Apoio e assistência técnica aos Projectos CORES (Economia Solidária” e “EXTREMOS” (Desenvolvimento Local); •Realização de um Estudo de Avaliação das Empresas de Inserção em Portugal, no âmbito do POEFDS; A PROACT pretendeu portanto situar-se num “nicho de mercado”, nas áreas conjuntas da investigação, do apoio técnico e da promoção de projectos de Desenvolvimento Local, de estudos e de valorização ambiental e de luta contra a exclusão social, que não estava ainda preenchido no I.S.C.T.E., a não ser parcialmente, uma vez que tenta articular as dimensões social, psicossocial, económica (na conjugação dos domínios da Economia do Ambiente, da Economia do Desenvolvimento, da Economia Social e da Economia do Território) e empresarial (por exemplo, no apoio à criação e gestão de empresas para públicos excluídos, e na relação com redes europeias e nacionais das empresas para a coesão social – casos da EBNSC/ European Business Network for Social Cohesion e GRACE).



Contact person(s)

Name First name Phone E-mail Responsibility
Rogério Roque Amaro Rogério +351217903273 rogério.amaro@iscte.pt Entity contact person responsable for this project

Last update: 11-03-2008 dot Top



 
 
 
 

 
 
 
 

 
 
 
 
Warning! This section is not meant to be read directly, but rather be navigated through from the main page above.
 
 
 
 

E-QU@LIFICACAO - CAPACITAR PARA INOVAR

Rationale

Text available in

- - Entre os aspectos mais positivos apresenta-se, sobretudo, o nível global de qualificações elevado entre os técnicos das organizações do 3º sector, o que potencia a experimentação de instrumentos, metodologias e formas inovadoras de abordagem dos problemas. - Em segundo lugar, relevamos a importância estratégica do desenvolvimento da formação neste sector de actividade dadas as externalidades positivas que podem ser desencadeadas no que diz respeito ao desenvolvimento do recursos humanos: o 3º sector é um sub-sistema no seio de um sistema mais vasto de organizações e serviços, inclusive públicos e privados, relacionados com a investigação, a intervenção local e comunitária e o desenvolvimento. Concretamente, o 3º sector é um universo onde, frequentemente, recém-licenciados no início do seu percurso profissional aprendem e desenvolvem as suas competências de intervenção, planeamento, gestão e desenvolvimento de projectos. Desenvolver instrumentos para a qualificação dos técnicos do 3º sector é, por conseguinte, contribuir para o desenvolvimento e qualificação organizacional dentro e fora do mesmo. - Por fim, predominam no 3º sector modelos de gestão marcadamente horizontais que potenciam a comunicação interna, a participação na decisão, a partilha de informação, funções e responsabilidades entre os diferentes níveis hierárquicos, quando estes existem. A polivalência e a capacidade de adaptação e aculturação relativamente a conceitos, princípios e metodologias inovadoras, inclusive desenvolvidas nos programas de iniciativa comunitária, e ainda a receptividade ao contacto com práticas, políticas e modelos de gestão mais praticados noutros sectores de actividade, são igualmente exemplo da abertura deste universo a fenómenos de mudança organizacional., - - A pouca familiaridade da maioria dos técnicos e dirigentes com a utilização das ferramentas TIC mais inovadoras na prática profissional quotidiana, e especialmente em contexto de formação, parece, de acordo com os resultados do diagnóstico, ser o principal problema/desafio a ultrapassar. - A ausência de algumas práticas inovadoras de comunicação com recurso às TIC, nomeadamente no que diz respeito à comunicação síncrona, na realização de reuniões e fóruns virtuais. - Tratando-se de um contexto de auto-aprendizagem, o planeamento e desenvolvimento de programas de formação à distância irá requerer um investimento extraordinário na estratégia de motivação e dinamização do trabalho dos formandos, com recurso a uma construção e animação adequadas dos espaços virtuais, e na programação "à medida" das necessidades mais pertinentes de qualificação. - Não obstante, o principal desafio reside na capacidade de criar um modelo de formação orientado mais para o conceito de "sistema formativo" do que de "programa", tendo em conta o carácter dinâmico do 3º sector ao nível da sua composição orgânica, dos seus recursos humanos, áreas de intervenção e destinatários, e ainda dos programas/instrumentos financeiros disponíveis. Ou seja, as próprias necessidades formativas são mutáveis, o que remete para a necessidade de um sistema de formação igualmente diversificado, modulável e adaptável.

dot Top


Objective

Text available in

Mais do que atingir bens tangíveis, as organizações "de excelência" para se tornarem mais eficazes na sua intervenção nos territórios junto de públicos + desfavorecidos, terão cada vez mais de praticar uma estratégia de investigação-acção, tirando partido de bens invisíveis, como sejam a (in)formação, o know-how, as novas metodologias e os instrumentos de trabalho. Trata-se de 1 projecto de empowerment dos agentes do 3ºS (dirigentes e técnicos), utilizando estratégias de aprendizagem à distância – e-learning – com uma nova metodologia inerente que mistura o blended learning c/ visitas de estudo, de componente essencialmente prática que complementará o processo de aprendizagem. Não acreditando no e-learning "puro e duro", o proj visa desenvolver uma metod inovadora de formação que acrescenta valor à anteriormente referida. O 3ºS é constituído por uma massa crítica qualificada e jovem + propícia a esta modalidade de aprendizagem no contexto da sociedade da informação, tendo já ao nível da A1 as entidades e os agentes reconhecido o proj como potenciador estratégico de qualificações importantes para o trabalho de presente e futuro das organizações. Os 10 módulos de formação à distância, complementados com conteúdos transversais de IOMH, permitirão uma preparação mais direccionada para o posto de trabalho que os beneficiários da formação ocupam; acesso a novas metodologias de organização/gestão que serão colocados na plataforma c/ instrumentos de e-col@boração e 1 formação complementar flexível. O proj ajudará a combater primeiramente nos territórios de intervenção do proj e de futuro alargado a estas 2 redes nacionais e a outras organizações do 3ºS, a discriminação no acesso ao saber e a instrumentos e metodologias inovadoras, mas muitas vezes inacessíveis pelas deslocações presenciais que é necessário fazer aos centros urbanos de maior dimensão. O e-learning é sem dúvida uma metodologia flexível de formação "à medida" dos formandos, não obrigando a grandes deslocações e adaptando-se aos ritmos de cada um, contribuindo de forma intensa para o empowerment dos beneficiários, podendo os conteúdos de aprendizagem adaptar-se a exemplos concretos dos seus territórios de intervenção. O e-learning tem vantagens inovadoras: passível de utilização em múltiplos contextos e tempos de aprendizagem; gestão individualizada do processo de aquisição de conhecimentos e solução menos onerosa. O proj permitiu antecipar a partir das sessões de dinamização presencial do diagnóstico algumas barreiras: indisponibilidade para considerar o investimento prioritário; falta de estratégia de mudança organizacional; resistência ao nível das mentalidades; são talvez os mais desafiantes e amplamente focadas. Para combater estes obstáculos de ser associada uma estratégia de marketing e promoção, liderada pelas entidades nac da parceria, no sentido de credibilizar os conteúdos e a metodologia inerente, apresentando o 3-learning como uma mais valia para as entidades e agentes.

dot Top



Logo EQUAL

Home page
DP Search
TCA Search
Help
Set Language Order
Statistics