IMPORTANT LEGAL NOTICE
 

 SafeWork ascii version

Portugal

 
DP Managing organisation : CENTIMFE- Centro Tecnológico da Industria de Moldes e Ferramentas Especiais
Other national partners : AZEMOLDES MOLDES AZEMEIS LDA
CEFAMOL- Associação Nacional da Indústria de Moldes
INTEPLASTICO INDUSTRIAS TECNICAS PLASTICOS SA
ITJ INTERNACIONAL MOLDES LDA
Municipio da Marinha Grande
EQUAL theme :Adaptability - Adaptation to change and NIT 
Type of DP :Sectoral - Industrial 
DP Legal status :Association without legal form 
DP identification :PT-2004-215 
Application phase :Approved for action 2 
Selection date :04-10-2005 
Last update :11-03-2008 
Monitoring: 2005  2006   

Rationale

Text available in

- The diagnosis made in Action 1 gathered 19 mouldmaking and plastic companies, which, in what concerns SHW, present very different situations, but common concerns.A diagnosis report was made for each company pointing out good practices and aspects to improve (about 50 pages of information). Therefore, strengths and weaknesses are here resumed.STRENGTHSSome companies already have: Selective waste collection (environmental concerns); occasional events for sensitizing for SHW; Some equipments with users’ manual for risks’ prevention; Identification of noxious substances for health; Auxiliary systems for cargo moving; Safety Cards in some equipments (cares to have when using); Oils cleaning aspects to reduce falling risks; In very occasional situations, it exists the involvement/ partnership with Occupational Medicine Services; Areas of greater noise are isolated in order to protect workers from noise exposal; Individual Protection Equipments (IPEs) availability; some workstations ergonomically adapted (e.g. rotary chairs with feet support).OPORTUNITIES:Use the available regulation and promote the legislation fulfillment of the Working Code and Legislation on Health, Hygiene and Safety at Work;Creation of an information system on accidents at work, for analysis and treatment of it, in order to identify causes and define preventive actions. In the diagnosis phase, it were identified, e.g., the damaged body areas, which allowed to take conclusions about the lack or misusage of IPEs and the hours of more accidents (middle in the morning or afternoon), which allows to relate it with pauses or lack of it.Organize the SHW services in companies, in order to obtain negotiable advantages with insurance companies;Willingness to improve., - WEAKNESSES:Inexistence of Internal Communication Systems on SHW;Inexistence of sensitization campaigns on SHW;Inexistence of IS that allow the planning of preventive actions;Unknowledge/non-observance of the legislation on HHSW (fines);Work accidents with consequences to workers’ health and absenteeism in companies;Regular consumption of alcoholic drinks by workers;Lack of knowledge of the IPEs (gloves, boots, earphones, masks, etc.) adapted to the factors of risk (prevention); workstations that don’t allow the evacuation of workers (non-registered and/or blocked areas); Non-usage of IPEs by cooperators; Inexistence of breaks in order to minimize the risk of occupational diseases in repetitive tasks; Exposal to intense noise; Lack of ergonomical concerns in workstations; Penalizing costs with insurance companies by the “insecure” companies. Inexistence of an Industrial Emergency Plan; Lack of sensitization of cooperators for Safe Behaviors; Generalized lack of SHW plates; Lack of identification of noxious substances and preventive measures; Electrical risks; Unknowledge of procedures about manual cargo moving; Inexistence of equipment Safety Files; Lack of involvement with occupational medicine services; Total lack of interaction with rescue services: Firemen and Civil Protection; In the productive area of the mouldmaking sector, lack of women WC (conditioning for the equality of opportunities); Lack of accessibility conditions for handicapped workers (conditioning the (re) integration); Lack of generalized knowledge of “how to behave in case of emergency”.THREATS:Difficulties that may condition actions that carry costs; Challenge in keeping enthusiasm and willingness to improve for a long period of time;

dot Top


Objective

Text available in

The project has as general purpose the sensitization of managers of the mouldmaking and plastics industries, partners of these companies and the whole community to the importance and intake of the SHW rules. These sectors of activity have specific needs that form the productive performance of the companies, its sustainability and, above all, the quality of life of the workers and the integration parity. This project aims to develop procedures and guiding tools in order to meet this specificity, stimulating and guiding the development of activities of the organizational function of the SHW services in companies and also its social responsibility. The identified main intervention areas are performed in the following activities: -Sensitization of managers and partners to the theme of SHW by developing sensitizing material (flyers, practical manuals, posters) and promoting training activities; -Coordination aiming the improvement of the physical conditions in the company, in order to allow the integration of all workers, including victims of accidents/handicapped; -Development of competences in the area of emergency management by promoting training, guidance tools for the organization of SHW services in the sector and coordination of simulation exercises; -Development of methods and guiding and execution tools for the essential actions to the organization of SHW Services; -Study and implementation of actions that will lead to the implementation of the integrated SHW management in management systems already implemented; -(Re) Organize work in SMEs in order to prevent and control risks; -Create the Fórum Empresarial (Corporative Forum) – a wide cooperation, repository and important SHW information network that will be collecting and promotion vehicles of relevant information; -Promotion of social responsibility with sensitization actions aiming to promote conciliation of the professional and personal life, motivation and stress management, among others; -Promote self-training with the aid of ICT and training at the workstation with the purpose to give him/her execution autonomy in the activities and, therefore, assure its continuity; -Disseminate good practices by collecting and disseminating reports of the interveners directly involved in the conception and use of the support material, tools and training contents. The execution of these activities results in a set of products directed to managers, internal security promoters (ISP), workers, handicapped people and local community -Distribution of material (practical manuals, flyers, posters) -Digital self-evaluation tool for the evaluation of risks; -Orientation guide for the ISPs activities “Structuring of the SHW Services – How?” -Orientation guide for the definition of the “emergency plan – how to structure it” -Acting guide facing emergency “How to act in an accident” -Digital repository: Legislation and relevant information on SHW

dot Top


Innovation


Nature of the experimental activities to be implemented Rating
Guidance, counselling *
Training **
Training on work place **
Work placement *
Job rotation and job sharing *
Training of teachers, trainers and staff **
Improvement of employment services, Recruitment structures *
Conception for training programs, certification **
Anticipation of technical changes **
Work organisation, improvement of access to work places **
Awareness raising, information, publicity **
Studies and analysis of discrimination features **

Type of innovation Rating
Process-oriented ***
Goal-oriented ***
Context oriented **

dot Top


Budget Action 2

500 000 – 1 000 000 €

dot Top


Beneficiaries


Assistance to persons 
Unemployed  0.0%  0.0% 
Employed  48.8%  51.2% 
Others (without status, social beneficiaries...)  0.0%  0.0% 
  100.0% 
 
Migrants, ethnic minorities, …  0.0%  0.0% 
Asylum seekers  0.0%  0.0% 
Population not migrant and not asylum seeker  48.8%  51.2% 
  100.0%
 
Physical Impairment  0.0%  0.0% 
Mental Impairment  0.0%  0.0% 
Mental Illness  0.0%  0.0% 
Population not suffering from a disability  48.8%  51.2% 
  100.0% 
 
Substance abusers 0.0%  0.0% 
Homeless  0.0%  0.0% 
(Ex-)prisoners  0.0%  0.0% 
Other discriminated (religion, sexual orientation)  0.0%  0.0% 
Without such specific discriminations  48.8%  51.2% 
  100.0% 
 
< 25 year  5.7%  9.9% 
25 - 50 year  35.9%  33.2% 
> 50 year  7.1%  8.2% 
   100.0% 

Assistance to structures and systems and accompanying measures Rating
Gender discrimination *
Support to entrepreneurship *
Disabilities **
Low qualification *

dot Top


Empowerment

 

 With beneficiaries

Participation
Promoting individual empowerment
Participation in the project design
Participation in running and evaluating activities
Changing attitudes and behavior of key actors

 

 Between national partners

N.C.

dot Top


Transnationality

 

 Linguistic skills

  • português

 Percentage of the budget for transnational activities

  • 0.1%

 Transnational Co-operation Partnerships

Transnational Co-operation Agreement DPs involved
4156 Transnational Experience Network: Knowledge & Organisation (TENKO) ES ES20040264
PL 81
UKgb 171

dot Top


Background

 

N.C.

dot Top


Networking

 Interest in networking

Text available in

Os potenciais utilizadores do Kit SafeWork, são as PMEs, preferencialmente industriais que reconheçam que as condições de trabalho, são um factor de motivação e melhoria de desempenho dos seus colaboradores; paralelamente as empresas que reconheçam que a temática da Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho, não á apenas um mero requisito legal a que todos estão obrigados, mas sim uma temática de importância vital para a empresa e para os seus Recursos, quer Humanos, quer materiais. Da experiência vivenciada ao longo do desenvolvimento do Projecto SafeWork, das questões colocadas, dos pedidos de ajuda, como consequência da promoção entretanto desenvolvida, foram inúmeras as empresas e Técnicos Superiores de Higiene e Segurança no trabalho que nos questionavam sobre a disponibilização de ferramentas de apoio à Gestão da Segurança nas PMEs. Paralelamente, Técnicos Superiores de Higiene e Segurança no Trabalho, ou formandos deste curso de nível V, são também potenciais utilizadores das ferramentas do Kit. A participação dos destinatários na concepção dos produtos, esteve presente ao longo do desenvolvimento do Projecto, com grande ênfase dos sectores envolvidos (Moldes e Plásticos), sendo que outros destinatários que vêm utilizando as ferramentas informáticas (GAT e FAAR), têm colocado questões e sugerido alguns apports; Paralelamente, as empresas registadas e utilizadoras das ferramentas, foram inquiridos quanto à sua utilização, sendo que as respostas e a forma de utilização são muito satisfatórias. Paralelamente, a participação em seminários e Workshops, as reuniões do Forum Empresarial, foram duas formas de inputs importantes para auscultar as necessidades de outros destinatários e contemplar as sugestões de solução no próprio conteúdo dos Guias. O Kit SafeWork, foi concebido para responder às necessidades de empresas industriais, centrado em PMEs, a que corresponde um leque alargado de empresas, que normalmente não dispõe de um Técnico afecto exclusivamente à área da Segurança e cujas empresas sentem necessidade de pelo menos cumprir a lei; só que a lei diz o que tem que cumprir e não diz como fazer; na opinião dos destinatários este Kit é o seu HELP. O desenvolvimento das ferramentas informáticas e dos respectivos Guias de Apoio ao Utilizador, não são ferramentas de simples tratamento de dados, mas consubstanciam uma série de análise em diversos domínios, alertando para o desenvolvimento de medidas preventivas adequadas à redução do riscos de acidente; os Guias de Apoio à Elaboração do Plano de Emergência Interno e o Guia de Apoio ao PIS – Promotor Interno de Segurança, são dois instrumentos que ensinam “step by step”, quer a organizar a resposta à emergência, quer a Organizar os Serviços Internos de Segurança no Trabalho. Paralelamente, os Recursos disponibilizados, configuram algumas sugestões instrumentais ao PIS, quer quanto à partilha de informação, quer quanto ao envolvimento dos trabalhadores nas questões da segurança.

 Events

Text available in

Os potenciais utilizadores do Kit SafeWork, são as PMEs, preferencialmente industriais que reconheçam que as condições de trabalho, são um factor de motivação e melhoria de desempenho dos seus colaboradores; paralelamente as empresas que reconheçam que a temática da Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho, não á apenas um mero requisito legal a que todos estão obrigados, mas sim uma temática de importância vital para a empresa e para os seus Recursos, quer Humanos, quer materiais. Da experiência vivenciada ao longo do desenvolvimento do Projecto SafeWork, das questões colocadas, dos pedidos de ajuda, como consequência da promoção entretanto desenvolvida, foram inúmeras as empresas e Técnicos Superiores de Higiene e Segurança no trabalho que nos questionavam sobre a disponibilização de ferramentas de apoio à Gestão da Segurança nas PMEs. Paralelamente, Técnicos Superiores de Higiene e Segurança no Trabalho, ou formandos deste curso de nível V, são também potenciais utilizadores das ferramentas do Kit. A participação dos destinatários na concepção dos produtos, esteve presente ao longo do desenvolvimento do Projecto, com grande ênfase dos sectores envolvidos (Moldes e Plásticos), sendo que outros destinatários que vêm utilizando as ferramentas informáticas (GAT e FAAR), têm colocado questões e sugerido alguns apports; Paralelamente, as empresas registadas e utilizadoras das ferramentas, foram inquiridos quanto à sua utilização, sendo que as respostas e a forma de utilização são muito satisfatórias. Paralelamente, a participação em seminários e Workshops, as reuniões do Forum Empresarial, foram duas formas de inputs importantes para auscultar as necessidades de outros destinatários e contemplar as sugestões de solução no próprio conteúdo dos Guias. O Kit SafeWork, foi concebido para responder às necessidades de empresas industriais, centrado em PMEs, a que corresponde um leque alargado de empresas, que normalmente não dispõe de um Técnico afecto exclusivamente à área da Segurança e cujas empresas sentem necessidade de pelo menos cumprir a lei; só que a lei diz o que tem que cumprir e não diz como fazer; na opinião dos destinatários este Kit é o seu HELP. O desenvolvimento das ferramentas informáticas e dos respectivos Guias de Apoio ao Utilizador, não são ferramentas de simples tratamento de dados, mas consubstanciam uma série de análise em diversos domínios, alertando para o desenvolvimento de medidas preventivas adequadas à redução do riscos de acidente; os Guias de Apoio à Elaboração do Plano de Emergência Interno e o Guia de Apoio ao PIS – Promotor Interno de Segurança, são dois instrumentos que ensinam “step by step”, quer a organizar a resposta à emergência, quer a Organizar os Serviços Internos de Segurança no Trabalho. Paralelamente, os Recursos disponibilizados, configuram algumas sugestões instrumentais ao PIS, quer quanto à partilha de informação, quer quanto ao envolvimento dos trabalhadores nas questões da segurança.

 Products

N.C.

Last update: 04-10-2005 dot Top


National Partners


Partner To be contacted for
CENTIMFE- Centro Tecnológico da Industria de Moldes e Ferramentas Especiais Co-ordination of experimental activities
Design of the project
DP managing organisation
Evaluation
Monitoring, data collection
Transnational partnership
AZEMOLDES MOLDES AZEMEIS LDA
CEFAMOL- Associação Nacional da Indústria de Moldes
INTEPLASTICO INDUSTRIAS TECNICAS PLASTICOS SA
ITJ INTERNACIONAL MOLDES LDA
Municipio da Marinha Grande

dot Top


Agreement Summary

Text available in

Resumo do Acordo de PD Os parceiros acordam: 1. Objectivos comuns 1.1 Desenvolver em conjunto o projecto acima referenciado, cujo diagnóstico, objectivos, actividades, resultados e processo de avaliação, e plano de financiamento se descrevem no formulário de candidatura à acção 2. 2. Estruturas e processo de funcionamento da Parceria 2.1 Criar à partida as seguintes estruturas de gestão e funcionamento: A estrutura e o processo de funcionamento da parceria, são estruturados de forma a ter em consideração os diferentes posicionamentos dos parceiros, bem como o seu envolvimento. A estrutura de Gestão, denominada Comité de Gestão, é constituído pelo representante de cada entidade na parceira, indigitado para o efeito. Cada entidade parceira, nomeia um coordenador interno do Projecto, que será por inerência o representante da entidade na parceria, com direito a voto (1 entidade = 1 voto). As equipas técnicas são formadas pelos técnicos indigitados pelo representante da entidade, que irão desenvolver as actividades de acordo com o cronograma proposto e aprovado pela parceria. A coordenação das actividades e subactividades do projecto será liderada pelo parceiro indicado para o efeito, sendo este responsável pela coordenação e acompanhamento do desenvolvimento das acções, cuja informação deverá ser remetida ao coordenador global do projecto, cuja função é da responsabilidade do Centimfe, que também assume a função de entidade interlocutora 2.2 Implementar o seguinte processo de tomada decisão (destacar nomeadamente processos de dos parceiros, mecanismos que promovam a igualdade de género, etc.): O processo de tomada de decisão, é acordado da seguinte forma: -Para questões de gestão corrente do Projecto, a decisão pode ser tomada pela entidade interlocutora/coordenador global do projecto; -As decisões serão tomadas em reunião de parceria, sempre que haja alterações ao proposto em candidatura, quer em relação às actividades, quer em relação às equipas, quer em relação à coordenação de actividades. Nestes casos, as decisões serão tomadas por maioria, sendo que no caso de empate, o representante da entidade interlocutora tem voto de qualidade. -As revisões ao APD - Acordo de Parceria de Desenvolvimento, serão sempre colocadas como “adenda” do APD e referenciadas pelo número de revisão (rev1, rev2, etc.). Qualquer parceiro pode propor revisões do APD, que deverão ser analisadas e votadas por maioria em reunião do Comité de Gestão. Se as revisões a propor conduzirem ou puderem inviabilizar o projecto ou coloquem em causa os procedimentos instituídos pela legislação e guias de apoio ao utilizador, o representante da entidade interlocutora poderá vetar essas propostas de revisão. Salvo nos casos descritos, as decisões serão tomadas pelo Comité de Gestão, que responsabilizará solidariamente todos os representantes. 2.3 Assegurar a transparência da informação interna relativa ao projecto e à parceria, que será disponibilizada a todos os parceiros da seguinte forma ( ex. recurso às TIC...): O proc de inf e comunic dentro da PD, será:Em reun d coord e/ou d eqp técn; Preferencial por e-mail, podendo ser utili o fax p/ inf escrt; No repositório, sp k o processo o recomend;Por fax, p/ transm de inf escr, podendo mm nst caso ser enviado por meio electr, em PDF. 2.4. Dif de Resuls: A PD acorda entre si proced à dif púb ds results, quer intercs, quer finais; a particip d tds os parcs nas sess do fórum emp, repr 1 1º “banco de ensaio” p/ a dif interc d results, bem c/o rec d sugests, p/ k os prods a desenvolv possam abrang 1 leque alarg de pub-alvo. Em qlq ds casos, a dif de prods não poderá ser feita s/ a concord ds seus auts. 3. Recs Técns: Tds parcs se comprom a afect ao proj, os recs técn hums e financs necess ao desenvolv das activs. Tds os parcs irão disponibil os recs p/ efectuar testes, mediç ou outros d interesse relev p/ o proj. Sb os Rec financs, estabelece-se o seg princíp: 3.1.Os fluxos financs do proj serão desenrolados à medida k as verbas forem disponibilk pl ent gest, o k pressupõe k as ents tenham autonom financ p/ desenvolv o proj; as transfs banc serão feitas p/ os parcs (p/o NIB por estes indicado), d acordo c/ a desp (paga) elegível p/ o proj e cump c/ os proceds fixados pl ent interl p/ a apresent de desps. 3.2.No caso de incump no desenvolv das activs e/ou ds proceds instit pl ent interl, nenh parc poderá exigir a transf d verb p/ reemb d desp ao abrigo do proj.4. Ajustam da Parc - Sp k, por nat div, se tenha k proceder ao ajust da PD (subst de parcs, ou desistência), Comité de Gest decidirá, tendo sp em consideração k a constituição da PD se fundam num agregar d compets p/ a exec do proj, na fase inicial ou numa fase d subst d parcs, será obrigat manter este princíp; no caso d desist d 1 parc, em fase avanç d desenvolv no proj, tentar-se-á encontrar 1 “solç inter”, i.e. outro parc k possa suprir as lacunas deixadas pelo 1º. Nst caso, será sp analisado o est d desenvolv da activ. 2.4 Assegurar que a difusão pública dos resultados do projecto, finais ou provisórios, só será efectuada após anuência do(s) parceiro(s) envolvido(s) na sua concepção. 3. Recursos técnicos 3.1 Assegurar estabilidade nos recursos técnicos afectos ao projecto. 4. Ajustamento da parceria 4.1 Proceder ao ajustamento da parceria, à saída ou entrada de novos parceiros, ou eventual revisão deste Acordo, nomeadamente se a avaliação do projecto o indicar como necessário.

Last update: 11-03-2008 dot Top


CENTIMFE- Centro Tecnológico da Industria de Moldes e Ferramentas Especiais

(CENTIMFE)
Rua de Espanha, Lote 8
-
P-2431-804-MARINHA GRANDE Marinha Grande

Tel:+351244545600
Fax:244545601
Email:cecilia.vicente@centimfe.com

 
Responsibility in the DP: Co-ordination of experimental activities
Design of the project
DP managing organisation
Evaluation
Monitoring, data collection
Transnational partnership
Type of organisation:University / Research organisation
Legal status:Non-profit private organisation (including NGO...)
Size:Staff < 10
NUTS code:PINHAL LITORAL
Date of joining / leaving:16-09-2004 /

Text available in

O Centimfe é um Centro Tecnológico, com o objectivo de apoiar o desenvolvimento técnico e tecnológico das indústrias de Moldes, Ferramentas Especiais e Plásticos. O CENTIMFE está estruturado em seis áreas, de forma a fornecer um leque alargado de serviços em que está especializado: Desenvolvimento Tecnológico; Qualidade(Laboratorio de Calibração e Controlo Dimensional, Gestão da Qualidade e Ambiental, Saúde e Segurança no trabalho), Vigilância Tecnológica, Tecnologias de Informação, Inovação e Prospectiva e Gestão. O Centimfe fornece formação nas áreas de concepção e desenvolvimento de produto, tecnologias de fabrico, qualidade, metrologia, TIC, entre outras, para além de ter participado e participar em vários projectos de I&D, programas de formação para o desenvolvimento, a sensibilização e inserção: Projecto Tecnoevolution, DIMOLDES; PENSE INDUSTRIA, Jovens Técnicos para a Indústria, Projecto Ch@tmould, entre outros. O Centimfe é acreditado, como entidade formadora, pelo INOFOR desde 1998. Além das actividades de enquadramento directo nas áreas referidas, o Centimfe desenvolveu competências transversais em: auditorias tecnológicas e de inovação; diagnósticos de investimentos; estudos de Benchmarking e reengenharia de processos produtivos, abarcando área técnica e área de recursos humanos, detendo recursos credenciados nestas áreas. Ainda no âmbito da promoção da inovação, salientam-se as competências do Centro, em termos de propriedade industrial, através do Gabinete de Apoio à Propriedade Industrial (GAPI), a funcionar no Centimfe desde o ano 2002.



Contact person(s)

Name First name Phone E-mail Responsibility
Cecília Soares Vicente Cecília +351244545600 cecilia.vicente@centimfe.com Entity contact person responsable for this project

Last update: 11-03-2008 dot Top


AZEMOLDES MOLDES AZEMEIS LDA

(AZEMOLDES)
Zona Industrial - Santiago de Riba-Ul - Oliveira de Azeméis
-
P-3720-502-SANTIAGO DE RIBA-UL Oliveira de Azemeis

Tel:+351256665000
Fax:256665001
Email:azemoldes@azemoldes.pt

 
Responsibility in the DP:
Type of organisation:Enterprise
Legal status:Private
Size:Staff < 10
NUTS code:ENTRE DOURO E VOUGA
Date of joining / leaving:17-06-2005 /

Text available in

A Azemoldes nasceu em 1987, resultante da conjugação de esforços dos seus actuais quatro sócios, que tinham desde o início, como objectivo posicionar a empresa entre as empresas de referência do sector em Portugal. Hoje e após a realização de investimentos faseados e contínuos, tanto em equipamento como em recursos humanos, a empresa encontra-se entre as maiores da sua região e com uma dimensão a ter em conta no âmbito nacional. Ora sendo Portugal um fornecedor qualificado no sector dos moldes para injecção de plásticos no mundo, esta dimensão assume especial relevância. É, pois, esta - através da definição de objectivos específicos - a estratégia geral da empresa - posicionar-se a nível mundial como fornecedor privilegiado de grandes clientes, nomeadamente na industria automóvel e de electrodomésticos. Para a persecução e cumprimento dessa estratégia global a empresa aposta na qualificação dos seus recursos humanos, no acompanhamento continuo de inovação tecnológica e a orientação dos seus investimentos nesse sentido, na diversificação dos mercados analisando e acompanhando as respectivas tendências. A Azemoldes tem sabido cultivar, dentro da globalização do mercado uma imagem de empresa séria, respeitadora, cumpridora, evoluída tecnologicamente e com grande capacidade dos seus recursos humanos. A Azemoldes desta maneira prepara-se para o futuro cimentando as bases da sua competitividade nesses parâmetros já mencionados que se traduzirão inevitavelmente na oferta de um serviço de qualidade.



Contact person(s)

Name First name Phone E-mail Responsibility
Nelson Martins Nelson +351256665000 nelson.martins@azemoldes.pt Entity contact person responsable for this project

Last update: 11-03-2008 dot Top


CEFAMOL- Associação Nacional da Indústria de Moldes

(CEFAMOL)
Av. D. Dinis, n.º17
-
P-2430-263-MARINHA GRANDE Marinha Grande
-

Tel:+351244575150
Fax:244575159
Email:cefamol@mail.telepac.pt

 
Responsibility in the DP:
Type of organisation:Employers' organisation
Legal status:Non-profit private organisation (including NGO...)
Size:Staff < 10
NUTS code:PINHAL LITORAL
Date of joining / leaving:19-11-2007 /

Text available in

A CEFAMOL – Associação Nacional da Indústria de Moldes, é uma instituição sem fins lucrativos e de utilidade pública, fundada em 1969, contando presentemente com 125 associados. É objectivo principal da CEFAMOL o desenvolvimento e expansão do sector de moldes, bem como a cooperação e investigação tecnológica, a formação técnico-profissional de todos quantos se dedicam a esta actividade, quer pela troca de experiências e métodos, quer por acções a desenvolver, nomeadamente as que se prendem com os Encontros e Congressos da Indústria de Moldes, Seminários e Conferências. Desde a sua fundação que tem contribuído para o desenvolvimento do sector de moldes em Portugal, nomeadamente: –Representando o Sector junto do Governo e restantes instituições oficiais, quer nacionais, quer internacionais; –Como elo de comunicação entre as empresas associadas, incentivando relações de cooperação conducente a uma mais rápida divulgação da informação, utilização das novas tecnologias e de novas formas de gestão e organização; –Divulgar e promover, de forma sistemática e contínua, o prestígio da produção nacional, a qualidade e o valor dos produtos e serviços da Indústria Portuguesa de Moldes. –Organizar acções de marketing internacional, através da participação em Feiras e realização de Missões Empresariais em mercados tradicionais e novos mercados, promovendo a competitividade internacional das empresas do Sector; –Impulsionar a criação duma consciência de sector industrial autónomo e o seu reconhecimento a nível nacional, através da realização dos Congressos da Indústria de Moldes; –Esteve na origem e foi a principal fonte de dinamização do CENTIMFE - Centro Tecnológico da Indústria de Moldes, Ferramentas Especiais e Plásticos, fundado em Janeiro de 1991; –Representa a Indústria Portuguesa de Moldes na ISTMA - International Special Tooling and Machining Association, tendo assumido em Janeiro de 2005, e pelo período de 3 anos, a Presidência do Comité Europeu da ISTMA, em simultâneo com o Secretariado-Geral desta Confederação. É desde Junho de 2007 Presidente da ISTMA World; –É responsável pela promoção de Projectos de Formação específicos para o Sector, sendo Entidade Acreditada pelo IQF; –Promove e integra Projectos de âmbito nacional e internacional, abrangendo as áreas de Cooperação Empresarial, Gestão e Organização, Inovação e Tecnologia, entre outros; –Publica trimestralmente a revista técnica "O Molde"; –Desenvolveu, estruturou e publicou o Manual de Procedimentos e Boas Práticas da Indústria de Moldes com o objectivo de uniformizar e sistematizar um conjunto de regras, nas diferentes áreas funcionais das empresas da Indústria de Moldes. –Presta, aos seus associados, serviços de consultoria jurídica e económica; Com o objectivo de melhorar continuamente os serviços prestados, a CEFAMOL encontra-se Certificada de acordo com a Norma NP EN ISO 9001:2000.



Contact person(s)

Name First name Phone E-mail Responsibility
Sandra Teresa Gomes Pereira Sandra +351244575150 sandra.pereira@cefamol.pt Entity contact person responsable for this project

Last update: 11-03-2008 dot Top


INTEPLASTICO INDUSTRIAS TECNICAS PLASTICOS SA

(INTEPLÁSTICO, S A )
ZONA INDUSTRIAL CASAL DA LEBRE
-
P-2431-804-MARINHA GRANDE Marinha Grande

Tel:+351244545260
Fax:244541010
Email:inteplastico@inteplastico.pt

 
Responsibility in the DP:
Type of organisation:Enterprise
Legal status:Private
Size:Staff < 10
NUTS code:PINHAL LITORAL
Date of joining / leaving:17-06-2005 /

Text available in

A Inteplástico tem como missão corresponder as expectativas dos accionistas, no retorno das aplicações financeiras envolvidas. A Inteplástico, enquanto empresa fornecedora do sector automóvel, eléctrico e electrónico, que trabalha para o mercado nacional e europeu como fabricante de peças e conjuntos injectados, pintados e tampografados, tem como propósito a melhoria continua dos seus produtos, processos e serviços por forma a ir constantemente ao encontro das necessidades e expectativas dos clientes. Nesta empresa as pessoas são o factor mais importante para a realização da Missão. Para tal, a Inteplástico procura, de uma forma consistente, assegurar o envolvimento dos colaboradores através da formação contínua e da realização profissional, procurando desta forma a dignificação da função e o reconhecimento social do mérito de cada um.



Contact person(s)

Name First name Phone E-mail Responsibility
Laurinda Montenegro Carvalho da Silva Laurinda +351244 54526 laurindamontenegro@inteplastico.pt Entity contact person responsable for this project

Last update: 11-03-2008 dot Top


ITJ INTERNACIONAL MOLDES LDA

(ITJ)
Rua da Indústria Metalúrgica - EMBRA
-
P-2430-000-(Desconhecida) Marinha Grande

Tel:+351244 572500
Fax:244 572501
Email:depcom@tj-moldes.pt

 
Responsibility in the DP:
Type of organisation:Enterprise
Legal status:Private
Size:Staff < 10
NUTS code:PINHAL LITORAL
Date of joining / leaving:17-06-2005 /

Text available in

A ITJ Internacional Moldes Ldª foi constituída em Junho de 1996. A sua génese teve como base um grupo de empresas já existentes (TJ Moldes S. A., TJ Aços Lda e RTJ Plásticos Ldª), numa política de desenvolvimento contínuo, associada a uma estratégia de expansão, visando a politica de globalização. Inserida na estratégia já referida a constituição da ITJ Internacional Moldes Ldª tornava-se necessária de modo a existir no Grupo uma empresa com capacidade para fabricação de moldes de grandes dimensões. Hoje o grupo é constituído por unidades com capacidade para fabrico de moldes até: -2 000 Kg : TJ Moldes S.A.; -10 000 Kg : TJ Aços Ldª; -30 000 Kg : ITJ Internacional Moldes Ldª. e ensaios dos mesmos produzidos nas diferentes unidades: RTJ Plásticos. Os moldes produzidos na ITJ Internacional Moldes Ldª destinam-se aos mercados das industrias automóvel, TV, embalagem, etc., sendo exportados através do departamento comercialexistente no grupo.



Contact person(s)

Name First name Phone E-mail Responsibility
Maria Dulce Ribeiro dos Santos Maria +351244572500 dulce@tj-moldes.pt Entity contact person responsable for this project

Last update: 11-03-2008 dot Top


Municipio da Marinha Grande

(CMMG )
Praça Guilherme Stephens
-
P-2430-000-(Desconhecida) Marinha Grande

Tel:+351244573300
Fax:244561710
Email:geral@cm-mgrande.pt

 
Responsibility in the DP:
Type of organisation:Public authority (national, regional, local)
Legal status:Public organisation
Size:Staff < 10
NUTS code:PINHAL LITORAL
Date of joining / leaving:17-06-2005 /

Text available in

Autarquia Local – Câmara Municipal, pessoa colectiva territorial dotada de órgãos representativos que visa a prossecução de interesses próprios das populações respectivas, bem como do interesse público no respeito pelos direitos e interesses legalmente protegidos dos cidadãos, nomeadamente, em matéria das atribuições e competências que lhe são conferidas nos termos da Lei, gozando de autonomia administrativa e financeira.



Contact person(s)

Name First name Phone E-mail Responsibility
Sónia Maria de Amorim Pereira Sónia +351244573300 formacao@cm-mgrande.pt Entity contact person responsable for this project

Last update: 11-03-2008 dot Top



 
 
 
 

 
 
 
 

 
 
 
 
Warning! This section is not meant to be read directly, but rather be navigated through from the main page above.
 
 
 
 

SAFEWORK

Rationale

Text available in

- O Diagnóstico realizado na Acção 1, abrangeu 19 empresas de moldes e plásticos, que em termos de SST apresentam situações muito díspares, mas preocupações muito comuns.Para cada empresa, foi elaborado um relatório de Diagnóstico, com evidência de boas práticas e aspectos a melhorar (cerca de 50 páginas de informação). Assim, os pontos fortes e fracos aqui relatados não são abrangentes.PONTOS FORTES: Algumas empresas têm já incorporado: Recolha selectiva de Resíduos (preocupações ambientais); acções pontuais de sensibilização para a SST; Alguns equipamentos com manuais de utilização na área da prevenção de riscos; Identificação de substâncias nocivas para a saúde; Sistemas auxiliares de movimentação de cargas; Fichas de Segurança em alguns equipamentos (cuidados a ter na manipulação); Aspectos de limpeza essencialmente de óleos que reduzem o risco de quedas. Em casos mt pontuais existe o envolvimento/parceria com os Serviços de Medicina no Trabalho; as zonas de maior ruído estão isoladas de forma a proteger os trabalhadores expostos ao ruído; disponibilização de alguns Equipamentos de Protecção Individual (EPI’s), mas nem sempre utilizados; alguns postos de trabalho adaptados ergonomicamente (ex. cadeiras rotativas com apoio de pés)OPORTUNIDADES: Aproveitar a regulamentação existente e promover o cumprimento da legislação em termos de Código do Trabalho e Legislação sobre SHST; Criação de um sistema de informação sobre acidentes de Trabalho, para análise e tratamento dos acidentes de trabalho, de forma a identificar as causas e definir acções preventivas. Na fase de Diagnóstico, foram identificadas, por ex. as zonas do corpo atingidas, o que permitiu concluir da falta ou incorrecta utilização de EPI’s, bem como as horas de concentração de acidentes (meio da manhã e da tarde), o que permite relacionar com as pausas ou falta delas; Organizar os Serviços de SST nas empresas, por forma a obter vantagens negociais com as seguradoras; Mt vontade em melhorar, - PONTOS FRACOS:Inexistência de Sistema de Comunicação Interna, sobre SST; Inexistência de campanhas de sensibilização de SST; Inexistência de SI que permita planear acções preventivas; Desconhecimento/incumprimento de legislação sobre SHST (ameaça de coimas); Acidentes de trabalho com consequências para a saúde dos trabalhadores e absentismo para as empresas; Consumo regular de bebidas alcoólicas pelos colaboradores; Desconhecimento de características de EPI’s (luvas, botas, auriculares, máscaras etc), adaptados aos factores de risco (prevenção); Postos de trabalho que não permitem a evacuação dos trabalhadores (zonas não demarcadas e/ou estranguladas com obstáculos); Não utilização de EPI’s pelos colaboradores; Inexistência de pausas que minimizem o risco de doenças profissionais em trabalhos repetitivos; Exposição a ruído intenso; Falta de preocupações ergonómicas nos postos de trabalho; Custos com seguradoras muito penalizadores para empresas “inseguras”. Inexistência do Plano de Emergência Industrial; Falta de sensibilização dos colaboradores para Comportamentos Seguros; Ausência generalizada de sinalética de SST; Falta de identificação de substâncias nocivas e de medidas preventivas; riscos eléctricos; Desconhecimento de procedimentos sobre movimentação manual de cargas; Inexistência de fichas de Segurança de equipamentos; Falta de envolvimento com os serviços de Medicina do trabalho; Ausência completa de qq interacção com os serviços de socorro: Bombeiros e Protecção Civil; Na área produtiva do sector de moldes, falta de instalações sanitárias femininas (condicionante da igualdade de oportunidades face ao género); Falta de condições de acessibilidade, para trabalhadores portadores de deficiência (condicionante à (re)integração); Falta de conhecimento generalizado de “como actuar em caso de acidente”;AMEAÇAS:Dificuldades que poderão condicionar acções que acarretem custos; Desafio em manter o entusiasmo e a vontade de melhorar durante um largo período de tempo;

dot Top


Objective

Text available in

O projecto tem por objectivo geral a sensibilização de gestores das empresas de moldes e plásticos, colaboradores dessas empresas e comunidade em geral para a importância da adequação das condições de SST. Estes sectores de actividade têm necessidades específicas k condicionam o desempenho produtivo das organizações, a sua sustentabilidade e, acima de tudo, a qualidade de vida dos trabalhadores e igualdades d integração. Este projecto pretende desenvolver ferramentas de execução e d orientação que vão ao encontro dessa especificidade, estimulando e orientando o desenvolvimento das actividades da função d organização dos serviços de SST nas empresas, bem como a responsabilidade social. As principais áreas d intervenção identificadas são operacionalizadas nas seguintes actividades: -Sensibilização de Gestores e colaboradores p/ a temática da SST, com desenvolvimento de material d sensibilização (folhetos, manuais práticos, cartazes) e promoção d acções de formação -Coordenação da melhoria das condições físicas da empresa por forma a permitir a integração d todos os trabalhadores, incluindo sinistrados/portadores d deficiência; -Desenvolver competências na área da gestão da emergência promovendo formação, ferramentas de orientação d organização dos serviços d SST nessa área e coordenando exercícios de simulação. -Desenvolver metodologias e ferramentas de orientação e d execução d acções essenciais p/ a organização dos Serviços de SST -Estudo e implementação d acções conducentes à implementação da gestão da SST integrado em sistema d gestão já implementados. -(Re)organizar o trabalho nas PME, p/ prevenir e controlar os riscos -Criar Fórum Empresarial- rede alargada de cooperação, repositório e informação relevante SST como veículos de recolha e divulgação de informação relevante -Promoção da responsabilidade social com acções de sensibilização p/ promover a conciliação vida profissional-familiar, motivação, gestão de stresse, entre outras -Promover a autoformação recorrendo a TIC e formação no posto de trabalho com o objectivo de conferir autonomia de execução de actividades e desta forma assegurar a sua continuidade -Disseminar boas práticas com recolha e divulgação de relatos dos intervenientes directamente envolvidos na concepção e utilização do material de apoio, ferramentas e conteúdos formativos A implementação destas actividades resulta num conjunto de produtos direccionados p/ gestores, promotores internos de segurança (PIS), trabalhadores, pessoas portadoras de deficiência, jovens estudantes e comunidade local: -Material de divulgação (manuais práticos, folhetos, cartazes) -Ferramenta digital de auto avaliação de riscos -Guia de orientação das actividades dos PIS “Organização dos serviços de SST – Como?” -Guia de orientação para definição do “plano de emergência – como estruturar” -Guia de actuação face à emergência "Como actuar face ao acidente" -Repositório digital: Legislação e informação relevante sobre SST

dot Top



Logo EQUAL

Home page
DP Search
TCA Search
Help
Set Language Order
Statistics